“Estamos focados em agregar Tecnologia à Profissão e não substituir Pessoas por Inteligência Artificial”

Paulo Luz, CEO da TCAGest – empresa que apoia empresários, empreendedores e gestores, em áreas nucleares como fiscalidade, contabilidade, sistemas de informação, entre outras -, conversou com a Revista Pontos de Vista sobre o desenvolvimento que, em particular, a contabilidade tem sofrido ao longo dos anos. Hoje, a mudança que mais impulsiona o sucesso deste setor é a digitalização e, consequentemente, a inovação, componentes que esta marca já abraçou.

167

A TCAGest nasceu com o objetivo de se afirmar como uma estrutura global de apoio à organização de empresas, nomeadamente nas áreas da Contabilidade, Fiscalidade, Gestão de Pessoal, Consultoria e Apoio à gestão. Mais de três décadas após a sua fundação, como diria que tem vindo a ser o concretizar desta missão?
As empresas vivem num ambiente competitivo e cada vez mais volátil o que exige uma resposta pronta e eficaz para uma gestão eficiente. Neste ponto, a TCAGest, tem apoiado os empresários, empreendedores e gestores, em áreas nucleares como fiscalidade, contabilidade, sistemas de informação, finanças e gestão de recursos humanos. Para tal, dispomos de uma equipa especializada, conhecedora dos desafios financeiros, fiscais, legais e económicos que as empresas enfrentam no mercado, e nas mais diversas áreas.
Com clientes em quatro continentes, concentramo-nos em apoiar os nossos clientes na criação de sistemas contabilísticos e de gestão que permitam à empresa desenvolver a sua atividade em vários países.
Os nossos consultores mantêm um contato permanente com o cliente, o que facilita a partilha de informação e o aconselhamento em matérias de caráter estratégico, operacional e financeiro com um objetivo comum – a melhoria do desempenho.

Desde o seu início, a TCAGest assume uma atitude diferenciadora, vencedora e, em particular, inovadora – e hoje é uma entidade respeitada no segmento das empresas de prestação de Serviços de Consultoria e Apoio à Gestão. De que forma estas palavras-chave têm feito a diferença num mercado em constante mudança?
Não podemos ignorar que nesta era da globalização o conhecimento e a inovação têm uma utilidade significativa.
É numa procura constante de novas formas de fazer as coisas que conseguimos impulsionar o desenvolvimento económico, a produtividade, a diferenciação e a competitividade, o que nos tem permitido o desenvolvimento de novos processos, produtos, serviços e soluções que criam mais valor para os clientes, potenciando a criação de novos negócios.
Este modelo de gestão na TCAGest tem funcionado porque existe uma sintonia entre diretores, funcionários e parceiros, o que se resume numa frase – “A colaboração dá resultados”.

A verdade é que, o mercado e, consequentemente, os inúmeros setores de atividade, evoluem à velocidade da luz. Com uma visão centrada naquilo que é o setor da Contabilidade atual, quais foram, para si, as transformações que mais impactaram este universo em Portugal?
Incontestável é o facto de a contabilidade ter sofrido um desenvolvimento significativo a partir de 1494, quando uma das figuras incontornáveis da contabilidade, Luca Pacioli, define a contabilidade de dupla entrada ou ainda “método das partidas dobradas”.
A contabilidade permite analisar todas as transformações sofridas pelo património de qualquer entidade económica durante o exercício da sua atividade, de modo a saber em qualquer momento, a sua composição e o seu valor. Estes dados são essenciais para a tomada de decisões de gestão e para o estado tributar o rendimento.
Verifica-se então que a contabilidade não se resume a recordar o passado e a conhecer o presente, mas é fundamental para projetar o futuro, planear a atividade e definir objetivos.
Entretanto, a transformação digital na contabilidade é muito mais que uma simples implementação de sistemas eletrónicos.
A tecnologia desencadeia uma revolução na estrutura, nas estratégias aplicadas, na cultura dos colaboradores e nos processos adotados. À primeira vista parece um processo trabalhoso e difícil, no entanto, a inovação é altamente compensatória.
A velha expressão tão conhecida “Sempre fizemos assim(!)”, será areia movediça para aqueles que não entenderem que a forma como se fazia… já ficou para trás.
Porém, não podemos temer o presente da transformação digital. Acredito que o melhor para o setor é fazer do elo entre o passado e o futuro, uma sólida ponte.

Uma das grandes mudanças atuais deve-se à era digital. Várias foram as profissões que tiveram de atualizar os seus procedimentos através do uso da tecnologia, e no mundo contabilístico a realidade não foi diferente. Enquanto empresa inovadora, que mais-valias emergem desta digitalização?
A transformação digital é fundamental para estimular o crescimento e a inovação, reduzir a complexidade e combater riscos.
Para isso, os nossos investimentos em tecnologias da informação são cada vez mais expressivos, especialmente com o intuito de obter dados para a tomada de decisões em tempo real. A informação, atualmente, tem importância altamente expressiva e pode representar um grande poder para quem a possui, seja a pessoa, seja a instituição. Ela possui valor, pois está presente em todas as atividades que envolvem pessoas, processos, sistemas e recursos financeiros.
O equilíbrio máquina-humano continua no quotidiano da nossa empresa.
A tecnologia no digital não veio para substituir o trabalho humano, mas para otimizá-lo. Em outras palavras, trata-se de um investimento em serviços online que auxiliam na gestão, organização e armazenamento de dados utilizando a automação para que as equipas possam usar o seu tempo e energia em atividades realmente importantes.
Um bom sistema de gestão é capaz de automatizar processos burocráticos e repetitivos.
Estamos focados em agregar tecnologia à profissão e não substituir pessoas por inteligência artificial – Este é o futuro.
Usar os meios digitais para valorizar a figura do profissional e a sua valiosa contribuição intelectual na análise e orientação com respeito pelos clientes.
A inteligência artificial, em particular, irá mudar a forma como o mundo trabalha e é nessa medida que continuamos a antecipar e a inovar.

Face à atualidade das empresas nacionais e aos temas vigentes do país, tais como a Inflação e o Orçamento de Estado, que importância tem o papel da Contabilidade?
Nos tempos atuais a informação desempenha um papel dos mais relevantes para a tomada de decisões em todos os domínios da vida.
Os indicadores económicos são utilizados diariamente, nomeadamente, em todos os meios de informação.
Entretanto, o papel crucial das informações geradas pela Contabilidade é inegável.
O entendimento que temos acerca da Contabilidade em tempos de crise pode mudar drasticamente o seu uso nas empresas e na sociedade.
A informação certa e tempestiva é capaz de evitar falências de empresas. Contudo, em períodos de crise social, as informações ganham ainda mais importância.
A contabilidade deve posicionar-se ao lado das empresas, disponibilizar informação atempada e ser parceira na tomada de decisões.
Esta certamente levará a uma decisão mais ponderada, com base em dados financeiros e consequentemente, a empresa terá mais sustentabilidade no futuro.
Mas tem de haver também uma mudança de mentalidades: tanto do empresário ao olhar para a contabilidade como do contabilista naquilo que tem como papel fundamental na economia, isto é, a oportunidade de adotar uma posição mais estratégica e proativa nas empresas.
Contudo, nesta nova era digital, é exigido a prestação de um serviço mais intimista e personalizado. Nesse sentido, as capacidades e qualidades humanas serão parte fundamental do perfil do consultor.

No próximo dia 26 de novembro, a APOTEC – Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade irá promover a VIII Jornada de História da Contabilidade, na qual a TCAGest marcará presença. Quão importante será debater e refletir nesta VIII Jornada sobre os temas anteriormente mencionados? Como perspetiva esta edição?
Desde o antigo Egito, a contabilidade vem aperfeiçoando os seus métodos de escrituração, por isso, é sempre importante refletir sobre o passado para pensar no presente e investir no futuro.
O futuro passa não só pelo que estamos a executar no presente, mas também pelas novas exigências do futuro.
Neste particular, a informação que as empresas terão de apresentar vai impactar muito do relato da sustentabilidade empresarial. As empresas vão ter de mudar a informação que prestam ao mercado e serão avaliadas não só pelo relato financeiro, mas também em função das suas preocupações a nível social e ambiental.
Refletir e discutir sobre o passado só faz sentido se projetarmos o futuro.
Estas obrigações trazem um grande desafio às empresas e vai criar uma grande pressão no mercado – Não vamos poder fugir a esta realidade.
A contabilidade vai ter um grande desafio de avaliar e fiabilizar esta informação.

A TCAGest tem vindo a habituar o mercado ao cumprimento exímio dos princípios de rigor, qualidade e valor acrescentado. Neste mundo em rápida evolução, é possível continuar a surpreender positivamente com este desempenho no futuro? De que forma a marca o irá fazer?
Atualmente continuamos a investir em inteligência artificial implementando novas formas de trabalho ao nível do digital para otimizar o trabalho humano. Este investimento em serviços online que auxiliam na gestão visa fidelizar e atrair cada vez mais clientes. O processo de fidelização é demorado e precisa ser contínuo. Para isso, estamos a apostar numa cultura baseada em dados com business intelligence, permitindo que os nossos clientes tomem decisões com confiança através de análises atualizadas em tempo real.