Inicio Autores Posts por Ricardo Andrade

Ricardo Andrade

913 POSTS 0 COMENTÁRIOS

Comércio de Moda e Vestuário: reclamações disparam 146%

Uma análise do Portal da Queixa permitiu constatar que a categoria Comércio de Moda e Vestuário foi a que registou a maior subida de reclamações em 2020. A tendência de crescimento é verificada também, em 2021, com um total de 2197 reclamações já registadas entre janeiro e 16 de fevereiro. Um aumento de 146% face ao período homólogo. As lojas físicas fechadas impulsionaram as compras online, por isso, o atraso nas entregas é o principal motivo de reclamação dos consumidores.

De acordo com os dados do Portal da Queixa, de 1 de janeiro até 31 de dezembro de 2020, os portugueses apresentaram um total de 9442 reclamações dirigidas a marcas inseridas na categoria Comércio de Moda e Vestuário. Um aumento de 197% comparativamente com o ano de 2019, onde foram registadas, durante o mesmo período, 3179 queixas.

A tendência de crescimento do volume de reclamações nesta categoria é significativa quando se analisa os dados de 2021: desde o início do ano, até ao dia 16 de fevereiro, já foram registadas 2197 reclamações relacionadas com o Comércio de Moda e Vestuário, um aumento de 146% quando comparado com igual período de 2020, onde foram recebidas 895 reclamações. Um facto que a equipa do Portal da Queixa atribui ao confinamento geral imposto pelo Estado de Emergência em vigor e o consequente aumento das compras online.

Assim, observa-se que os principais motivos de reclamação dos consumidores portugueses contra as marcas de vestuário e moda, são referentes ao Comércio Eletrónico. O atraso nas entregas foi a queixa principal reportada em 2020, gerando 42,8% das reclamações.
Segundo indica a análise da equipa do Portal da Queixa, as cinco marcas com o maior volume de reclamações em 2020, foram: a MO Online (508 queixas), a Seaside (438 queixas) e Stradivarius (295 queixas), o Clubefashion (276 queixas) e a Zara (248 queixas).

Relativamente à variação face a 2019, as cinco marcas que assistiram ao disparar de reclamações em 2020 foram: a Lefties, as Havaianas, a Stradivaruis, a Seaside e a Pull&Bear. Nesta variação, destaca-se a marca Clubefashion ao ter sido a única que registou, em 2020, um decréscimo das reclamações (-12% do que em 2019).

No que se refere ao Índice de Satisfação – que expressa de forma objetiva o desempenho das marcas no Portal da Queixa com base na interação com os utilizadores que efetuaram reclamações -, ganha destaque – pela elevada Taxa de Resposta e Taxa de Solução junto dos clientes -, a marca La Redoute com um Índice de Satisfação de 89,7 (em 100 pontos).

Na opinião de Sónia Lage Lourenço, COO do Portal da Queixa by Consumers Trust, a falta de preparação das marcas para uma presença digital robusta e para uma resposta logística eficaz, esteve na origem do aumento das reclamações verificado no setor: “O vestuário sempre foi um dos principais setores no retalho que, até à pandemia, ainda estava a dar os primeiros passos no sentido da digitalização. Com este novo contexto pandémico, verificou-se um crescimento exponencial de compras online no comércio de moda e vestuário que colocou à prova a resistência das equipas e dos processos de venda, até então, muito tradicionais e assentes nos pontos de venda físicos. Esta enorme pressão a que as marcas foram sujeitas, refletiu-se num elevado número de reclamações, que têm em comum a falta de preparação do setor para uma eventual presença em massa nos canais digitais.
Nos últimos anos, algumas marcas já vinham a fazer o processo de transição digital, que foi preponderante para os elevados resultados de satisfação que registam atualmente, nas suas operações comerciais junto dos consumidores online. Como exemplo desse sucesso digital, podemos apontar marcas como a La Redoute, que sempre priorizou o contacto com o consumidor, independentemente do canal escolhido, demonstrando, claramente, que estavam melhor preparadas, conseguindo apresentar soluções ágeis junto dos seus clientes e garantir satisfação e confiança em na experiência de consumo”.

“Terapia em Casa”: Aprenda a gerir o stress e a ansiedade durante a gravidez em tempos de pandemia

A gravidez, nomeadamente nestes tempos imprevisíveis em que vivemos hoje, pode causar um grande stress e ansiedade a todas as futuras mães. Como tal, a Mamãs e Bebés irá realizar nos dias 22, 23 e 24 de fevereiro, às 18h, a “Terapia em Casa”, promovendo sessões online e gratuitas de 40 minutos que contarão com a presença de especialistas.

No primeiro dia desta iniciativa, estará presente o Dr. Miguel Oliveira, Coach e Terapeuta, para apresentar estratégias que as grávidas possam utilizar para se sentirem mais calmas durante o processo da gravidez. No dia 23, será necessário um tapete de yoga porque a sessão será mais prática. Susana Lopes, uma professora de Yoga, irá explicar de que forma a futura mamã pode sentir um maior equilíbrio e terminará a conversa com alguns exercícios. Na última sessão, a Hipnoterapeuta Maria Ribeiro irá desenvolver técnicas que ajudem a preparar a mente para uma gravidez serena e um parto positivo. As grávidas poderão esclarecer todas as suas dúvidas em cada uma das sessões.

A inscrição é feita através deste link.

Acelera@Tech promove projetos inovadores no setor no Turismo

Este é um programa internacional de aceleração, organizado pela Acredita Portugal com o apoio do Turismo de Portugal no âmbito do Programa FIT, e que tem como objetivo atrair para Portugal a melhor inovação ligada ao Turismo e assim contribuir para o aumento da competitividade e inovação do setor. Aos projetos vencedores vão ser atribuídos mais de 20.000€ em prémios financeiros.

O programa visa:
– Criar e desenvolver novos negócios baseados em ideias inovadoras e disruptivas no setor do Turismo;
– Apoiar o desenvolvimento de projetos que contribuam para a sustentabilidade económica, social e ambiental, agregando tecnologias e métodos disruptivos que ajudem as empresas a passar dos modelos operacionais tradicionais para tecnologias avançadas e processos mais eficientes;
– Ajudar as startups a adquirirem conhecimentos, redes e apoios especializados para transformar e integrar a sua ideia nos ecossistemas digitais portugueses e europeus;
– Destacar soluções de promoção e desenvolvimento de produtos e recursos locais com origem em zonas rurais;
– Apresentar soluções inovadoras para a recuperação do setor do Turismo.

Gaia é a cidade host da iniciativa, tendo o Município já demonstrado a disponibilidade para receber localmente os melhores projetos internacionais, através das incubadoras promovidas em parceria com a Acredita Portugal.

A sessão de lançamento do Acelera@Tech pode ser acompanhada nas redes sociais da Acredita Portugal, do Aceler@Tech e no website oficial da iniciativa https://www.aceleratechinportugal.com/.

Seminário esclarece as dúvidas e preocupações das famílias das crianças com cancro

Pais, familiares, cuidadores ou amigos de crianças e adolescentes com cancro podem inscrever-se aqui e assistir, de forma gratuita, ao seminário.

“Num cenário de tanta incerteza há uma coisa que sei: em Portugal continuamos a ter todos os dias, pelo menos, uma família confrontada com o diagnóstico de cancro de um filho. São cerca de 400 casos diagnosticados todos os anos. Famílias estas que, neste tempo de pandemia, se encontram ainda mais vulneráveis e preocupadas com o bem-estar dos seus filhos. É para estas famílias que estamos a trabalhar hoje, em fase de pandemia, e é para estas famílias que vamos continuar a trabalhar depois,” começa por explicar Cristina Potier, diretora-geral da FROC. “É a necessidade de informar e esclarecer estas famílias que nos leva a organizar estes seminários anualmente. Este ano num formato online mas com o mesmo objetivo: esclarecer, através de profissionais e peritos credíveis, e através de partilha de testemunhos”.

O primeiro grande tema em destaque é o diagnóstico, tratamento e sobrevivência de crianças e adolescentes com doença oncológica em tempo de pandemia onde através dos seus diretores será explicada a forma como se adaptaram os vários hospitais serviços de oncologia pediátrica do país. “Contaremos também com a visão do lado das famílias, através da Associação Acreditar, e de um testemunho de uma mãe,” acrescenta Cristina Potier.

A importância de brincar e dos momentos lúdicos é o segundo tema em destaque e, como explica Cristina Potier: “Este é um tema fundamental durante as várias fases do tratamento da criança ou adolescente. Teremos também presente neste painel a Maria de Jesus Moura, diretora da Unidade de Psicologia do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil a dar o um testemunho de alguns projetos de carácter lúdico presentes nos serviços de oncologia pediátrica em Portugal”.

Neste seguimento, o terceiro tema a ser abordado é a realidade das aulas à distância porque “é um desafio encontrar formas e estratégias de motivar as crianças, os seus familiares e os próprios professores para o ensino online. Apesar de todos os serviços de oncologia pediátrica terem professores destacados, a realidade das aulas à distância é uma realidade para as crianças com doença oncológica já há muito tempo, apesar da resposta nem sempre ser a melhor. O objetivo deste painel é falar sobre a forma de motivar crianças, famílias e professores para a realidade do ensino online e tirarmos todos o melhor partido dela,” acrescenta Cristina Potier. Neste painel destaca-se a presença do psicólogo Eduardo Sá, e de professoras, Magda Cabral, do IPO de Lisboa, e Mafalda Lapa, de uma escola secundária dos arredores de Lisboa.

Os vários painéis terão sempre a partilha de testemunhos de pais ou sobreviventes.

“Neste seminário teremos uma realidade diferente”, continua a explicar Cristina Potier que “em vez de termos os participantes num auditório, estarão em casa, ou no hospital, com os filhos. Por isso criámos vários momentos lúdicos direcionados para as próprias crianças, como a hora do conto, pela Livros Horizonte, Nuvem Vitória, uns momentos de animação com a Operação Nariz Vermelho, entre outros”.

Por último, “mas não menos importante”, haverá ainda tempo para falar das atualizações em investigação na área de oncologia pediátrica, com Isabel Oliveira da Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica e Ximo Duarte, Pediatra no Serviço de Pediatria do Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil.

No decorrer do seminário serão apresentados os vencedores e menções honrosas, da 5ª edição do Prémio Rui Osório de Castro/Millennium BCP, que apoia, com o valor de 15.000€, projetos que promovem a melhoria dos cuidados prestados a crianças com doença oncológica.

“É um seminário aberto a todos pois, apesar do programa ser sempre criado a pensar nas famílias, qualquer pessoa poderá participar, como voluntários, estudantes, profissionais de saúde, assistentes sociais e profissionais de outras organizações sociais que trabalham na área” termina a diretora-geral da FROC.

Novo confinamento agrava a situação das populações vulneráveis de Camarate e obriga a nova resposta de emergência

Cresce o número de famílias que não têm como garantir a sua alimentação diária
Vivem-se momentos de tensão e angústia em Camarate, onde a população vulnerável e em risco de pobreza começou a reviver os duros meses que enfrentaram em 2020. Foram detetados novos casos de famílias em situação de fome pelos parceiros da Ajuda em Ação no Agrupamento de Escolas de Camarate, na sua maioria agregados familiares que até então não tinham recorrido a qualquer apoio por parte do Estado ou de instituições sociais. Estes pedidos de ajuda escalaram recentemente “quando um grande grupo de encarregados de educação, ao submeter os documentos para a atribuição dos apoios sociais, verificou que não tinha direito a qualquer tipo de apoio financeiro por perda da remuneração porque as respetivas entidades patronais não tinham feito os devidos descontos”, partilha Mário Rui, diretor de programas de ONG, que está já no terreno com uma segunda resposta de emergência para conseguir ajudar 60 agregados que estão a pedir apoio urgente para a alimentação.

Já no ano passado, em consequência do primeiro confinamento, a Ajuda em Ação e os parceiros no terreno tiveram de rever prioridades e ativar uma resposta de emergência semelhante. Durante três meses, entre maio e julho, a ONG conseguiu ajudar 71 famílias, compostas por 264 pessoas, entre as quais 147 crianças, a garantir a sua alimentação diária através da atribuição de cartões de compra de bens alimentares. O início de 2021 revela uma situação ainda mais complexa: como explica Mário Rui, “estão já sinalizadas 60 famílias como prioritárias para a atribuição destes cartões”, mas a equipa da Ajuda em Ação não para de receber novos pedidos.

Esta segunda resposta de emergência da ONG em Camarate arranca nos próximos dias 23 e 24 e tem uma duração prevista de dois meses, mas com o eventual agravar da situação, o número de agregados familiares a apoiar pode vir a crescer ao longo deste período. Para já, estas 60 famílias, um total de 216 pessoas, entre as quais 115 crianças, poderão utilizar o cartão de apoio alimentar, cujo valor médio rondará os 56€ mensais, para que possam elas próprias adquirir os bens que mais necessitam. Ao atuar desta forma, a Ajuda em Ação quer garantir a autonomia dos beneficiários nas escolhas realizadas e, sobretudo preservar a sua dignidade. Como nestas situações de maior fragilidade social a parte emocional é também muito importante, a ONG disponibiliza ainda um acompanhamento psicossocial às pessoas que apoia.

Falta de documentação deixa 168 crianças de Camarate em situação crítica
Estas 60 famílias, na sua grande maioria monoparentais e com vários filhos a cargo, perderam ou viram os seus rendimentos diminuírem devido à pandemia e à precaridade dos trabalhos que tinham. Há também quem não tenha conseguido receber os pagamentos do lay-off ou de baixas médicas por infeção da Covid-19, outras são imigrantes e com documentação por regularizar e, como tal, estão impossibilitadas de trabalhar ou de ter direito a apoios da Segurança Social. Assim, o pagamento das rendas começa a atrasar-se e o pouco dinheiro que entra não chega sequer para fazer face às despesas de água e luz que se acumulam mês após mês. A dificuldade em fornecer uma alimentação adequada também já se começa a fazer sentir, sendo que, muitas vezes, a única refeição diária que chega a casa destas famílias é aquela fornecida pela escola e que é partilhada por todos.

As crianças são um grupo especialmente frágil neste contexto de pobreza. Mário Rui, diretor de programas da Ajuda em Ação, explica que, “das 1658 crianças que estudam no Agrupamento de Escolas de Camarate (do 1º ao 3º ciclo), 885 recebem ajuda direta dos serviços de Ação Social, ou seja, 54% dos alunos estão integrados no escalão A e B do apoio social”. Uma realidade que segundo Mário Rui é ainda mais crítica no caso das crianças indocumentadas. “Temos registo de 168 crianças indocumentadas e devido a essa impossibilidade não têm qualquer tipo de escalão atribuído”, nem os seus agregados podem beneficiar da prestação social de abono ou do Rendimento Social de Inserção por não terem cartão de residente ou a nacionalidade portuguesa atribuída.

Linha de Valor Acrescentado criada para apoiar a resposta de emergência
Para que esta resposta de emergência chegue a mais famílias e para que ninguém seja deixado para trás, a ONG acaba de lançar também uma linha de valor acrescentado com o objetivo de angariar fundos para apoiar a população de Camarate. Assim, por cada chamada realizada para o número 760 500 050, com um custo de 0,60€ + IVA, a Ajuda em Ação receberá um donativo de 0,40€. Além desta iniciativa, a ONG está também a organizar para breve um concerto solidário, cujo montante angariado reverterá na totalidade para esta segunda resposta de emergência.

Tráfico de materiais médicos? Sim!

Marta Andrade, representante da marca e de ambas as empresas, diz-nos que a sua realidade diária é combater a falsificação de certificados e a fraude material, como o embalamento de material não certificado dentro de caixas impressas de uma marca autorizada para venda e só através da análise do produto se descobre que não corresponde ao material da marca.

Luvas Beybi, caixas Top Glove e Hartalega, grandes fábricas, são exemplos de luvas que estão totalmente certificadas e vemos empresas que conseguiram reproduzir as suas caixas introduzindo luvas de outras fábricas não autorizadas ou com padrões mais baixos do que os solicitados para comercialização.

Em conversa com alguns colaboradores, fornecedores e outros distribuidores oficiais, a Dra. Marta Andrade, diz-nos: ¨Sofremos roubos de materiais e tivemos de escoltar os nossos camiões com polícia até às nossas instalações para garantir sempre a segurança do material. A desconfiança dos clientes e a falta de controlo por parte das autoridades que inspecionam estes dispositivos afetam todos os distribuidores oficiais e autorizados a comercializar este tipo de material.”

Começámos com a febre das máscaras, das luvas, seguidas da vacina contra a gripe e agora temos a febre das seringas para a aplicação das vacinas preventivas à Covid-19.

A Facilitas Protect continuará a assegurar produtos e a proteger os seus clientes, colaboradores e terá o seu departamento de auditoria e qualidade disponível para ajudar a combater esta realidade.

Esta é a terrível realidade (SARS-CoV-2 Pandemia), que mudou e muda as nossas vidas diariamente e os hospitais, precisam de continuar a cuidar, prevenir e ajudar todos os que necessitam.

MSC Cruzeiros introduz MSC Starship Club

O MSC Starship Club estará disponível exclusivamente a bordo do mais emblemático navio da Companhia, o MSC Virtuosa, quando este começar a navegar, a partir de 16 de Abril deste ano.

Esta experiência integrada de bar e entretenimento, inspirada pela visão da MSC Cruzeiros da nave espacial do futuro – MSC Starliner One – é capacitada por tecnologias de última geração desenvolvidas para criar uma atmosfera futurística. Isto inclui hologramas 3D, uma parede de arte digital imersiva e uma mesa interactiva digital ‘infinita’ de 12 lugares, proporcionando aos hóspedes a possibilidade de explorar o espaço no seu próprio passeio galáctico personalizado. Rob irá misturar e servir os seus cocktails exclusivos, alcoólicos e não alcoólicos, e inúmeras bebidas personalizadas, assim como, um bartender humano o faria, enquanto interage com os convidados com voz, e com expressões humanas para uma experiência de bar totalmente envolvente. As aptidões e a capacidade de resposta emocional de Rob juntamente com bartenders vestidos como se tivessem acabado de sair de um filme de ficção científica com o suporte do ambiente e da tecnologia envolvente, vão garantir que o MSC Starship Club seja uma atracção de visita obrigatória para todas as idades.

Os hóspedes irão usar cockpits digitais verticais especificamente desenvolvidos dentro da área para fazerem os seus pedidos. Rob irá, então, por mãos à obra e utilizar todas as suas aptidões robóticas personalizadas para preparar os cocktails – servindo bebidas alcoólicas, sumos e batidos; agitando, criando ou mexendo, enfeitando as misturas. Rob não só prepara um impressionante vasto leque de cocktails, como também, fala 8 línguas (inglês, italiano, espanhol, francês, alemão, brasileiro, chinês e japonês), de acordo, com o idioma escolhido no momento do pedido do hóspede e terá também uma personalidade evidente que evolui de acordo com o ambiente e com a atmosfera envolventes. Rob utiliza o seu rosto LED para expressar emoções para que os convidados possam desfrutar da sua apresentação enquanto desfrutam do seu cocktail.

A preparação do cocktail será exibido por intermédio de monitores digitais dentro do local e uma faixa LED ao género de fita adesiva por cima da ilha robótica, enquanto está envolvido na experiência temática do espaço. Os cocktails cósmicos são servidos em copos futuristas personalizados, que os hóspedes podem levar consigo como uma lembrança duradoura da experiência do MSC Starship Club. Os hóspedes poderão regressar ao clube inúmeras vezes durante o cruzeiro, desfrutando de uma nova interação com Rob a cada regresso.

A MSC Cruzeiros está continuamente olhos postos no futuro à procura de inspiração para a experiência do hóspede, procurando novas formas de utilização da tecnologia mais recente para criação de algo único, para desenvolvimento de inovações a bordo e para elevar a oferta do hóspedes a um próximo nível. Esta última inovação utiliza robótica de última geração e tecnologias digitais para oferecer um lounge de entretenimento futurístico e envolvente, reinventando completamente a experiência do bar tradicional para transportar literalmente os hóspedes para um outro mundo.

O MSC Starship Club levou quase seis anos a ser construído, desde o primeiro conceito original, e a companhia realmente desafiou os limites com a engenharia necessária para torná-lo numa realidade. Durante este tempo, a MSC Cruzeiros colaborou com os principais especialistas de empresas especializadas em robótica e automação, design de interiores, assim como, com soluções de entretenimento e de experiência digital para criar um local de entretenimento sendo a principal estrela com um robot humanoide personalizado.

O MSC Virtuosa é o mais recente emblemático navio da companhia e entrará ao serviço em Abril deste ano. Cada navio da MSC Cruzeiros é único e o MSC Virtuosa oferecerá novas experiências aos hóspedes, sendo a introdução de Rob apenas uma delas. O navio estará altamente equipado com tecnologias de última geração e com recursos que respeitam o meio ambiente.

Depois de realizar alguns cruzeiros de três, quatro e cinco noites no Mediterrâneo, o MSC Virtuosa irá ser destacado para o Norte da Europa no Verão de 2021 com uma variedade de itinerários para os fiordes noruegueses e para as capitais do Báltico, antes de chegar a Lisboa para os cruzeiros com embarque e desembarque na capital Portuguesa entre Setembro e Novembro deste ano.

Burlas Online disparam em 2021

O Portal da Queixa fez uma análise ao volume de reclamações recebidas, relacionadas com burlas online. O mês de janeiro de 2021, registou uma média de 20 reclamações por dia, um total de 621 queixas, um significativo aumento de 71% face a janeiro de 2020. Os dados recolhidos apontam para perdas avultadas dos consumidores: o valor total ultrapassa os 100.000 euros, só em janeiro deste ano. É urgente promover a literacia digital dos portugueses, defende o Portal da Queixa, que tem em marcha a campanha #NãoSejasPato que visa informar para os perigos online e potenciar o consumo seguro na internet.

No âmbito da semana que celebra o Dia da Internet Mais Segura, o Portal da Queixa fez uma análise às reclamações recebidas por burlas online. Ao longo de 2020, foram registadas 5786 reclamações relacionadas com burlas online, um aumento de 69% face ao ano de 2019, onde foram apresentadas pelos consumidores 3415 queixas.

Relativamente a 2021, a análise das reclamações do mês de janeiro, e respetiva comparação com o período homólogo, revela um crescimento exponencial do número de queixas face a janeiro de 2020: um aumento de 71%. Em janeiro deste ano, a maior plataforma global de comunicação entre consumidores e marcas do país, recebeu 621 reclamações, sendo que, em janeiro de 2020, foram registadas apenas 363 queixas.

Denunciando ter sido burlado em 1650€, Bruno Pinto é um dos consumidores portugueses que recorreu ao Portal da Queixa para reportar o seu caso de burla online: “Hoje fui burlado em 1650€ por ter dado o código que recebi em SMS por parte do burlão. Já coloquei o meu cartão em lista negra. Apresentei queixa no portal da queixa e amanhã vou a GNR.”

Campanha #NãoSejasPato promove maior literacia digital
A realidade é que o confinamento da sociedade e as restrições de circulação impostas pelo contexto pandémico fizeram disparar as compras online.
Relembre-se que, atento à nova sociedade digital que está a emergir e a pensar na defesa dos consumidores portugueses, o Portal da Queixa lançou no final de 2020, a campanha #NãoSejasPato que pretende aumentar a literacia digital da população e evitar que caia em burlas e esquemas fraudulentos. Este movimento cívico nacional de educação para o consumo digital, integra como entidades parceiras do projeto: o OLX, o MB WAY, a Worten, os CTT, o KuantoKusta e o euPago.

“O aumento da procura através dos canais digitais, por parte dos consumidores portugueses, é uma tendência que veio para ficar, criando pressão sobre as marcas ao exigirem a digitalização da grande maioria dos seus serviços. Esta nova realidade, veio potenciar os perigos que se escondem nas compras online. Para combater este problema, temos em marcha um movimento cívico que tem como objetivo aumentar a literacia digital e financeira junto dos consumidores portugueses, educando a sociedade de consumo para não cair em esquemas de fraude e burlas online.”, afirma Pedro Lourenço, CEO & Founder do Portal da Queixa by Consumers Trust.

A contribuição do Fundo de Coesão para a Transição Energética – eficiência energética e produção de energias renováveis

O Programa assume-se como um instrumento financiador de um conjunto de medidas para apoiar a transição para uma economia com baixas emissões de carbono em Portugal, com uma dotação de Fundo de Coesão de 737M€, distribuídos por três Prioridades de Investimento (PI):
• Fomento da produção e distribuição de energia proveniente de fontes renováveis, com uma dotação de 131M de Fundo de Coesão;
• Apoio à eficiência energética, à gestão inteligente da energia e à utilização das energias renováveis nas infraestruturas públicas, nomeadamente nos edifícios públicos e no setor da habitação, com uma dotação de 171M€ de Fundo de Coesão;
• Promoção de estratégias de baixo teor de carbono para todos os tipos de territórios, nomeadamente as zonas urbanas, incluindo a promoção da mobilidade urbana multimodal sustentável e medidas de adaptação relevantes para a atenuação, com uma dotação 435M€ de Fundo de Coesão.

A 31 de dezembro de 2020, encontrava-se comprometido um montante global de 718 M€ de Fundo de Coesão, repartido por um total de 231 operações aprovadas, as quais contribuem de forma significativa para alcançar as metas e os compromissos internacionais assumidos por Portugal em matéria de eficiência energética e de utilização de energia proveniente de fontes renováveis.

Atualmente encontra-se aberto um Aviso-Concurso (POSEUR-01-2020-19), destinado ao “Apoio a projetos de produção de gases de origem renovável, para autoconsumo e/ou injeção na rede”, com dotação máxima de Fundo de Coesão de 40 M€, para apoiar projetos no âmbito da PI “Fomento da produção e distribuição de energia proveniente de fontes renováveis”.

Pretende-se com este aviso assegurar um conjunto de prioridades estratégicas para o setor, nomeadamente um sistema energético mais eficiente, que permita reduzir a dependência energética do exterior e o torne mais competitivo. É assim determinante apoiar o desenvolvimento de projetos de energia renovável, aproveitando o potencial energético endógeno e contribuindo ao mesmo tempo para a diversificação das fontes de energia.

Este Aviso visa contribuir para a implementação e consolidação das políticas energéticas nacionais, atendendo particularmente ao Plano Nacional de Energia e Clima 2021-2030 (PNEC 2030), que destaca a relevância dos gases de origem renovável nos vários setores da economia, em especial na indústria e nos transportes, e para a transição do setor energético, uma vez que as atuais infraestruturas de receção, armazenamento, transporte e distribuição de gás natural permitirão a introdução, distribuição e consumo de gases renováveis nos setores da economia, contribuindo para níveis mais elevados de incorporação de fontes renováveis no consumo final de energia. Também a Estratégia Nacional para o Hidrogénio (EN-H2), que tem como objetivo principal introduzir um elemento de incentivo e estabilidade para o setor energético, vem identificar a introdução gradual do hidrogénio verde, enquanto pilar sustentável e integrado numa estratégia mais abrangente de transição para uma economia descarbonizada.

Aproveitamos a oportunidade para destacar 3 projetos ilustrativos da relevância do apoio do Fundo de Coesão no fomento da produção e distribuição de energia proveniente de fontes renováveis, dois localizados no território de Portugal continental e um na Região Autónoma da Madeira.

Real Marbre escolhe a Garcia Garcia para construção da nova unidade industrial

Com as mais inovadoras técnicas de modelagem e corte, a Real Marbre prepara e produz revestimentos em mármore e pedra, atuando numa escala global. A construção da nova fábrica assegurada pela Garcia Garcia ocorre numa área próxima a outras duas unidades pertencentes ao Grupo Manuel Soares, o qual a empresa integra.

De salientar que a Zona Industrial de Neiva é também a morada de outras novas unidades industriais que tiveram a assinatura da Garcia Garcia, como é o caso das multinacionais francesas Groupe GM e Serratec, cuja construção esteve a cargo da construtora e ainda a ampliação e remodelação da unidade da nipónica Uchiyama.

Edifício com imagem inovadora e vanguardista
Com uma localização privilegiada, o imóvel destaca-se pelos seus traços e linhas diferenciadas. Em função da Real Marbre estar intimamente ligada à indústria mineral, o novo edifício prima pela utilização de pedras nobres, como por exemplo, o mármore.

Projetado para ser o ex-libris identitário do edifício, a fachada ficará marcada por uma estrutura de grandes dimensões com o formato de “favo de mel”, por representar simbolicamente o inovador processo de produção desenvolvido pela empresa. A nível estético, destaque também para o edifício administrativo, pautado por fachadas em Mármore de Carrara de grande dimensão. Em evidência ainda a fachada ventilada em estrutura alveolar, que irá conferir ao edifício uma imagem inovadora e vanguardista.

Em termos funcionais, o edifício divide-se no bloco administrativo e social com uma área de 1.200m2, distribuídos por dois pisos, dos quais 300m2 estão destinados a um showroom. A área produtiva irá ocupar uma área total de 3.300m2. Salientar ainda na empreitada a utilização de mármore em vários apontamentos da obra, sendo a escadaria interior o ponto alto da utilização deste material.

Fundada em Paris, em 1995, a Real Marbre é parceira das maiores empresas de design de interiores, colaborando na decoração de hotéis de cinco estrelas e habitações de luxo, assim como de lojas de conceituadas marcas de moda internacionais, como Louis Vuitton, Prada, Dior, entre outras. A empresa integra o grupo Manuel Soares, especialista em revestimentos minerais, com sede na capital francesa e da qual fazem parte também as empresas Stone Dark, Mineral System e Ventestival.

Ficha Técnica do Projeto
Construção: Garcia Garcia
Local: Zona Industrial do Neiva – Viana do Castelo
Área de Construção: 4.585 m²

EMPRESAS