Maioria das pessoas sente-se mais confortável a trabalhar remotamente

De acordo com um estudo recente da Kaspersky, que inquiriu 4.303 trabalhadores informáticos, 54% dos colaboradores relataram um aumento do volume de trabalho desde que mudaram para o trabalho remoto, entre os quais 18% descreveram este aumento como significativo. 37% não notaram uma alteração no volume de trabalho, e apenas 9% notaram uma diminuição devido a novas condições de trabalho.

323

A digitalização das interações profissionais foi uma das mudanças para rápidas de 2020. No início do confinamento, 82% dos gestores estavam preocupados que a rápida mudança para o teletrabalho levasse a uma diminuição da produtividade, enquanto 69% dos colaboradores afirmaram que o trabalho à distância afetava negativamente o seu estado emocional. Ao aproximarmo-nos do final do segundo ano da pandemia, é altura para reavaliar as implicações do trabalho à distância para aqueles que trabalham no sector de IT. Embora o estudo revele que mais de metade dos colaboradores sofreu um aumento do volume de trabalho, 64% dos inquiridos não se sentem mais cansados no final de um dia remoto. De facto, 36% declararam ter mais energia a trabalhar a partir de casa, e 28% afirmaram não notaram uma diferença entre os dois formatos. No que se refere à estabilidade emocional, o formato remoto foi bem recebido pelos colaboradores: 67% relatam sentir-se mais confortáveis a trabalhar à distância ou não notaram um aumento de ansiedade associado a horas extraordinárias, enquanto 41% dos inquiridos afirmaram sentir-se ainda mais confortáveis a trabalhar a partir de casa. Em paralelo, a percentagem de trabalhadores que se sentiam desconfortáveis por se distanciarem dos seus colegas era ainda bastante significativa, com 36% dos inquiridos a dizerem que se sentiam mais cansados e 33% a relatarem que sentiam mais ansiedade a trabalhar a partir de casa.

Uma solução que se está a revelar popular entre os colaboradores em geral, é o modelo de trabalho híbrido. Este formato é altamente favorecido entre colaboradores, com quase metade (45%) a mudarem para um formato de trabalho híbrido em meados de 2021. Outra solução bem-vinda é a implementação de práticas de bem-estar empresarial. A boa notícia é que muitas empresas estão à altura do desafio de procurar formas de ajudar a gerir um potencial esgotamento de um colaborador. De facto, 80% das empresas estão a investir em cursos de formação para melhorar as competências nucleares, tais como gestão e poupança de tempo (31%). As empresas estão também a oferecer vantagens, tais como tempo livre adicional pago ou férias anuais (30%), e a proporcionar consultas e cursos de bem-estar online (29%). No entanto, o estudo desenvolvido pela Kaspersky indica que ainda há muito trabalho a ser feito para mitigar o aumento do volume de trabalho dos colaboradores remotos. Apenas 45% das empresas aplicaram pelo menos uma medida prática, como a automatização das operações de segurança ou a contratação de pessoal adicional para fazer face ao esgotamento dos colaboradores.

“Atualmente, o bem-estar dos colaboradores é o foco de muitas organizações. Infelizmente, não existe uma ‘solução única’ quando se trata de desenvolver um programa de bem-estar, uma vez que o seu sucesso depende das necessidades de todos os colaboradores. Estes programas e formações, podem incluir ajuda psicológica e práticas de atenção, programas de fitness, e serviços de consultoria jurídica e financeira para ajudar os colaboradores a lidar com situações negativas da vida. No entanto, é crucial criar uma cultura que torne confortável para os colaboradores, falar sobre o seu estado emocional ou problemas com os seus gestores ou parceiros comerciais de RH”, comenta Marina Alekseeva, Chief Human Resources Officer da Kaspersky. “Na Kaspersky, estamos orgulhosos de ter construído uma cultura deste tipo. No ano passado, introduzimos estudos para avaliar como os nossos colaboradores se sentem e como os podemos ajudar. Também implementámos vários serviços de bem-estar, fitness e apoio psicológico, e criámos uma plataforma dedicada ao relaxamento digital: o Cyber Spa, que ajuda tanto os nossos colaboradores como o público externo a relaxar e a fazer pausas durante os seus dias mais ocupados.”

À medida que as necessidades dos colaboradores evoluem, o mesmo deve acontecer com as estratégias para os liderar. A Kaspersky e o Global Centre for Healthy Workplaces aconselham:

  • Abordar as questões subjacentes ao burnout de uma forma sistemática, não só o volume de trabalho, mas também o equilíbrio entre controlo/procura, práticas de gestão, previsibilidade, apoio social, redistribuição do trabalho, etc. Estes fatores têm de ser avaliados e geridos ao longo de todo o processo.
  • Utilizar uma combinação de estudos e indicadores para assegurar uma abordagem consistente e eficaz em relação ao bem-estar dos colaboradores, como por exemplo, inquéritos de compromisso, avaliação de risco psicossocial, de bem-estar, utilização de Programas de Assistência aos Colaboradores, licenças por doença, inquérito de stress ou inventário de burnout.
  • Se as circunstâncias do negócio o permitirem, ser flexível e aberto a várias práticas de trabalho. Os formatos híbridos podem proporcionar a flexibilidade necessária à força de trabalho atual, assegurando ao mesmo tempo o foco na entrega de resultados.
  • Educar os colaboradores para utilizarem práticas básicas de segurança quando trabalham à distância, tais como, evitar tornar-se vítima phishing, ou como gerir contas e palavras-passe. A Kaspersky e a Area9 Lyceum criaram um curso gratuito para ajudar as pessoas a trabalharem em segurança a partir de casa.
  • Ajudar os empregados a gerir o seu bem-estar digital. Hoje em dia, como utilizamos mais tecnologia, é importante manter o equilíbrio certo. A Kaspersky estabeleceu uma parceria com Neil Tranter, um professor de mindfulness, para desenvolver o curso de meditação: “Vencer o stress digital e o vício dos smartphones”. O curso inclui também uma aula bónus especial dedicada aos desafios do trabalho à distância, destinada a ajudar as pessoas a desenvolver hábitos de trabalho saudáveis e um melhor equilíbrio entre trabalho e vida pessoal.