Inicio Tags Indústria alimentar

Tag: indústria alimentar

A capacidade de envolver os colaboradores como uma vantagem competitiva

A Cerealto é uma empresa global de alimentos que fabrica produtos com a marca de seus clientes, desde o retalho a empresas alimentares de referência. Como define a estratégia e os fatores que contribuíram para a diferenciação da empresa no mercado?

Alcançamos a diferenciação devido à nossa experiência na fabricação de mais de 10 categorias de produtos à base de cereais, bem como à nossa eficiência e inovação contínua. Para além disso, somos apoiados pelos mais rigorosos sistemas internacionais de controlo de qualidade e segurança alimentar, e temos equipas com um forte conhecimento das tendências mundiais no setor alimentar.

Estes fatores permite-nos construir relações duradouras e de confiança com os nossos clientes, oferecendo-lhes flexibilidade e diferenciação, através da nossa capacidade de inovar e de nos adaptarmos às suas necessidades, com produtos de valor agregado. O nosso principal objetivo é promover relações win-win com todos os nossos clientes, o que significa oferecer produtos da mais alta qualidade ao melhor preço possível.

Atualmente, temos clientes em mais de 40 países, de nossas oito fábricas localizadas na Espanha, Portugal, Itália, Reino Unido e México.

Esforçamo-nos constantemente para criar uma relação de confiança com os nossos clientes.

Que balanço é possível fazer do desempenho da empresa em 2017? E o que é esperado para este ano?

2017 foi um ano positivo para a Cerealto e um ano de crescimento substancial, com algumas das iniciativas do ano passado a começaram a dar frutos. Como resultado disso, encerramos o ano com vendas líquidas de 160 milhões de euros, um aumento de 72% em relação ao alcançado no final de 2016, e com a produção a atingir as 111 mil toneladas, um aumento de 50% em relação ao ano anterior.

Os investimentos brutos superaram os 45 milhões de euros, o que nos permitiu ampliar a nossa capacidade de produção e proceder a melhorias tecnológicas, baseadas na eficiência.

Entre os principais marcos do ano passado, destaca-se a incorporação das fábricas de Antequera e Briviesca (Espanha), pois facilitaram a nossa entrada no mercado espanhol com a nossa própria produção de doces e pão fatiado. Na Itália, após quatro anos de atividade operacional, concluímos a aquisição da fábrica da Pastificio Mediterranea, onde produzimos a nossa gama de massas “Made in Italy” de alta qualidade. Por outro lado, estamos orgulhosos de ter concluído a construção da fábrica de Worksop (no Reino Unido), começando com a produção de biscoitos, barras de cereais e produtos sem glúten.

Como resultado de tudo isso, a nossa força de trabalho cresceu para um total de 1.800, com a incorporação de mais de 900 novos colegas, que incluem os colegas nas novas fábricas e os 365 novos postos criados em 2017.

Finalmente, no ano passado, reforçamos a nossa aposta na inovação. Dobrámos o nosso investimento em I&D, atingindo um valor de 7,5 milhões de euros, o que nos permitiu lançar 175 novos produtos no mercado que cobrem a demanda do consumidor por um estilo de vida saudável, bem como atender às necessidades nutricionais específicas de uma variedade de grupos.

2018 está à frente como um ano cheio de novos desafios, incluindo a consolidação de nossa presença na arena internacional, cumprindo os compromissos previamente adquiridos com os clientes e, claro, continuando a integrar as nossas equipas multiculturais, bem como padronizar a nossas forma de trabalhar.

Este ano vamos criar cerca de 200 novos postos de trabalho, a maioria deles em Sintra (Portugal). Assim, estimamos atingir uma força de trabalho de 2.000 colegas até o final de 2018.

Estou convencida de que, se continuarmos a trabalhar juntos e com a mesma paixão e determinação, sairemos mais fortes do que nunca.

 

 

Rut Aranda é CEO da Cerealto desde 2016, uma empresa com operações em mais de 40 países e com centros de produção próprios em Portugal, Espanha, Itália, Reino Unido, México e Estados Unidos, com um total de 1.800 funcionários. Quais são os principais desafios de uma posição com essa dimensão?

Acredito que os desafios variam de acordo com a natureza da empresa. No caso específico da Cerealto, ser uma empresa emergente implica que, à medida que crescemos, enfrentamos desafios múltiplos e diversos, que são completamente diferentes de um ano para o outro. Em 2017, um dos nossos maiores desafios foi continuar a expandir, garantindo todas as capacidades de produção e as equipas necessárias para cumprir os compromissos que assumimos com os nossos clientes. Além disso, uma vez que a maioria das nossas fábricas foram adquiridas de outras empresas, tivemos que trabalhar arduamente para garantir a integração das equipas multiculturais, com uma cultura corporativa herdada e iniciar a padronização de todos os processos e formas de trabalhar de acordo com as políticas da Cerealto.

Rut Aranda destacou-se em promover a integração de equipes multiculturais e por iniciar a padronização do modo de trabalhar na empresa. É urgente que líderes e gestores de pessoas repensem a gestão do capital humano?

Acredito que a gestão do capital humano deve ser orientada de forma a garantir o alinhamento dos negócios e de forma a promover o envolvimento dos funcionários.

A capacidade de envolver as pessoas está a tornar-se uma das maiores vantagens competitivas nas organizações de hoje, por isso é preciso reconsiderar a estratégia de negócios. Não é segredo que colaboradores envolvidos estão mais inclinados à inovação e são muito mais produtivos no caminho de alcançar as metas de negócios.

No entanto, qualquer pessoa que tenha ou tenha ocupado uma posição de gestão ou de liderança sabe que chegar lá não é tão fácil quanto parece. É um processo muito lento e que, às vezes, pode até ser frustrante. Exige um exercício constante de transparência e conceber a gestão como um serviço que prestamos aos outros.

Na Cerealto, o envolvimento dos funcionários tem sido um desafio real e estamos a trabalhar arduamente para conseguir o conseguir. Em 2017 reforçamos a comunicação por meio da digitalização, fornecemos formação para as novas fábricas e promovemos espaços para a imersão cultural dos novos colegas. Promovemos, ainda, diversas atividades para beneficiar as famílias dos nossos colegas, pois sabemos que isso é relevante para o nosso pessoal.

43% da sua equipa é constituída por mulheres. Além disso, 60% dos diretores também são mulheres. É uma estratégia ou um sinal de mudança de paradigma?

Diria que é uma forte evidência de que acreditamos verdadeiramente na geração de oportunidades iguais para todos. Na Cerealto, concentramo-nos no talento, conhecimento e habilidades dos nossos colegas, independentemente do sexo, raça, idade, orientação sexual, ideologia política ou religiosa. Saber que a pessoa será boa para o trabalho é o único fator crítico que levamos em consideração ao contratar e atribuir responsabilidades.

Além disso, na Cerealto estamos comprometidos com a integração de pessoas condicionadas para trabalhar. Até o momento, 6,5% de toda a nossa força de trabalho vem desses grupos.

EMPRESAS