A AMRR organizou o primeiro almoço-debate das Conferências do Retalho e da Restauração XXI, tendo contado com a participação do Secretário de Estado do Comércio

As Conferências do Retalho e da Restauração XXI, uma organização da AMRR, que se iniciaram ontem, em Lisboa, contaram com a presença de várias dezenas de associados, para além de diversas associações do setor do comércio.

144

A Associação de Marcas de Retalho e Restauração (AMRR) reuniu ontem os seus associados num almoço-debate com o Secretário de Estado do Comércio, João Torres. Esta iniciativa constituiu uma oportunidade para reunir as associações do setor, associados e o poder governativo, tendo, em conjunto, debatido e partilhado ideias com o objetivo de criar um setor do comércio mais justo e próspero. Neste debate estiveram presentes associações como a APCC, representada pelo seu diretor executivo, Rodrigo Moita de Deus, a CCP pelo seu presidente João Vieira Lopes, e a APED através do respetivo diretor-geral, Gonçalo Lobo Xavier.

Perante um público de empresários, o Secretário de Estado do Comércio começou por parabenizar o presidente da AMRR, Miguel Pina Martins, e a sua equipa pela ousadia de num tempo difícil ter dinamizado uma nova associação no setor do retalho e restauração. Segundo o secretário de estado, é fundamental valorizar o associativismo empresarial e o contacto construtivo que existe para com estas organizações.

Para João Torres, a pandemia veio mostrar aos portugueses a importância das atividades económicas abertas ao consumidor como o retalho e a restauração, o que acresce para o Estado a necessidade de políticas públicas e atividades para este setor, tendo em conta a sua heterogeneidade. Segundo o membro do governo, o comércio e a restauração são atividades com futuro em Portugal, sendo que atualmente o comércio é o primeiro contribuinte líquido para o valor acrescentado nacional e ocupa um lugar decisivo na recuperação económica.

No período de perguntas e respostas, foram vários os empresários apresentaram as  principais dificuldades do setor, entre as quais o desequilíbrio na relação entre Lojistas e Proprietários de Centros Comerciais, sublinhando a necessidade de uma regulação própria para este tipo de contratos, mas também matérias relacionadas com  o preço da eletricidade, que sofreu um aumento esta semana, e a questão da elevada carga de impostos aos qual as empresas têm estado sujeitas.

Para o presidente da AMRR, Miguel Pina Martins, estas Conferências representam “um local de debate, em que se pôde trocar ideias diretamente com o secretário de estado, constituindo ainda, simultaneamente, uma ótima oportunidade para reunir os associados presencialmente neste novo período de desconfinamento”. Para o presidente da AMRR, Miguel Pina Martins, “Estes almoços-debates são essenciais para realizar a ponte entre o governo e os empresários, de forma direta, com vista a que, em conjunto, e perante a consciencialização dos problemas reais, se possam construir soluções para o setor do retalho e restauração. É importante que se promova um trabalho próximo entre as diversas associações do setor, e também com o governo, de forma a construir um setor mais forte e mais próspero, neste que é um momento em que os diversos Associados da AMRR estão a fazer esforço conjunto para recuperar das adversidades económicas no âmbito da Pandemia Covid-19”.