“Todos os dias mantenho como missão ser mais e melhor no que faço”

Cláudio Costa, Responsável de Armazém

228

O mundo avança de forma vertiginosa e é necessário que as empresas estejam a par (ou um passo à frente) das premências da sociedade. De que forma a DHC tem inovado os seus processos de armazém?
Na DHC damos primazia à boa organização do nosso armazém, permitindo desta forma, não só uma melhor otimização do tempo dispensado em operações internas (receção de mercadorias, controlo de qualidade, expedição de encomendas, entre outras), como também a uma gestão mais eficiente quer do espaço, quer dos stocks existentes. Para tal, utilizamos uma série de ferramentas e medidas criteriosas que nos ajudam ao bom funcionamento desta dinâmica de armazém sendo algumas delas:
▶ A utilização de um software de gestão (SAP);
▶ Meios mecânicos para (des)cargas;
▶ Controle de qualidade à receção de cada mercadoria, uma vez que o nosso Sistema de Gestão da Segurança Alimentar, utilizamos ferramentas como o Fluxograma, Codex Alimentarius, Medidas de autoproteção, etc;
▶ Contagem regular de inventário;
▶ Boa comunicação com os nossos parceiros desde as transportadoras ao cliente;
▶ Formações constantes que nos permitem evoluir e acompanhar as demandas da sociedade enquanto empresa.

Que oportunidades emergem desta inovação?
Otimização de tempo e melhor gestão de stocks, assim como colocar a DHC num patamar de empresas que acompanham a evolução do mundo empreendedor, mantendo sempre o rigor e a base da confiança com todos os seus Parceiros de Negócios.

Como define a importância da DHC para os seus Recursos Humanos e Consumidores?
A DHC é uma empresa que me deu oportunidade de crescer a nível pessoal e profissional, acreditando no meu potencial e perfil de liderança enquanto Responsável de Armazém. Todos os dias mantenho como missão ser mais e melhor no que faço por forma a poder responder aos desafios e oportunidades que vão surgindo. A confiança e a preferência dos nossos consumidores pelos nossos produtos traduzem-se no bom e continuado trabalho da equipa funcionando como “uma boa máquina oleada”.