“PORTUGAL TEM UM GRANDE POTENCIAL PARA QUEM SABE VER A OPORTUNIDADE”

Ao falarmos de «oportunidades», temos de mencionar a Empowered Startups: a marca que olha para Portugal como um verdadeiro “conto de fadas”, em vários componentes que, Laura Bock Blumes, Diretora Geral da empresa em Portugal, fez questão de enumerar. A intenção passa, sobretudo, por acelerar e preparar ideias inovadoras de negócios internacionais e é, para esse propósito, que trabalham diariamente com profundo entusiasmo.

235

Através de parcerias com atores-chave e instalações de investigação de alto nível, a Empowered Startups acelera e incuba ideias inovadoras de negócios internacionais. Que resultados e conclusões têm vindo a surgir ao longo dos anos desta atividade?
A Empowered Startups cresceu rapidamente, intencionalmente, e eu diria com sabedoria, nos 12 anos desde o nosso início. Começamos como uma fundição de empreendimentos e agora temos operações em 5 países em 3 continentes e incubamos mais de 350 empreendimentos. Estamos profundamente gratos com a força das nossas parcerias, principalmente com as instituições públicas com as quais trabalhamos para patrocinar pesquisas inovadoras. Em Portugal, celebramos os laços com a Universidade do Algarve, com o Brigantia EcoPark e com o Instituto Politécnico de Bragança, e com o Politécnico de Leiria. Estamos muito satisfeitos por fazer parte da nova rede de incubadoras no Algarve, a RediAl.
Nestes 12 anos de lançamento de empreendimentos, aprendemos muito, é claro. Também vimos provas da veracidade de dois dos nossos princípios orientadores.
Em primeiro lugar, de forma consistente e repetida, vemos a prova de que a inovação pode ser valorizada e escalada internacionalmente usando a nossa metodologia disciplinada e baseada em dados. Não é uma fórmula simplista – é uma prática sistemática e focada.
Em segundo lugar, vemos provas de que os chamados ecossistemas de inovação “secundários” apresentam oportunidades significativas que muitas vezes não são exploradas. Nos ecossistemas primários / metropolitanos, como Paris ou Vale do Silício ou Lisboa, as atividades são hipercompetitivas e efêmeras. No entanto, essencialmente o mesmo capital circula entre, essencialmente, o mesmo grupo restrito de partes interessadas, de modo que é quase contraproducente para a verdadeira inovação. Nos ecossistemas secundários, como o sul e o norte de Portugal, as atividades têm um ritmo mais lento, é verdade. No entanto, a comunidade de inovação é verdadeiramente colaborativa e focada no desenvolvimento de longo prazo. Como resultado, quando um empreendimento inovador cria raízes, ele pode florescer e tornar-se um empreendimento viável que fortalece ainda mais o ecossistema local.
Por exemplo, um dos programas que oferecemos em Portugal é o programa de incubação de empresas HQA. O programa HQA é concebido para atender às necessidades de executivos internacionais talentosos. Atrai profissionais altamente qualificados que procuram lançar um novo empreendimento em Portugal, no âmbito do seu plano pessoal de eventualmente procurar a cidadania ou residência permanente em Portugal. Trabalhamos com profissionais autofinanciados de todo o mundo, todos com diferentes formações e áreas de especialização. Trabalhamos com todos, desde oftalmologistas a CFOs, programadores de criptomoedas e especialistas em GIS. Todos são especialistas nas suas áreas, mas muitos nunca iniciaram o seu próprio negócio antes de trabalhar connosco. Eles estão empolgados, mas também um pouco apreensivos antes de iniciarem o nosso programa.
Todos os nossos programas de incubação HQA estão em ecossistemas de inovação secundários em Portugal. Nós combinamos a experiência dos executivos com o trabalho de pesquisa complementar sendo feito em uma de nossas instituições de pesquisa parceiras. O executivo financia a pesquisa e contribui com sua expertise, e nós apoiamos na valorização das atividades de pesquisa. Desde o início, o novo empreendimento está conectado às redes profissionais internacionais existentes do executivo. À medida que o empreendimento cresce na segurança da nossa incubadora, o seu ecossistema doméstico em Portugal beneficia de pontes para o mundo. É uma vitória para todos.
Vemos esses resultados a manifestarem-se repetidamente e, no entanto, de todas as vezes, admito, fico entusiasmada.

Para melhor entender, como é realizado este processo? De que forma aceleram o rumo dos negócios ao sucesso?
A Empowered Startups desenvolveu um sistema que combina a nossa experiência com o trabalho dos maiores teóricos de inovação e startups do mundo. Aproveitamos a metodologia LEAN, o modelo Quintuple Helix Innovation e a teoria de aprendizagem Flipped Classroom, entre outros. Passo a passo, as nossas startups validam os seus modelos de negócios e, em seguida, usam essa aprendizagem contínua baseada em dados para aumentar a sua escala.
A chefa do nosso Global Startup Accelerator, Naheed Henderson, liderou a construção da Empowered Startups Platform, que afetuosamente chamamos de ESP. É o nosso burro de carga digital. É parte ferramenta de colaboração, parte plataforma de treino, parte pasta digital, tudo empacotado num sistema incrivelmente intuitivo. Funciona tão bem, está a ser usado em departamentos de transferência de tecnologia de universidades e programas patrocinados pelo governo. Existe até uma versão dele a ser usada por alunos do ensino médio, chamada YES (Young Empowered Startuppers).
Todos os nossos empreendimentos são apoiados pelo ESP. A aceleração para o sucesso acontece através da prática sistemática e focada de seguir a nossa metodologia.

A Empowered Startups afirma que o ecossistema de startups em Portugal, é um mercado de alto potencial. A seu ver, quais são os motivos que fomentam esta ideia?
Portugal está num ponto de inflexão. Tem quase tudo o que é necessário para crescer exponencialmente, como uma nação voltada para a inovação. Mencionei o modelo Quintuple Helix Innovation anteriormente. O modelo é baseado em cinco elementos: academia, sistemas legislativos, cultura popular, ambiente natural e capital econômico. Portugal tem um enorme talento nas suas instituições de ensino, o seu ambiente legislativo é propício a negócios inovadores, o seu ambiente natural é incomparável e valorizado em conformidade e a sua cultura é aberta e colaborativa, com uma saudável dose de desafios. Francamente, Portugal é como um conto de fadas tornado realidade.
Tudo o que falta é um capital económico significativo. Trabalhamos com profissionais bem financiados que lançam negócios inovadores com capacidade de expansão; este é o nosso negócio. Portugal tem um grande potencial para quem sabe ver a oportunidade.
Quando vejo o trabalho visionário desenvolvido pelos nossos parceiros, como Hugo Barros no CRIA da Universidade do Algarve, Alex Rodrigues no Brigantia EcoPark e Ana Sargento no Politécnico de Leiria, renovo continuamente a minha confiança no potencial de Portugal.

Enquanto Managing Director da Empowered Startups, conta com um percurso fortemente consolidado no que diz respeito à liderança. Quais diria que têm sido os fatores fundamentais na sua história para este (merecido) reconhecimento?
Esta é uma pergunta gentil, mas na verdade eu simplesmente tive sorte. Tive a sorte de, ao longo da minha carreira, encontrar muitas oportunidades de trabalhar com pessoas muito talentosas. As equipas de alto desempenho que liderei e das quais fiz parte são ambiciosas e construíram operações robustas.
A nossa equipa na Empowered Startups International é muito forte. A equipa de liderança, em particular, possui diversos conjuntos de habilidades e forças complementares. O nosso CEO e cofundador Paul Girodo tem uma visão e direção tremendas, e o nosso presidente e conselheiro geral, Chris Lennon, é muito sensato e disciplinado. Naheed Henderson, a chefa do nosso programa Global Startup Accelerator que mencionei anteriormente, traz sua excepcional habilidade de pensamento lateral e clareza de propósito. Trabalho em estreita colaboração com o nosso VP de Desenvolvimento de Negócios Shawn Olson, cujas notáveis habilidades de divulgação aumentam continuamente a amplitude e a profundidade de nossas redes de parceria. Temos sucesso como uma equipa.
Se há uma coisa que posso reivindicar, é que, quando a oportunidade me bateu à porta, tive a sabedoria de reconhecê-la, a coragem de a abrir e a determinação de empreender o que encontro. A oportunidade em Portugal é incrível. Acho que nos próximos dez anos será a vez de Portugal começar a brilhar de novo.

Que marca gostaria de deixar na sociedade, enquanto impulsionadora de vários negócios de sucesso?
Novamente, uma pergunta muito gentil. Como uma pessoa, não sei se minha marca será visível, mas acredito que posso ajudar a construir o impulso necessário para trazer mudanças positivas. Fala-se muito sobre como redefinir o capitalismo, para que seja mais inclusivo, para que o desenvolvimento econômico beneficie genuinamente a sociedade que o apoia. Com a nossa atuação em Portugal, e o mesmo em todas as nossas operações, apostamos em inovações que nos movam para uma forma de empreendedorismo sustentável. Somos otimistas práticos.