Arcos de Valdevez – Para Jovens e para Todos

O Município de Arcos de Valdevez conquistou um galardão pela maior rede de Municípios comprometidos com os jovens e as suas organizações para a implementação de reais políticas de Juventude, no âmbito da candidatura ao Selo de Município Amigo da Juventude. João Manuel Esteves, Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, falou, em entrevista à Revista Pontos de Vista, sobre este reconhecimento e sobre outras políticas e projetos que fazem de Arcos de Valdevez um Município atraente para visitar e viver.

537

João Manuel Esteves é Presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez. Para começar, quais foram os grandes objetivos a que se propôs, no início das suas funções?
Servir da melhor forma a população de Arcos de Valdevez e o desenvolvimento do nosso território e do nosso concelho. Preservar a nossa cultura, as nossas tradições, a nossa História e a nossa gente são sem dúvida algumas das prioridades e grandes objetivos do meu percurso. Lutar por um concelho mais próspero, mais dinâmico e mais atrativo para viver, visitar e investir e com mais oportunidades e qualidade de vida para todos.

Arcos de Valdevez, localizado na região Norte de Portugal, conta com uma paisagem verde, frescura abundante, arquitetura solarenga e um rio que espalha a vaidade de toda uma vila carregada de história. Além destes factos, o que faz com este seja um Município especial em Portugal?
A simpatia e o bem receber dos arcuenses, para além das paisagens, do património, Natural e Cultural, da História, da gastronomia servida com bons vinhos verdes, a oferta turística em constante evolução, ao nível de alojamentos, animação e atividades de natureza, bem como as nossas festas e romarias tão típicas são o que faz da nossa terra um local muito especial que deve ser visitado e apreciado.

Arcos de Valdevez é um território de oportunidades para diversos efeitos: para viver, para visitar e para investir. Face às mudanças que se dão no mundo, de que forma este Município se tem reinventado nestes três domínios?
Num mundo em constante evolução, temos vindo há uns anos a esta parte a ter uma preocupação no que respeita à qualidade de vida e de trabalho no nosso concelho. Temos vindo a desenvolver políticas e projetos de apoio à habitação, à construção e reabilitação para habitação própria, melhoria das condições de habitabilidade, incentivos ao repovoamento das aldeias, apoios ao arrendamento ou arrendamento jovem, tudo alicerçado numa estratégia local de habitação. Temos feito vários investimentos e programas de apoio ao turismo, aos produtos locais, à restauração à melhoria das condições de visitação do nosso território, permitindo melhorar e aumentar a oferta para quem nos visita. São exemplo disso infraestruturas de lazer como as nossas ecovias que permitem usufruir da nossa natureza com qualidade e em segurança.
Também tem sido feito um trabalho de captação de investimento para os parques empresariais, que neste momento são quatro, ao nível das infraestruturas físicas, digitais e de acessibilidade, que permitiram e continuam a permitir a fixação de várias empresas locais e estrangeiras que criam emprego e promovem a fixação de pessoas. No que respeita ao setor primário, não fossemos nós um dos municípios do PNPG, apoiamos e incentivamos a fixação e desenvolvimento dos produtores locais e a certificação dos produtos resultantes da nossa agricultura e pecuária. São eles uma importante fonte de rendimento para as populações que se mantém nas nossas zonas mais rurais. São exemplos disso os apoios à produção da Carne de Vaca da Cachena e dos nossos vinhos.

O Município Arcuense voltou a ser galardoado pela maior rede de Municípios comprometidos com os jovens e as suas organizações para a implementação de reais políticas de Juventude. O que tem vindo a ser realizado, neste sentido, pelo Município?
Em Arcos de Valdevez, para além de termos um Plano Municipal de Juventude com apoio direto ao associativismo juvenil e um Plano de investimento no Setor da Juventude, temos no nosso organigrama um Pelouro da Juventude e uma Divisão de Juventude com Técnicos de Juventude e um Espaço para associações e projetos jovens. Além disso desenvolvemos Políticas de apoio à iniciativa jovem como:
> Arrendamento Jovem;
> Bolsas de Estudo do Ensino Superior;
> Cartão Jovem Municipal;
> Orçamento Participativo (com majoração de 25% do valor se for apresentado por jovens);
>  Repovoar Arcos de Valdevez;
>  Ação Social Escolar reforçada;
>  Incentivos à Habitação Jovem;
>  Isenção de IMT para Jovens;
>  Subsídio ao Arrendamento;
>  Renda Acessível;
> Programa de Apoio ao Investimento e Empreendedorismo;
> Centro de Interface Tecnológico e Industrial;
> Dois Cursos Superiores em Arcos de Valdevez;
> Via Verde do Empreendedor.

Além deste reconhecimento, no âmbito da candidatura ao Selo de Município Amigo da Juventude, o Comité de Validação da Rede deliberou por unanimidade a atribuição de Município de Arcos de Valdevez: Selo Município Amigo da Juventude – Categoria de 4 estrelas. Que significado este prémio tem na «vida» do território? Esta atribuição é símbolo de que compromisso?
Quando estamos inseridos num território denominado de baixa densidade e com uma enorme tendência de envelhecimento populacional, ver as nossas políticas a serem valorizadas e premiadas por este programa nacional, enche-nos de orgulho e dá-nos ânimo para continuar este que achamos que é o caminho certo no desenvolvimento do nosso concelho e dos nossos jovens.

Quão importante é a existência de uma Rede que promove as Políticas de Juventude como eixo central da ação governativa dos Municípios?
O mais importante numa iniciativa como estas é a troca de conhecimentos e boas práticas dos Municípios, ficando a conhecer as diferentes realidades locais e é também uma espécie de barómetro territorial no que respeita às políticas de juventude.

Que mensagem gostaria de deixar, não só aos jovens de Arcos de Valdevez, mas às suas pessoas no geral e que muito contribuem para a história viva do território?
Sem dúvida que os territórios existem para as pessoas e pelas pessoas, assim sendo não podia deixar de agradecer a todos aqueles que contribuem e lutam para que diariamente a nossa população e os nossos visitantes encontrem um território mais solidário, mais atrativo e com mais oportunidades para viver investir e visitar. Aqui refiro-me a todo o tecido associativo, empresarial e a tuas as instituições que connosco colaboram diariamente.