Inicio Autores Posts por Ricardo Andrade

Ricardo Andrade

1249 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Contisystems lança Merece, o Movimento Empresarial para a Reciclagem de Cartões com Componentes Eletrónicos

Este é um movimento que pretende juntar o maior número possível de entidades emissoras para garantir um tratamento ecologicamente responsável dos cartões inutilizados. Para esse efeito, o Merece assegura o seu encaminhamento para reciclagem, transformando-os em mobiliário urbano. Adicionalmente efetua a compensação da pegada de carbono estimada para os cartões com a plantação de 1 árvore por cada kg de cartões recolhido.

De onde surgiu este movimento?

Esta é uma iniciativa da Contisystems, um dos maiores fornecedores nacionais de cartões bancários e nãobancários. Com o objetivo de minimizar o seu impacto ambiental, a Contisystems identificou a sua área de Soluções de Pagamento como sendo grande geradora de plástico que não pode ser encaminhado para o ecoponto amarelo devido aos seus componentes eletrónicos (chip, antena, banda magnética). Ao procurar uma solução para estes resíduos, encontrou a Extruplás, o parceiro que, pelo tipo de processo que usa e pelo tipo de produtos que produz, consegue introduzir como matéria-prima a estilha de plástico com componentes eletrónicos.

Como funciona este movimento?

Atualmente, além da Contisystems, existem 3 membros emissores de cartões: O Santander, o Banco CTT e a Unicre. Contamos que em breve sejam muitos mais para que possamos alargar o impacto desta iniciativa. Os membros do movimento têm a responsabilidade, com todo o apoio e suporte da Contisystems, de recolher os cartões inutilizados. E isso pode ser feito de 3 formas diferentes.

Caixas de recolha
Sempre que os membros entendam como viável poderão disponibilizar caixas de recolha Merece nos seus pontos de atendimento ao público.

Caixa automática
No caso de serem emissores de cartões bancários, os membros podem ainda optar por dar aos seus clientes a opção de deixarem o seu cartão caducado ser capturado na caixa automática, assegurando o seu posterior encaminhamento para o tratamento no âmbito do Merece.

Envio pelo correio
Os envios tanto podem ser de livre iniciativa de consumidores como promovidos pelos emissores, com o envio de um RSF aquando do envio de cartão de renovação.
Para o envio espontâneo será disponibilizado um apartado (atualmente – Contisystems – Apartado 201 – Loja CTT Rebelva (Carcavelos) 2776-970 Carcavelos) para onde poderão ser enviados os cartões para tratamento no âmbito do Merece.

A produção de cada cartão com componentes eletrónicos gera uma pegada de carbono de
aproximadamente 150gr. Para compensar esta pegada, o Merece irá proceder a ações de plantação de árvores.
Através do nosso parceiro Associação Plantar uma Árvore, iremos plantar 1 árvore por cada kg deresíduos recolhido no âmbito desta ação assegurando a sua manutenção por 5 anos.

Evento de Lançamento do Merece
Temos o prazer de o convidar a assistir à transmissão online do evento de lançamento do Merece, no dia 8 de outubro de 2021, às 9h30. Vamos contar com a participação dos primeiros membros do movimento e com os nossos parceiros que nos ajudam a dar aos cartões o final que merecem.

CLIQUE AQUI PARA SE INSCREVER: https://merece.pt/evento-lancamento

Vinho de Talha alentejano é parceiro oficial de evento londrino em honra da Rainha de Inglaterra

Produtor alentejano de Vinho de Talha, sediado na região vitivinícola da Vidigueira, foi convidado pelo The International Club for Rolls-Royce & Bentley Enthusiasts, um grupo mundial de fãs das prestigiadas marcas automóveis, para ser o parceiro oficial do evento “Strive for Perfection”, que se realiza em Londres, no próximo dia 08 de outubro, em honra da Rainha de Inglaterra, Isabel II.

De acordo com o produtor, Honrado Vineyards, a escolha da empresa da região vitivinícola alentejana para este evento foi motivada pela crescente notoriedade do vinho português no mercado internacional e pela herança histórica e milenar do Vinho de Talha.

No evento vai ser lançado um livro de entrevistas dos parceiros da The International Club for Rolls-Royce & Bentley Enthusiasts, no qual também o Vinho de Talha será, uma vez mais, destaque. A publicação vai ser distribuída pelos mais de 20 mil sócios do clube e colocado em exposição em todos os stands da Rolls Royce e da Bentley espalhados pelo mundo, o que irá contribuir para a divulgação do Vinho de Talha ao nível global.

“É uma honra para a nossa comissão termos conhecimento que um dos nossos produtores terá o orgulho e a responsabilidade de levar a história dos Vinhos de Talha alentejano além-fronteiras. Acresce que esta participação vem dar força à candidatura a Património Cultural Imaterial da Humanidade da Produção Tradicional de Vinho de Talha, que tanto ansiamos conquistar”, salienta Francisco Mateus, presidente da Comissão Vitivinícola Regional Alentejana.

O evento, que é organizado em honra da Rainha da Inglaterra, e para o qual a própria foi convidada, conta com uma zona de exposição onde o produtor alentejano poderá divulgar a marca e fazer provas de vinho.

Recorde-se que o modo de vinificação do Vinho de Talha chegou ao Alentejo pelas mãos dos romanos, há mais de 2 mil anos e permanece, até aos dias de hoje, como parte da cultura e ADN da região. Este vinho inigualável distingue-se essencialmente pelo facto de fermentar na talha, ao invés de em cubas, o que lhe confere características únicas.

SOBRE A COMISSÃO VITIVINÍCOLA REGIONAL ALENTEJANA:

A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) foi criada em 1989 e é responsável pela proteção e defesa da DOC Alentejo e da Indicação Geográfica Alentejano, certificação e controlo da origem e qualidade, promoção e fomento da sustentabilidade.

O Alentejo é líder nacional em vinhos certificados, com cerca de 40% de valor total das vendas num universo de 14 regiões vitivinícolas em Portugal. Com uma área de vinha de 22,9 mil de hectares, 30% da sua produção tem como destino a exportação para cinco destinos principais, designadamente Brasil, Angola, EUA, Polónia e China.

Uma das duas únicas regiões do mundo que produz Vinho de Talha há mais de dois mil anos, o Alentejo é ainda detentor de uma iniciativa pioneira, o “Programa de Sustentabilidade dos Vinhos do Alentejo”, que tem como objetivo melhorar as práticas utilizadas nas vinhas e adegas, produzindo uvas e vinho de qualidade e economicamente viáveis.

Pandemia acelerou o comércio eletrónico, mas ameaça o retalho europeu

Nos cinco principais mercados europeus – Reino Unido, França, Itália, Espanha e Alemanha – a penetração do comércio eletrónico nas vendas de produtos de supermercado varia entre os 3% e os 11%.  Só no último ano, o crescimento anual das vendas das empresas retalhistas através de canais digitais foi de 5,3% – quase o dobro do crescimento médio registado nos últimos 10 anos, impulsionado por um maior número de refeições feitas em casa e pelo aumento da procura por produtos de higiene pessoal e de uso doméstico.

Durante a primeira metade deste ano, as vendas através de comércio eletrónico cresceram 2,4%, apesar da abertura progressiva de bares e restaurantes. De acordo com os economistas do acionista da COSEC, esta tendência deverá manter-se independentemente do alívio das medidas para controlo da pandemia.

Contudo, o estudo alerta que este crescimento poderá ter um impacto negativo na rentabilidade do setor, uma vez que os elevados custos operacionais não se repercutem no preço apresentado aos consumidores. Estima-se que cada ponto percentual de compras que transite para os canais online implicará perdas de mais de 13 mil milhões de euros em vendas e quase 2 mil milhões de euros em lucros na receita das empresas de retalho alimentar, o equivalente a 4% do total.

Concorrência e rentabilidade: os novos desafios do mercado retalhista

A análise destaca que a crescente penetração do comércio eletrónico no setor do retalho alimentar implica dois grandes desafios para os operadores estabelecidos: primeiro, altera a regra da concorrência por preço, acrescentando à equação a conveniência e o serviço, fazendo com que as empresas mais pequenas ou mais reticentes em acompanhar a transição digital enfrentem um maior risco de perder quotas de mercado; segundo, é uma grande ameaça à rentabilidade. As vendas de mercearia online são efetuadas com prejuízo, independentemente do modo de entrega (clique e recolha ou entrega ao domicílio), uma vez que estes novos processos acarretam custos operacionais mais elevados do que o tradicional.

Mercados maiores, riscos acrescidos

Entre os principais parceiros comerciais de Portugal, o Reino Unido e França são os países cujo setor do retalho enfrenta maiores riscos: as taxas de penetração do comércio eletrónico são elevadas, a concentração do mercado é maior e verifica-se uma forte presença de supermercados e hipermercados com estruturas preparadas para entrar no comércio eletrónico. No mercado francês, por exemplo, são predominantes os serviços de “drive-through” ou “click and collect”.

Em Itália e Espanha, o mercado é mais fragmentado, caracterizado por uma forte concorrência entre empresas estrangeiras e grandes empresas nacionais ou regionais, o que se traduz numa penetração mais baixa do uso do comércio eletrónico, ainda que as vendas através dos canais online tenham aumentado entre 60 a 65%.

Já o mercado alemão é maioritariamente composto por “discounters” (35% do mercado face aos 10-15% noutros grandes mercados), que tendencialmente são mais reticentes em acompanhar as tendências.

Uma nova estratégia

O estudo da Euler Hermes prevê que a dupla ameaça às quotas de mercado e aos lucros leve os retalhistas a repensar as suas estratégias de operações de comércio eletrónico, com enfoque em três principais áreas de reflexão: (i) uma adaptação do mix de lojas e uma rotação no investimento para permitir uma melhor adaptação a uma maior penetração do comércio eletrónico; (ii) investimento em capacidades digitais permitindo uma maior eficiência, com vista a atingir a paridade de lucro em relação ao retalho físico e (iii) parcerias com empresas do ecossistema de comércio eletrónico em rápido crescimento (empresas de tecnologia alimentar, entregas de mercearia e logística).

Comércio alimentar e retalho nacionais com forte crescimento no e-commerce

A análise realizada pela SIBS Analytics no Relatório 365 dias de pandemia – Alterações nos hábitos de consumo dos portugueses releva que, nas compras digitais nacionais, “os setores de comércio alimentar e retalho e material desportivo e recreativo apresentaram crescimentos mais acelerados face ao período homólogo, encontrando no comércio online uma alternativa para a quebra registada nas compras físicas” (considerando os dados registados no primeiro ano de pandemia). O estudo destaca ainda que “o comércio alimentar e retalho cresceu 109% neste canal no primeiro confinamento e 97% no segundo, enquanto o setor material desportivo e recreativo aumentou ainda mais: 114% de consumo no primeiro confinamento e 190% no segundo.” As conclusões do Relatório Europeu de Comércio Eletrónico, divulgado pelo EuroCommerce, reforçam esta perspetiva do desenvolvimento do e-commerce nacional, tendo sido registado um crescimento de 23% no comércio eletrónico português em Business to Consumer, em 2020, representando um volume de negócios de cerca de € 7.4 mil milhões.

Sobre a COSEC

A COSEC é a seguradora líder em Portugal no ramo do seguro de créditos, oferecendo as melhores soluções para apoio à gestão e controlo de créditos, bem como garantias de seguro caução.

A Companhia é, desde a sua constituição, em 1969, responsável pela gestão do Sistema de Seguro de Créditos com Garantia do Estado português, para apoiar as empresas na sua exportação e internacionalização para países de risco político agravado.

A COSEC é uma empresa de capitais privados, repartidos equitativamente pelo Banco BPI, o quarto maior Banco Português, e pela Euler Hermes, líder mundial em seguro de créditos.

Para saber mais, consulte o site http://www.cosec.pt e acompanhe a COSEC no LinkedIn.

BMAP Virtual Week: lançar um negócio em tempos de pandemia

O objetivo é explorar o processo de lançamento de um novo negócio num período de pós-pandemia. A iniciativa abordará temas como o impacto da pandemia de COVID-19, o perfil do empreendedor, o levantamento de investimento e a internacionalização de negócio.

Lisboa, 4 de outubro de 2021 – A 11.ª edição do Concurso Banco Montepio Acredita Portugal, o maior concurso de empreendedorismo do país, conta com uma semana de sessões virtuais de debate, designada BMAP Virtual Week, a decorrer entre 6 e 13 de outubro.

A iniciativa é organizada em parceria com a Virtual Future, versando sobre os desafios do ecossistema empreendedor e startups. A inscrição para acompanhar a MAP Virtual Week é gratuita e pode ser realizada em https://virtualweek.pt.

A BMAP Virtual Week integrará ainda a gala de apresentação de vencedores do Concurso Banco Montepio Acredita Portugal, cujos projetos vencedores serão conhecidos a 9 de outubro.

O programa da BMAP Virtual Week inclui sessões abertas que permitirão a qualquer pessoa endereçar perguntas a personalidades do setor do Empreendedorismo em Portugal e webinars temáticos nos quais serão abordados temas como:

6 de outubro de 2021

  • Será que tenho perfil empreendedor? – Orador: Synergy
  • Principais erros que cometi ao lançar o meu negócio? –  Oradores: Gaspar d’Orey, Dott; João Lopes, Bloq.it; José Miguel Queimado, Acredita Portugal

7 de outubro de 2021

  • Como validar um negócio em tempos de pandemia? – Orador: Diogo Bhovan, Cron.Studio
  • Como ler um investidor? – Orador: Alexandre Monteiro
  • Como é o “novo normal” do investimento de risco em Portugal? – Oradores: Helena Maio, Portugal Ventures; Tocha, Olisipo Way; Tomás Penaguião, Bynd Venture Capital; Isabel Neves, Business Angel

8 de outubro de 2021

  • Que problemas das empresas podem ser resolvidos pelos empreendedores? – Oradores: Pedro Ricardo Gomes, Banco Montepio; Franco Caruso, Brisa; Tiago Farinha, KCS iT; Miguel Lemos, Águas de Gaia; António Castro, Gaiurb
  • Case Study: Experiência de levantar investimento e apoios para tal – Oradores José Vale, IAPMEI; Hugo Trindade, SCEMAI
  • Como internacionalizar o meu projeto para diferentes geografias? – Chen Amishay, Innovel (Israel); Simone Basile, Interectti (Brasil).

Leroy Merlin inaugura nova loja no Funchal

Com a abertura desta nova loja, a LEROY MERLIN vai trazer até aos Habitantes da região autónoma da Madeira uma oferta mais diversificada de produtos e serviços de bricolage, construção, decoração, cozinha, casa de banho e jardim. A loja do Funchal possibilita aos Clientes descobrir e dar vida a todos os projetos para a casa com o apoio e aconselhamento dos seus 190 colaboradores. Deste total, 120 são novas contratações e é totalmente integrada na nova loja a equipa que fazia parte da loja AKI do Funchal.

Esta abertura enquadra-se no processo de convergência entre a LEROY MERLIN e o AKI, ambas insígnias pertencentes ao grupo ADEO. Deste processo, anunciado em junho de 2018, nasceu em janeiro de 2019 uma nova empresa única que une as duas empresas e marcas. Por isso, em consequência da abertura desta nova loja encerra o AKI Funchal.

Na LEROY MERLIN Funchal, a primeira loja de grande dimensão que a LEROY MERLIN inaugura nas Regiões Autónomas, o Habitante passa a ter disponível uma oferta mais diversificada de produtos, soluções e serviços, complementada pelo online através do site leroymerlin.pt onde pode aceder a mais de 130.000 produtos. A abertura desta tipologia de loja enquadra-se na implementação do Multiconceito, com espaços comerciais de pequena, média e grande dimensão complementares entre si e apoiados pelo canal online.

Situada junto ao Hospital Privado da Madeira, a LEROY MERLIN Funchal tem uma superfície de venda com mais de 11.000m2, nos quais se incluem 3.000m2 da área de materiais de construção.

Na loja estão disponíveis ambientes de inspiração de cozinha, casa de banho, roupeiros, arrumação e revestimento para inspirar os Clientes na criação dos seus projetos e existem também Espaços Projeto, zonas onde o Cliente pode contar com o aconselhamento de assessores especializados para desenvolver todos os seus projetos. Existe também um Atelier de Decoração, espaço dedicado ao aconselhamento do cliente e dotado de uma equipa especializada onde os Habitantes podem criar o seu projeto de decoração, feito à medida, personalizado e completamente adaptado às suas necessidades.

Nesta nova loja, os Clientes podem ainda encontrar outras valências, tais como um drive-in específico para materiais de construção – que facilita o processo de compra dos Clientes –, um local de recolha de mercadoria e serviços como corte de madeira, financiamento, entrega ao domicílio em toda a ilha da Madeira e Porto Santo, instalação e muitos outros. Na LEROY MERLIN Funchal, o Cliente tem à sua disposição diversos produtos das Marcas da Casa, com a melhor relação qualidade-preço, e onde pode ainda escolher terminar as suas compras com toda a conveniência e segurança, utilizando as caixas de self-checkout.

 Os Clientes da LEROY MERLIN do Funchal vão poder usufruir do Cartão da Casa, o programa de fidelização da LEROY MERLIN, gratuito e que permite ao Cliente ter 10% de desconto direto em projetos e obter outras vantagens tais como vales de desconto. Está também disponível o Cartão da Casa Profissional, com todas as vantagens do Cartão da Casa para particulares, às quais se juntam várias vantagens específicas para Clientes Profissionais.

A loja do Funchal vai ter painéis fotovoltaicos disponíveis desde a abertura, dando continuidade a uma aposta na sustentabilidade criada com o objetivo de trazer Impacto Positivo não só para a vida dos Clientes, mas também para toda a comunidade local. No total, a LEROY MERLIN instalou 1.032 módulos na loja do Funchal, cuja produção vai representar – estima-se – 42% das necessidades energéticas do edifício.

O horário de funcionamento da LEROY MERLIN Funchal será das 8h às 20h de segunda a sábado e feriados, e das 9h às 17h aos domingos. Devido ao contexto pandémico, os horários poderão ser ajustados de acordo com as indicações do Governo Português.

Inverno pode trazer mais casos de infeção pelo vírus sincicial respiratório e situações mais graves, alerta Sociedade Portuguesa de Pediatria

O vírus sincicial respiratório (VSR) é um vírus muito frequente e as infeções respiratórias que causa costumam ser, explica Inês Azevedo, presidente da Sociedade Portuguesa de Pediatria, “comuns, como constipações. No entanto, pode causar doenças graves em populações vulneráveis, nomeadamente em crianças abaixo dos dois anos de idade, onde é o agente causal mais frequente de bronquiolite ou pneumonia vírica”, acrescenta a especialista, que deixa o alerta: “a infeção pelo vírus SARS-Cov-2 veio alterar a epidemiologia da doença, dado que no inverno passado não se verificou o habitual pico. Assim, existe um maior número de crianças que nunca contactou com este vírus e, por isso, é teoricamente possível que se verifique um maior número de casos neste inverno, com maior gravidade”.

São as crianças mais vulneráveis e em maior risco de desenvolver a doença aquelas que mais preocupam, ou seja, “as mais jovens, abaixo dos dois anos de vida e sobretudo as que apresentam fatores de risco, como os prematuros e crianças com doenças crónicas, como cardiopatias congénitas severas, doenças respiratórias crónicas ou doenças neuromusculares”. De tal forma que, para estes grupos de risco, “a Direção-Geral da Saúde (DGS) recomenda a prevenção da infeção através da injeção mensal de anticorpos monoclonais”, explica Inês Azevedo. Ou seja, “até ao primeiro ou segundo ano de vida, a prevenção da infeção faz-se pela injeção mensal de anticorpos durante a época de maior incidência, habitualmente de novembro a abril, num total de até cinco tomas”. No entanto, “este ano, excecionalmente, e devido à alteração da sazonalidade da doença, com casos identificados a partir do mês de maio, a DGS antecipou o início da prevenção para setembro”. Uma decisão tomada na sequência de um trabalho conjunto entre a Sociedade Portuguesa de Pediatria, o Instituto Ricardo Jorge e a DGS, “para documentar o aumento invulgar do número de infeções nos meses de verão. Face aos números e à gravidade das infeções, é plenamente justificada a antecipação da época profilática”.

De facto, este é um vírus que, por cá, ocorre habitualmente entre novembro e abril, com pico acentuado no fim de dezembro, “condicionando um elevado número de recursos a consultas urgentes e internamentos. Habitualmente, a bronquiolite aguda, da qual o VSR é o maior responsável, leva ao internamento de cerca de 5000 crianças por ano”. Mas as medidas que estiveram em vigor no inverno passado, entre as quais o isolamento social, a implementação do teletrabalho e do ensino não presencial, assim como o uso de máscaras “levaram a uma diminuição abrupta de casos de infeção por VSR e vírus da gripe. É plausível que o levantar das restrições tenha levado ao aumento de infeções”, refere a especialista.

Obstrução, corrimento nasal, tosse e febre são os sintomas mais comuns da infeção por este vírus. “No entanto, em crianças mais pequenas, especialmente abaixo do ano de idade, a infeção pode progredir para as vias aéreas inferiores, podendo causar bronquiolite aguda ou pneumonia. Nestas situações, surgem gradualmente sinais de dificuldade respiratória, com cansaço, aumento do trabalho dos músculos respiratórios, respiração acelerada, por vezes pieira (chiadeira) e dificuldades na alimentação”, explica a médica.

Uma infeção que, segundo a especialista, “é de fácil transmissão e geralmente as crianças pequenas adoecem por contacto com crianças em idade escolar ou adultos constipados. A melhor forma de prevenir é o cumprimento estrito das regras de etiqueta respiratória, especialmente a adequada higienização das mãos e a utilização de máscaras pelos contactos próximos quando apresentam sintomas respiratórios. Deve também evitar-se a frequência de espaços fechados com aglomeração de pessoas e a exposição ao fumo do tabaco”.

Apesar dos pais de bebés prematuros, um dos principais grupos de risco para esta infeção e para o qual a profilaxia está indicada, assim como os profissionais de saúde que cuidam destas crianças estarem sensibilizados para esta questão, Inês Azevedo considera que são necessárias “campanhas de sensibilização para a prevenção da infeção destinadas a outros profissionais de saúde e à população geral, para proteger não só os prematuros, mas também todas as crianças pequenas sem fatores de risco”.

Ordem dos Médicos Veterinários celebra 30 anos

A instituição tem como atribuições a defesa da saúde pública através da salvaguarda e promoção da saúde, do bem-estar animal e da segurança alimentar, bem como contribuir para a dignificação do Médico Veterinário e o reconhecimento do seu papel na sociedade. As comemorações são assinaladas pela OMV com a oferta aos seus membros de um livro de fotografias inéditas sobre o mundo rural do Médico Veterinário e fotógrafo português Jorge Bacelar, distinguido nos melhores concursos de fotografia do mundo.

A instituição nasceu em 1991,  a sequência do Decreto-Lei nº 368/91, de 4 de outubro, em que o Governo designa a Comissão Instaladora da OMV constituída por Renano Henriques, Jorge Silva, Pena Monteiro, Carmo Costa, Manuel Lage e Cardoso de Resende, dando início a um novo marco na História da Medicina Veterinária em Portugal, e teve como primeiro Bastonário Fernando Cardoso Paisana.

Para assinalar as efemérides, a OMV destaca a evolução da profissão, as principais questões do setor e a importância dos Médicos Veterinários nas suas diversas áreas de atuação que vão desde a saúde e bem-estar animal, incluindo a clínica de animais de companhia, espécies exóticas, espécies pecuárias e equinos, bem como as áreas da tecnologia alimentar, inspeção sanitária, segurança alimentar e saúde pública, entre outras.

Traçando o perfil da profissão, Portugal tem, atualmente, 6677 Médicos Veterinários com inscrição ativa na OMV. A maioria dos profissionais com inscrição ativa (3397) pertencem ao Conselho Regional Sul, seguindo-se o Conselho Regional Norte, com 1715 profissionais e o Conselho Regional Centro, com 1223. Seguem-se os Conselhos Regionais dos Açores e da Madeira, com menor número de profissionais ativos, muito pela sua dimensão, com 236 e 102 Médicos Veterinários, respetivamente.

No balanço destes 30 anos, destaca-se a modernização e profissionalização da OMV, a defesa do exercício da profissão veterinária e dos interesses dos animais, nomeadamente, com a realização de estudos científicos, criação do programa Cheque Veterinário, iniciativas de apoio solidário e campanhas de sensibilização.  A redução do IVA nos Atos Médico-Veterinários, a aprovação do Ato Médico-Veterinário e o processo de licenciamento dos equipamentos radiológicos, têm sido alguns dos temas prioritários para a OMV.

“Neste novo ciclo que agora iniciamos, iremos continuar a dar prioridade a “Uma Só Saúde”, defendendo a visão integrada das áreas que envolvem o bem-estar humano, animal e ambiental e o amplo papel que o Médico Veterinário exerce na solução de desafios globais para a sociedade. Áreas como a vigilância epidemiológica, a medicina preventiva, a saúde pública, o controlo de zoonoses, a gestão populacional de animais e a vigilância ambiental, são áreas prioritárias da medicina veterinária nos próximos anos que a OMV irá acompanhar de perto”, refere Jorge Cid, Bastonário da Ordem dos Médicos Veterinários.

Atravessando um contexto ainda marcado pela pandemia que trouxe muitos desafios à Medicina Veterinária, “é indissociável a interação entre a saúde humana, ambiental e animal, e a profissão de Médico Veterinário tem o objetivo de zelar pela saúde e bem-estar de forma integrada e considerando o ambiente inserido”, acrescentou.

Absolut e Uber juntam-se para promover um regresso a bares e a discotecas com responsabilidade

A oferta de 40% de desconto em 2 viagens é feita pelas duas marcas como forma de promover junto do utilizador um sentimento de maior segurança na deslocação até às discotecas e no seu regresso a casa. Para a redenção deste desconto, os utilizadores Uber terão de aplicar o código promocional ABSOLUTSAFE quando estiverem a solicitar a sua viagem na aplicação.

Para Joana Franco, Head of Marketing da Pernod Ricard Portugal, “a promoção de um consumo responsável é algo que o Grupo Pernod Ricard e as suas marcas defendem há já bastante tempo. Queremos que o consumidor português desfrute deste regresso, mas de forma segura e responsável. É muito importante para todos – principalmente para os próprios estabelecimentos – que este regresso corra bem, pelo que tudo faremos para apoiar iniciativas como esta”.

De acordo com Manuel Pina, Diretor Geral da Uber Portugal, “a segurança esteve sempre na origem daquilo que fazemos. Agora que bares e discotecas vão reabrir em horários habituais, os parceiros e motoristas Uber voltam a estar lá, disponíveis para ajudar os nossos utilizadores a viajarem e em total segurança.

Remodelação de Cozinhas: quais as tendências para 2021

A cozinha é um espaço essencial na casa moderna. Não perdeu o seu espaço como lugar de trabalho, mas desenvolveu-se noutras dimensões, sendo cada vez mais espaço de lazer e prazer, reunião e convívio de família e amigos.

Tendências 2021: de cozinhas modernas com ilhas às cores usadas

As tendências de 2021 refletem o papel cada vez mais importante que a cozinha tem na vida familiar. Quer remodelar a sua cozinha? Fique por aqui e por dentro das nossas sugestões.

Cozinhas com ilhas

Nas cozinhas modernas com ilhas, que podemos, por exemplo, encontrar na Leiken, as ilhas desempenham vários papéis. Se primeiramente eram vistas como espaço para arrumação, atualmente acrescentam-lhe a importância de serem locais de reunião, agregando famílias e amigos à sua volta. Essa dupla valência confere-lhes um lugar nas tendências das cozinhas para 2021. A sua valorização nota-se também na importância que a iluminação lhes atribui cada vez mais. Para além disso, os destaques de cor ou material nas ilhas são também reflexo da sua importância crescente.

Cores e materiais

Por falar em cores e materiais, segundo aponta o site Idealista num artigo sobre a matéria, a aposta este ano passa “por ambientes de linhas modernas, em cores e materiais clássicos e que trazem sempre elegância à cozinha, quer seja hoje, quer seja daqui a dez anos.” O artigo destaca ainda materiais como o mármore e o granito, devido à sua durabilidade, resistência e facilidade de manutenção. Relativamente às cores, destacam-se as cores neutras, porque conferem maior flexibilidade na decoração, independentemente das tendências de cada época em particular.

Um estilo industrial

O industrial é um estilo que tem vindo a ganhar preponderância. E é exatamente aquilo que o nome diz, reimaginado bancadas de inox, paredes em tijolo e instalações elétricas visíveis para uso caseiro. Como pedra-de-toque para conferir o estatuto industrial, o piso em cimento queimado, que é altamente resistente, fácil de limpar e duradouro. Uma das mais valias do estilo industrial é que pode ser revisitado apenas com alguns retoques – por exemplo, através de candeeiros e uso de cores como o preto ou cinzento.

A arquitetura da iluminação

A iluminação é muito importante no desenho de uma nova cozinha, em todas as suas vertentes – candeeiros e focos de luz. Não podia, por isso, faltar nas tendências de remodelação de cozinhas para 2021. Para além da iluminação geral deve-se procurar valorizar a iluminação pontual. Um bom exemplo é o das cozinhas modernas com ilhas, em que a iluminação incide sobre a ilha. Outras variáveis da iluminação de cozinha a considerar são a iluminação embutida em armários.

Espaço 100% aproveitado

O espaço útil das casas tem vindo a diminuir. Isto porque a vida nas cidades mudou; o mercado imobiliário transformou-se e como o nosso poder de compra não teve a correspondência proporcional a essas mudanças, temos vindo a morar em casas cada vez mais pequenas. É claro que a criatividade na remodelação das casas e em particular das cozinhas tem isso em consideração.

Por isso, uma das tendências de 2021 é mesmo aproveitar todos os espaços, criando mais um espaço de arrumação (por exemplo, uma despensa) à medida de cada casa e dinâmica familiar, integrando a cozinha no resto da casa também do ponto de vista da arrumação.

Espaços aproveitados ao máximo, estilo industrial, cores neutras, materiais resistentes e cozinhas modernas com ilhas. Estas são algumas das tendências das remodelações de cozinhas em 2021 às quais os fabricantes de cozinhas, arquitetos e designers de interiores têm vindo a corresponder nos novos projetos de renovação destes espaços que, por sua vez, têm vindo a ganhar metros quadrados na hierarquia de importância da casa.

O estilo de vida e os hábitos da população têm vindo a mudar nos últimos anos, o que se acentuou com a pandemia da COVID-19. A cozinha é hoje um dos pontos mais importantes numa casa. Deixou de ser apenas um espaço de trabalho – um anexo de serviço – passando a ser lugar de confraternização e agregação, perfeitamente integrado com o resto da casa.

O ato de cozinhar passou a ser mais social, o que também agilizou toda esta interligação da cozinha com a casa e com a dinâmica familiar. Os tempos mudaram. E, em 2021, as cozinhas também.

Outdoor do novo Volkswagen Polo avisa condutores do estado do trânsito

Este cartaz interativo demonstra uma das muitas experiências que o Volkswagen Polo proporciona a bordo de quem o conduz, através da apresentação de um display semelhante ao do sistema de navegação do Polo, em que um código de cores – Verde, Amarelo e Vermelho – informa qual é a situação do trânsito naquele troço. Ainda na parte tecnológica, o novo Polo apresenta uma verdadeira revolução no seu interior ao disponibilizar o Digital Cockpit de série ou a função App-Connect, entre outros equipamentos, com a marca a projetar o mais recente modelo para um patamar superior nos citadinos, dando acesso a tecnologia até agora apenas acessível em modelos de segmentos superiores.

O outdoor do novo Volkswagen Polo destaca ainda os faróis Led Matrix IQ. LIGHT através da iluminação led embutida no cartaz interativo, um opcional que chama a atenção para as várias evoluções estéticas no exterior.

Nuno Serra, Diretor de Marketing da Volkswagen, afirma: “O novo Volkswagen Polo reflete a história de sucesso com mais de 18 milhões de unidades vendidas em cerca de 46 anos de produção e é um dos veículos com mais êxito no seu segmento. Acreditamos que este outdoor interativo não deixará ninguém indiferente e mostra como o novo Polo continua a ser uma referência não só em termos de tecnologia, mas também de segurança, qualidade e conforto”.

Esta campanha, com assinatura criativa da DDB, foi desenvolvida em parceria com a MOP e TRANSISTOR e estará disponível durante os próximos dois meses.

Para ver o filme do making of do cartaz interativo do novo Volkswagen Polo basta aceder ao seguinte link: https://transfer.sapo.pt/downloads/fc11bc6a-1419-4afc-8d60-348c15c71fb2/sapotransfer-5ccac272ce897KJ/

EMPRESAS