“A EPOCH Solutions tem a maturidade e a capacidade para ser geradora de Confiança no mercado”

Marcada por um forte cenário evolutivo, a EPOCH Solutions assume uma enorme versatilidade, perpetuando uma dinâmica de trabalho de excelência em diversas áreas, mais concretamente na vertente energética, onde se inclui a mobilidade elétrica. A Revista Pontos de Vista esteve à conversa com Gonçalo Bessone Pereira, Managing Partner da EPOCH Solutions, que assumiu que a marca está empenhada em encontrar sinergias entre a produção de energia limpa e o seu “Link” à mobilidade elétrica com recurso a software, sistemas de armazenagem entre outros.

835

A EPOCH Solutions é uma empresa de projeto, consultoria, formação, qualidade, auditoria e fiscalização que, nos últimos anos, tem vindo a desenvolver de forma significativa uma vertente energética. Fazendo uma retrospetiva à história da marca, como define esta evolução?
A empresa inicia atividade em pleno boom na área das telecomunicações (1999), percebe na época que não existem recursos humanos qualificados para a demanda do mercado, tanto a nível de técnicos de terreno como na parte de engenharia de projeto focando deste modo a sua atividade na formação, auditoria e projeto. Em 2018 novos acionistas adquirem a totalidade do capital, com a visão de potenciar a mais valias e conhecimento existentes e introduzir a área de negócio da energia, sempre focados na área das energias alternativas. Num Mundo cada vez mais energeticamente dependente e com cada vez menos recursos nas energias tradicionais este mercado no nosso entender vai ter obrigatoriamente uma evolução e democratização na próxima década. O solar fotovoltaico foi a grande aposta inicial e passamos a trabalhar em parceria com os principais operadores no mercado. Tendo já implementado mais de 8,53 MW desde instalações domésticas a empresariais. Mais recentemente em 2019 passamos também a ter um departamento de mobilidade elétrica tendo tido uma participação direta na capacidade para a eletrificação no mercado automóvel. Continuamos empenhados em manter as parcerias.

Com um quadro de profissionais especializados, a EPOCH acompanha sempre as inovações e tendências de mercado. Que tendências existem hoje e de que forma, a marca, se destaca na resposta às mesmas?
Com a democratização e facilidade de acesso por parte do homem comum a soluções de energia alternativa, o grande desafio será enquadrar essa energia e sua distribuição nas redes existentes, abrindo novas procuras por tecnologias de gestão energética, armazenamento e sempre com a preocupação de não se correr o risco de “perda” de energia gerada em redes ou sistemas deficientes ou não capacitados para a nova realidade. Pensamos que sistemas de informação e gestão assim como sistemas de armazenamento terão um desenvolvimento acelerado neste mercado. O aparecimento das comunidades de energia vão ao encontro de descentralizar a produção energética sendo esta a principal mudança. A Epoch Solutions tem procurado estar sempre a par destas tendências e tem tido sempre em atenção em realizar parcerias estratégicas com os principais operadores e start-ups tecnológicas.

Hoje, a EPOCH afirma ser uma empresa de confiança que cria soluções para cada negócio, nomeadamente no que diz respeito às energias alternativas. De que forma esta área de negócio é uma aposta estratégica para o futuro?
Confiança está sempre ligada aos princípios da empresa, sua missão, postura e objetivos. desde sempre a nossa meta é fornecer soluções adequadas ao cliente, não obstante tudo isto, se a mesma não tiver Know-how, experiência e recursos capacitados, as boas intenções e a qualidade no serviço que gera confiança pode ser perdida. Hoje pensamos que a Epoch Solutions tem a maturidade e a capacidade para ser geradora de confiança no mercado, tanto a nível nacional como internacional. estamos a abrir uma filial no Luxemburgo a convite de empresas locais o que espelha a confiança que geramos hoje nesta atividade.

Mas não fiquemos por aqui. Em 2019, a EPOCH abriu um departamento dedicado à Mobilidade Elétrica, realizando diversos projetos a nível nacional ao longo dos anos e desenvolvendo parceiras. Com que ambição, a marca, continua a apostar e a promover uma mobilidade mais limpa?
É um tema que sempre nos pautou, ter a capacidade para estar presentes nesta transição, que não é fácil e que tem constrangimentos para além dos expectáveis, como disponibilidades energéticas seu balanceamento entre outros.  muitas vezes não antecipados e que podem ser restrições a uma transição mais célere. Muitas novidades neste segmento estão a surgir e vai ser uma área de negócio em constante evolução. Estamos empenhados em encontrar sinergias entre a produção de energia limpa e o seu “Link” à mobilidade elétrica com recurso a software, sistemas de armazenagem, entre outros.

Em que medida é uma realidade e uma necessidade cada vez mais premente a eletrificação das frotas automóveis, como uma das medidas de descarbonização do planeta?
Temos várias correntes de pensamento a nível global nesta área, nem todas concordantes com a solução de eletrificação de veículos. No nosso entender algo teria de ser feito no sentido de descarbonizar o planeta. se esta é a solução não sabemos ao certo, mas que foi um início muito importante para colocar a “máquina” em funcionamento, sem dúvida foi. Outras tecnologias e formas irão surgir, como combustíveis sintéticos (já em teste), soluções de hidrogénio (em testes avançados), entre outras que irão surgir. Penso que no momento esta solução já tem alguns efeitos positivos, principalmente nos grandes centros urbanos.  Resumindo no momento a importância da eletrificação de frotas é enorme até por ser a principal solução existente e temos todos de a abraçar.

Sabemos que os temas anteriormente mencionados estão a conquistar cada vez mais espaço no mercado. Neste sentido, na sua perspetiva, de que forma é o que os mesmos têm marcado uma dinâmica forte ao nível da inovação e do desenvolvimento de soluções? Qual o papel que a EPOCH tem desempenhado neste sentido?
A Epoch tem tido um papel muito operacional, maioritariamente aplicamos e tornamos realidade soluções tecnológicas de terceiros, não deixando nunca de lado o feedback operacional e nas contribuições de evolução e melhoramento das tecnologias existentes. Este fenómeno é mais abrangente nos grandes operadores nacionais.
Temos tido a preocupação de ter cada vez mais parceiros tecnológicos (New Business) onde a intenção é a partilha de informação e tornar reais algumas ideias inovadoras. no momento estudamos soluções importantes de aproveitamento de energia para a mobilidade elétrica sem recorrer à rede “normal” de abastecimento, tornando cada vez mais autónomo e autossuficiente o ato de “alimentar” o veículo entre outras inovações que permitiram utilizar unidades produtoras de energia como forma de “arte” estética e enquadradas em arquitetura urbana. É primordial na nossa estratégia estarmos envolvidos nas evoluções e inovações do mercado. Com o objetivo de realizar e transformar em produtoras de energia ambientes e edifícios em que se pensava não ser possível ou que o choque arquitetónico seria elevado, sempre com um racional económico que seja favorável.

Acompanhar a evolução e as necessidades do mundo é urgente, e uma das missões mais claras da EPOCH. Com enfoque nas áreas das comunicações e das energias alternativas, com que perspetiva encara o futuro?
Estamos num momento muito interessante em ambas a áreas, em qualquer uma delas temos de aliar eficiência, inovação e qualidade no propósito, nunca esquecendo que têm de fazer sentido económico/financeiramente, tanto no B2B como no B2C. a grande mudança é a mentalidade do indivíduo, o indivíduo nesta transição é tão importante como os grandes operadores ou mesmo o estado, o auto consumo e a produção descentralizada de energia vai ter uma importância estratégica no futuro o que coloca o indivíduo numa posição central. Até aos dias de hoje o mesmo era completamente ausente na política energética (mero utilizador). hoje tem um papel importantíssimo. Poderemos estar perante uma revolução tecnológica e também humana, onde todos seremos chamados a tomar parte no processo. Reforço que todas as ideias só têm futuro se o racional financeiro for atrativo para todas as partes envolvidas e o impacto das ideias e soluções seja visível e mensurável.