OROC: DESAFIO NA IGUALDADE E DIVERSIDADE DE GÉNERO

O número de mulheres Revisores Oficiais de Contas (ROC) corresponde a menos de um terço da profissão. Apesar da evolução contínua, a repartição da profissão em função de idade, género e data de inscrição – apresentada em seminário pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC) - revela que esta é maioritariamente masculina, entre os 40 e os 49 anos e inscrita na OROC entre 30 e os 39 anos.

279

A Ordem dos Revisores Oficiais de Contas (OROC), atenta e atendendo aos desafios e circunstâncias atuais e futuras, disponibiliza informação e conhecimento sobre a igualdade de oportunidades e diversidade na profissão de Revisor Oficial de Contas (ROC). Neste âmbito realizou esta sexta-feira no Palácio da Bolsa, no Porto, o seminário “Desafios para a Década: Igualdade de Oportunidades e Diversidade”.

Organizado pela Comissão Família e Profissão da OROC, a iniciativa, presencial, teve como ponto de partida a evolução da profissão em questões de igualdade de género e como finalidade dar a conhecer um estudo sobre a repartição do número de revisores oficiais de contas inscritos na Ordem em função da idade, género e data de inscrição.

O estudo revela que dos 1.504 ROC inscritos na OROC – número que tem aumentado de forma linear desde a criação, 1070 são homens. As mulheres são apenas 29% dos inscritos, mas em 2019 foram 34%, valor que compara com os 3% de 1973, ano em que foi criada a OROC. Nesse ano inscreveram-se na Ordem 31 homens e uma mulher e no ano passado 32 homens e 17 mulheres.

Ao longo desses 46 anos sempre houve mais inscrições de ROC do sexo masculino que do sexo feminino, com exceção dos anos de 2005 e 2016, nos quais o número de senhoras inscritas na Ordem foi superior ao número de homens. O ano de 2011 teve o máximo de senhoras inscritas – 34 – enquanto de 1982 a 1987 não foram inscritas mulheres na OROC.
No que diz respeito à repartição por idade, o trabalho apresentado pela Comissão Família e Profissão da OROC, revela que a maioria dos ROC inscritos na Ordem está na faixa etária entre os 40 e os 49 anos, quer nos homens – 34% – quer nas senhoras 58% (250).
7% dos ROC masculinos tem mais de 80 anos e 8% menos de 39, enquanto nas mulheres 14% (80) está nesta faixa etária. Não há qualquer senhora com mais de 80 anos inscrita e apenas 2% estão no intervalo anterior – 70 a 79 anos. A idade média dos ROC inscritos na Ordem no final de 2019 era de 54 anos, sendo de 49 nas mulheres e 59 nos homens.
A análise revela também a repartição de ROC por tipo de empresa – 7% nas Big 4, 36% nas SROC e 57% individual – e afinando para a questão da igualdade mostra que a título individual estão 33% das mulheres e em igual percentagem – 23% – nas Big4 e nas Sociedades de Revisores Oficiais de Conta (SROC). A idade média dos ROC nas Big4 é igual entre homens e mulheres, 48 anos, e nas SROC e em empresas individuais é inferior nas mulheres – 49 e 46 anos, que compara com os 59 e 56 anos dos homens, respetivamente.

“Partimos para o debate com a questão da igualdade de oportunidades desde o início ao atual estado da arte na OROC no que diz respeito à evolução da profissão em questões de género e deixamos a pergunta para discussão: a evolução é boa ou insuficiente?”, diz José Rodrigues de Jesus, Bastonário da OROC. “Na perspetiva da Ordem esta questão é um desafio contínuo e que continuaremos a trabalhar de forma transversal na persecução da igualdade de oportunidades e de valorização do trabalho e do mérito que carateriza a OROC”, acrescenta.