“A IMAA está preparada para enfrentar desafios e capitalizar oportunidades, mantendo a excelência nos serviços jurídicos oferecidos”

A Isálcio Mahanjane Advogado e Associados (IMAA), é um dos mais prestigiados escritórios de Advogados em Moçambique, apresentando-se, contudo, como um player deste setor de referência também a nível global, nomeadamente ao nível da Lusofonia. Desta forma, Assunção Fumo, Advogada da IMAA, esteve à conversa com a Revista Pontos de Vista, dando foco a diversos pontos que revelam e bem o crescimento, a evolução e a marca que a IMAA tem vindo a deixar no mercado, fruto da sua capacidade inovadora, de qualidade e excelência. Saiba mais de uma marca que planeia adaptar-se a possíveis mudanças no cenário legal e de negócios em 2024 através de uma abordagem proativa.

98

A Isálcio Mahanjane Advogado e Associados (IMAA) é uma firma de Direito moçambicano, constituída para responder aos desafios do negócio jurídico e para satisfazer os interesses das pessoas singulares e coletivas. Para melhor entender, de que forma a marca tem vindo a concretizar esta sua missão?
A IMAA tem concretizado a sua missão, no campo do direito nacional e internacional, através de abordagens abrangentes e personalizadas para cada segmento dos seus clientes. O que exige, da nossa parte, como firma, o desafio de conhecer detalhadamente cada segmento, por forma a oferecer serviços correspondentes a cada um dos desafios, de modo a garantir a satisfação dos interesses de cada cliente. Noutro diapasão, porém no mesmo campo, a firma busca constantemente soluções inovadoras e práticas para melhorar o seu hiato de bem e melhor servir, paredes-meias com um calcanhar de Aquiles do tipo de negócio, a celeridade em todos os domínios.

De ano para ano, uns desafios mantêm-se e, outros, atualizam-se. Fazendo uma análise ao mercado, quais são os desafios que mais se têm destacado em 2023?
O ano de 2023 tem sido deveras desafiador, todavia, também de muito aprendizado. A instabilidade geopolítica e económica, resultante da guerra no ocidente (entre a Rússia e a Ucrânia) e a guerra no médio-oriente, entre Israel e a Palestina, constituem um verdadeiro teste de resiliência aos povos e aos negócios, do qual o negócio jurídico não escapa. Numa fase em que os países e as economias buscavam estabilidade depois do quase flagelo que foi o Covid-19. E porque Moçambique, abraços com uma instabilidade político e económica, traduzida numa guerra que dura desde 2017, cujo epicentro é uma zona com uma das maiores reservas de gás natural do mundo ressente-se dos efeitos desses desafios, o que atrasa não só a expectativa de um boom, como compromete os negócios em curso.
O desafio da adaptação do quadro jurídico legal moçambicano face as evoluções tecnológicas que, dentre outros, tem como consequência o aumento do índice de crimes cibernéticos, é também um dos desafios a ter em conta nos últimos anos e que se prevê aumentar os próximos anos. O que implica transformações e evolução num quadro tradicional e conservador. Por outras palavras, a era digital exige de nós respostas a altura.
Por último e não menos importante, temos o crescimento da indústria energética e de extração mineira que o país vive, uma realidade que é também de interesse global, cujo destaque no mercado internacional é inevitável, e que atraí grandes investimentos para o país. O que exige uma melhoria na bitola do ambiente de negócios. Uma melhoria que não escapa as firmas de prestação de serviços jurídicos e de advocacia, que têm de investir, consideravelmente, nos campos dos recursos humanos e de ferramentas tecnológicas e financeiros, para chamarem a si o papel de contribuir para a economia como o de bem servir. Exige-se uma prestação de serviços rigorosa.

A transformação digital tem feito parte do mundo moderno. Considera que as tecnologias digitais, no mundo do Direito, têm estado do lado dos desafios ou das oportunidades?
As tecnologias digitais no mundo do Direito são sim sinais de desafios, mas também de oportunidades. A automatização, inteligência artificial e análise de dados oferecem eficiência, mas também demandam adaptação, na medida em que por um lado, reduzem em grande medida o tempo de resposta dos processos, permitem a existência de uma base de dados eficiente, com nível de fidelidade bastante alto, a desburocratização eficiente, redução dos níveis de fraudes, transparecia e por consequência redução dos níveis de corrupção. Por outro lado, somos desafiados a evoluir a nível legislativo, na mesma medida que as oportunidades trazidas pela era digital. É necessário que não haja limitações legais ou técnicas aos aplicadores da Lei e a administração pública. E os escritórios de advogados são chamados a explorar as tecnologias digitais, de maneira consciente, por forma a não colocar em causa os limites impostos pelos estatutos das suas agremiações, sem descorar dos benefícios que estas tecnologias oferecem para melhoria dos serviços, otimizando processos e fornecendo soluções inovadoras e confortáveis aos nossos clientes.

Falemos do cenário legal em Moçambique. Quais diria que são as oportunidades e os desafios ao atuar no ambiente jurídico moçambicano? De que forma a IMAA tem contribuído para o desenvolvimento do sistema legal do país?
As oportunidades no ambiente jurídico moçambicano estão ligadas ao crescimento econômico e desenvolvimento de setores-chave, enquanto os desafios incluem complexidade legal e questões de governação. A Isálcio Mahanjane, Advogado e Associados, contribui, positivamente, para o desenvolvimento do sistema legal do país ao oferecer serviços especializados e ao participar, ativamente, em projetos que impulsionam o progresso económico e jurídico em Moçambique, espevitando inclusive algumas reformas legais.

Esta é uma empresa que gosta de abraçar, também, outros mundos, nomeadamente na Lusofonia. Assim, em que medida a IMAA constrói e mantém relações internacionais, especialmente com Portugal?
A IMAA constrói e mantém relações internacionais, especialmente com Portugal, através de parcerias, eventos e colaboração com escritórios portugueses. Essas relações facilitam a assistência a clientes com interesses transfronteiriços e promovem a troca de conhecimento jurídico entre diferentes contextos legais.

Atrás do profissionalismo destacado na IMAA, está a equipa que compõe a marca. Atendendo a este facto, tem sido primordial valorizar e investir no desenvolvimento do Capital Humano? Que consequências é que esta aposta traz aos resultados da marca?
Na IMAA, a valorização e investimento no desenvolvimento do Capital Humano são imperativos para sustentar o profissionalismo destacado. A equipe é a espinha dorsal da marca, e, por isso, a firma adota uma abordagem proativa para garantir o crescimento e bem-estar de seus Associados.
Ao priorizar o desenvolvimento humano, a firma investe em programas de treinamento, educação continuada e promoção de um ambiente de trabalho colaborativo. Isso não apenas aprimora as habilidades técnicas dos profissionais, mas também fomenta uma cultura de aprendizado constante.
As consequências dessa aposta refletem diretamente nos resultados da marca, pois ao termos uma equipe altamente qualificada elevamos a qualidade dos serviços jurídicos oferecidos. Além disso, o investimento no desenvolvimento humano contribui para a construção de uma equipe coesa e motivada. Profissionais satisfeitos e engajados resultam em maior eficiência operacional e um ambiente de trabalho positivo
A valorização do Capital Humano não se limita ao aspeto técnico, mas também abrange o bem-estar dos colaboradores. Isso cria uma cultura organizacional resiliente, onde os profissionais se sentem apoiados, o que, por sua vez, impacta positivamente a imagem da marca.

Estamos quase a entrar num novo ano. Como perspetiva a área do Direito em 2024? Que tendências farão parte dos próximos meses?
Para 2024, espera-se na área do Direito um cenário marcado por avanços tecnológicos, ênfase na sustentabilidade, resolução alternativa de disputas (mediação e arbitragem) para aliviar a pressão judicial, e uma adaptação contínua às mudanças legislativas e sociais. A globalização, a digitalização e questões éticas e ambientais serão tendências proeminentes nos próximos meses, influenciando a prática jurídica.

Do ponto de vista da IMAA, de que forma o escritório planeia adaptar-se a possíveis mudanças no cenário legal e de negócios em 2024?
A IMAA planeia adaptar-se a possíveis mudanças no cenário legal e de negócios em 2024 através de uma abordagem proativa. Isso inclui o monitoramento constante do ambiente legal, investimento em educação continuada para a equipe, diversificação de especialidades, ênfase em resolução alternativa de disputas, incorporação de tecnologia jurídica, adaptação aos desafios econômicos, foco na sustentabilidade e responsabilidade social, aprimoramento da experiência do cliente, flexibilidade em modelos de trabalho, e colaboração com parceiros estratégicos. Essa estratégia visa garantir que o escritório esteja preparado para enfrentar desafios e capitalizar oportunidades, mantendo a excelência nos serviços jurídicos oferecidos.