Quando e como surgiu a ideia de abraçar um projeto como a Aegon Santander Portugal?

O projeto Aegon Santander Portugal começou a ser desenvolvido em 2014. Nesse ano, participei ativamente nas negociações entre o Santander e a Seguradora holandesa Aegon, em representação do Santander. Em causa estava a aquisição de parte do Negócio de Seguros existente em Portugal da Seguradora. E o desafio foi-me colocado nesse contexto pelos Acionistas. Não foi, por isso, um objetivo que eu tivesse definido, mas antes a resposta a um desafio, que achei altamente estimulante, quer do ponto de vista pessoal, quer profissional, e relativamente ao qual me sinto grato pela confiança que depositaram em mim.

Construir do zero duas Seguradoras – Aegon Santander Vida e Aegon Santander Não Vida que operam com o Banco Santander – foi um processo intenso, mas cinco anos depois, gerimos cerca de 900.000 apólices e um negócio muito diversificado, mantendo sempre o foco no Cliente.

Como é gerir uma empresa que por quatro anos consecutivos foi considerada uma das melhores empresas para trabalhar pela Revista Exame?

É altamente motivante fazer parte de uma equipa como a da Aegon Santander.

Nos Seguros a confiança é um ativo essencial e acho que apenas com uma equipa motivada é possível assegurar a qualidade do serviço que procuramos entregar aos nossos Clientes, excedendo as suas expectativas sempre que possível. A equipa é por isso, o núcleo da nossa atividade e o nosso principal ativo e partindo sempre dessa máxima, posso dizer que o meu processo de gestão está baseado na liderança pelo exemplo em busca do bem comum, tendo foco especial em 3 áreas que tenho como objetivo pessoal: Desenvolver, Servir e Cuidar.

Consideram que a excelência dos vossos resultados é o fruto do desempenho de todos. Como descreve o balanço da vossa atividade?

Não tenho dúvidas de que os resultados que alcançamos dependem do desempenho de um coletivo organizado em torno de um objetivo comum, que não desiste nas dificuldades e é criativo nas soluções que constrói. Acredito que na Aegon Santander se vive esse espírito. Só dessa forma, podemos dizer que, embora sejamos uma empresa jovem, temos hoje uma oferta consolidada e um leque abrangente de soluções para Clientes Particulares; estamos presentes, para contratação, consulta ou utilização de serviços nas principais plataformas do Banco Santander e nalguns canais próprios e contamos com uma boa avaliação por parte dos nossos Clientes quanto aos serviços que lhes prestamos.

 Porque que devem os vossos clientes escolher a Aegon Santander?

Porque acreditamos na nossa capacidade, vontade e agilidade para os servir melhor. A capacidade por si só não gera ação, a vontade isolada pode não ser suficiente, mas se conseguirmos juntá-las e adicionarmos a agilidade na implementação, o resultado pode surpreender-nos.

Um exemplo disso foi o que recentemente fizemos. Perante a pandemia de Covid-19, alargámos serviços e antes mesmo de ser decretado o estado de emergência, comunicámos aos nossos Clientes que podiam fazer consultas médicas online para despiste ou esclarecer dúvidas, sem saírem de casa, evitando o risco de contágio e sem qualquer custo associado. Fizemo-lo para todos os Clientes, mesmo para aqueles cujas apólices não incluíam este serviço, e estendemos a todos os Clientes do Banco Santander. Em conjunto com o Banco, informámos ainda os Clientes sobre as garantias dos nossos seguros que iriam abranger os riscos associados à pandemia.

Acreditamos que nestas situações é preciso estar presentes, agilizando soluções.

De que forma, proporcionam aos vossos clientes uma oferta diferenciada e personalizada de acordo com as suas necessidades individuais?

Acho que nos diferenciamos pela otimização de dois fatores: o podermos conhecer antecipadamente os Clientes a quem nos dirigimos. A Aegon Santander Portugal surgiu para criar uma oferta ajustada ao perfil dos Clientes do Banco Santander, com o objetivo de cumprir as suas expectativas e otimizar a sua experiência. E, por outro lado, o podermos beneficiar da larga experiência que o Grupo Aegon tem no setor segurador e que poderá refletir-se nas nossas soluções, que queremos adequadas aos riscos da vida atual e com recurso a canais que permitam eficiência e proximidade com o Cliente.

Como é feito o acompanhamento aos vossos clientes, de forma, a garantir assim a total satisfação dos mesmos?

O acompanhamento é feito de forma articulada com a rede comercial do Banco Santander, essencial na ligação com os Clientes. Queremos contribuir para o reforço dessa relação, para aumentar o capital de confiança que o Cliente deposita no seu gestor. Dar à rede comercial o suporte para que possa prestar um serviço de qualidade continua a ser fundamental.

Adicionalmente, temos as nossas ferramentas que desenhámos para servir bem, desde a subscrição à gestão da apólice e dos sinistros, privilegiando os canais digitais.

Porque conjunto de princípios éticos e normas de conduta se rege a atuação de todos os empregados da Aegon Santander Portugal?

Regemos a nossa atuação seguindo um conjunto de princípios éticos e normas de conduta que se encontram plasmados no Código de Conduta da companhia, que é público e está disponível no nosso site.

Destacaria a forte orientação para as pessoas que esses princípios refletem – e de que são exemplo, a igualdade de oportunidades e não discriminação; o respeito para com as pessoas; a conciliação do trabalho e da vida pessoal, promovendo a qualidade de vida dos colaboradores e suas famílias – bem como a promoção da proteção do meio ambiente e o desenvolvimento de políticas de responsabilidade social. E queremos que estes princípios se traduzam em acções. Por isso, contribuímos ativamente para a inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho, motivo pelo qual nos associámos à Inclusive Community Forum, iniciativa da Nova SBE e à CADIn.

Dizem o que fazem e fazem o que dizem. É através desta transparência e clareza que pretendem caminhar para continuar na linha da frente?

Achamos que essa atitude é a única possível se quisermos manter a confiança dos nossos Clientes. Para além disso, é também um atributo que gostaríamos que fosse associado à nossa marca.

Mas não podemos ficar por aí, se quisermos um lugar na linha da frente. Teremos também de ter visão, capacidade de inovar, conseguindo antecipar e dar as melhores respostas aos futuros riscos e ao que sejam as principais fontes de insegurança e incerteza dos nossos Clientes, recorrendo aos meios que contribuam para o reforço da proximidade e da relação.

Que projetos estão em mente por parte da Aegon Santander Portugal para realizar a curto/médio prazo?

O reforço da nossa oferta na área da saúde e o alargamento de serviços a Clientes através de canais digitais são algumas das áreas que tínhamos identificado e para as quais temos projetos em curso que queremos concretizar durante este ano.

No entanto, e numa perspetiva mais transversal, não posso deixar de referir que a situação que vivemos atualmente vem reforçar a importância dos seguros como forma de mitigar riscos e de ajudar as famílias e as empresas a fazerem face a situações de especial dificuldade, seja na área da saúde, do equilíbrio financeiro proporcionado pelos seguros de vida, na proteção em caso de desemprego… Na Aegon Santander temo-nos ajustado, acomodando na nossa oferta, garantias e serviços que façam especial sentido para os nossos Clientes nesta fase, e no curto prazo, vamos continuar focados em contribuir com o que sabemos fazer e é o nosso propósito: proteger e cuidar de pessoas, das famílias e do seu património.