“A nossa cultura e os nossos valores são o farol que nos guia no nosso trabalho”

Ainda muito antes de a Norma Portuguesa 4590 - Sistema de Gestão do Bem-Estar e Felicidade Organizacional ser publicada, já a Merck estava alinhada com as melhores práticas no que diz respeito ao bem-estar e saúde dos seus colaboradores, através do projeto BeHealthy. Pedro Moura, Diretor Geral da companhia em Portugal, contou-nos a missão deste programa e o porquê de ser crucial no sucesso da empresa.

193

Desde 1668, que a curiosidade científica e um forte sentido de responsabilidade tem sido a força motriz da Merck. De que forma a história rica da marca, que se estende por mais de três séculos, influencia a cultura e os valores da mesma atualmente?
A nossa cultura e os nossos valores são o farol que nos guia no nosso trabalho. É certo que os tempos mudaram e que nada é hoje, obviamente, como era há mais de três séculos, mas há coisas que se mantêm, passe o tempo que passar. Como a nossa paixão pela ciência e tecnologia e a curiosidade para enfrentar alguns dos desafios mais difíceis da atualidade.
O nosso objetivo continua a ser o mesmo: ajudar a criar, melhorar e prolongar vidas. Foi assim desde o princípio e continua a ser assim, quer seja através do fornecimento de tratamentos personalizados para doenças graves ou de formas de ajudar as pessoas a realizarem o sonho de se tornarem pais. Além disso, procuramos ainda dar ferramentas à comunidade científica, para tornar mais simples a investigação e, logo, conseguir alcançar mais rapidamente descobertas que mudam vidas. E, hoje tal como há 350 anos, continuamos a levar mais além os limites do que é possível, sendo esta uma meta que não perde atualidade.

​A Merck é, hoje, reconhecida como uma Great Place to Work sendo que, recentemente, lançou o projeto BeHealthy – um programa que apoia e incentiva o bem-estar físico, mental e social dos colaboradores. Para melhor entender, o que é que este projeto significa e oferece?
O BeHealthy é o nosso novo programa global de saúde para os colaboradores, concebido para apoiar e encorajar o bem-estar físico, mental e social. Isto porque nós sabemos que as pessoas são o nosso ativo mais importante e que o investimento na sua saúde e bem-estar é essencial para continuarmos a ser bem-sucedidos no nosso contributo diário para o progresso humano. Trata-se de um programa que oferece um grande conjunto de oportunidades e recursos em quatro áreas principais: saúde mental, o que inclui o bem-estar psicológico, o estado emocional, cognitivo e comportamental, através de incentivos para que os colaboradores possam desenvolver a resiliência necessária para ultrapassar os desafios da vida e possam assumir o controlo da sua jornada de saúde mental; saúde física, com apoios ao nível do bem-estar geral, através de cuidados abrangentes que permitam vencer o stress físico e manter o funcionamento ideal do corpo; local de trabalho, com condições para que possam estar num espaço que promova a saúde e a felicidade de todos e, ao nível social, para que possam interagir eficazmente com os outros nos mais variados contextos.

Também recentemente foi publicada a Norma Portuguesa 4590 – Sistema de Gestão do Bem-Estar e Felicidade Organizacional, que vai ao encontro dos objetivos propostos pela Merck, relativamente ao projeto BeHealthy. Qual a importância desta Norma e de que forma, a mesma, influenciou o desenvolvimento do projeto em questão?
O nosso programa acaba por ir ao encontro do objetivo desta Norma, mas foi desenhado antes da aprovação da mesma, o que mostra que estamos alinhados com aquilo que são as melhores práticas em termos de bem-estar e saúde dos colaboradores, e que tentamos antecipar ao máximo as necessidades de cada um. Acreditamos que o bem-estar de todos vai traduzir-se num maior sucesso da companhia. Com uma aposta em programas como este conseguimos uma dupla vitória: melhoramos a saúde e bem-estar das nossas pessoas e conseguimos continuar a crescer enquanto empresa.

A Norma Portuguesa 4590 destaca, também, a importância da liderança no desenvolvimento de uma cultura organizacional que promova o bem-estar. Assim, como é que a liderança na Merck está alinhada com estes princípios e contribui para a criação de um ambiente de trabalho saudável?
A nossa Cultura de Alto Impacto permite-nos reexaminar continuamente a nossa forma de trabalhar e desafiar pressupostos de longa data para promover o progresso, o que passa por cultivar e recompensar um ambiente inclusivo, em que as pessoas se sintam bem. Acreditamos na importância de reconhecer as conquistas individuais, através de uma liderança orientada para o feedback, que valoriza as expectativas e opiniões dos colaboradores e recompensa o seu desempenho.
Uma liderança que dá aos nossos talentos espaço para atingirem todo o seu potencial, para se desenvolverem e apresentarem, através de uma formação contínua dos nossos colaboradores. O que se faz também através de um bom ambiente de trabalho, onde predomina uma interação justa e pautada pelo respeito mútuo e onde não há espaço para a discriminação, assédio físico ou verbal e intolerância no local de trabalho. Temos um dever de cuidar dos nossos colaboradores e a sua saúde e segurança são a nossa principal prioridade, queremos melhorar continuamente para sermos facilitadores de uma boa conciliação entre a vida profissional e familiar.

A Merck, enquanto empresa farmacêutica e química, desempenha um papel crucial na promoção da saúde. Em que medida o projeto BeHealthy se alinha com a missão mais ampla da empresa no campo da saúde, tanto internamente entre os colaboradores, como externamente na sociedade?
Enquanto companhia líder em ciência e tecnologia, queremos participar na construção do futuro e na melhoria da vida das pessoas: das nossas – os nossos colaboradores -, dos doentes e da sociedade em geral. No que diz respeito a este último âmbito, isso passa, por exemplo, por melhorar o acesso à saúde: não basta desenvolver os tratamentos, mas queremos também contribuir para que estes sejam acessíveis a quem deles necessita. Passa também pela educação, com campanhas de sensibilização e informação sobre doenças e sobretudo as formas de as prevenir e, claro, passa pelo ambiente, com uma aposta crescente na importância de conservar os nossos recursos naturais. Além disto, acreditamos que podemos inspirar outras empresas dentro e fora desta indústria com a partilha de boas práticas que tentamos protagonizar com várias parcerias.

Qual é a visão da Merck para o futuro no que diz respeito ao bem-estar e felicidade organizacional? Existem planos adicionais para expandir ou aprimorar as iniciativas existentes com base nas diretrizes da Norma Portuguesa 4590?
O bem-estar e a felicidade dos colaboradores são, como já referi, uma prioridade e vão continuar a sê-lo. O que significa que vamos reforçar as ações no âmbito do BeHealthy, com cada vez mais iniciativas ao nível da saúde mental e física e do bem-estar individual e coletivo; vamos continuar a procurar o feedback de todos e agir sobre ele.

Estamos a um passo de 2024. Falando agora numa perspetiva mais geral, o que é que a comunidade pode esperar da Merck nos próximos 12 meses do novo ano?
A Merck Portugal prepara-se para celebrar o seu 90º aniversário, data que servirá também para fazer uma retrospetiva de nove décadas, em que nos tornamos líderes de ciência e tecnologia e tivemos um impacto positivo na vida de tantas pessoas. Uma ocasião que servirá para reforçar o compromisso com os doentes, que estão no centro de tudo o que fazemos e com a continuação do trabalho que tem sido feito até agora, procurando dar resposta aos desafios que vão surgindo. Um trabalho que passa pelo reforço da nossa aposta na diversidade, equidade e inclusão, não só a nível interno, mas também enquanto motor para uma mudança essencial na sociedade portuguesa, onde questões como a igualdade de género ainda estão longe de ser resolvidas. E que passa ainda pelo apoio aos cuidadores informais, através do Movimento Cuidando de Cuidadores Informais, um projeto que nos é muito querido e que continua a ter um longo caminho a percorrer, tão longo como as necessidades não satisfeitas que estes cuidadores continuam a ter.