Inicio Tags Blockchain

Tag: Blockchain

Portugal debate viagem digital

As empresas Amazon Portugal, Deloitte, Havas Creative, IBM, Microsoft Portugal, PACSIS e Sonae MC vão marcar presença no painel de oradores convidados.

A inscrição no evento tem um custo de 50€ para Associados GS1 Portugal e 95€ para Não Associados, sendo de carácter gratuito para Estudantes e Associações.

Informações adicionais em: http://www.gs1pt.org/events/iv-forum-digital-engagement/

As empresas Amazon Portugal, Deloitte, Havas Creative, IBM, Microsoft Portugal, PACSIS e Sonae MC vão marcar presença no painel de oradores convidados.

A inscrição no evento tem um custo de 50€ para Associados GS1 Portugal e 95€ para Não Associados, sendo de carácter gratuito para Estudantes e Associações.

Informações adicionais em: http://www.gs1pt.org/events/iv-forum-digital-engagement/

Data Science: Qual é o seu papel na economia?

É Cofundador e Vice-Presidente da Data Science Portuguese Association (DSPA), a primeira do género no território nacional. Qual é a missão da DSPA?

A DSPA é uma associação privada sem fins lucrativos, fundada por pessoas ligadas a variados setores de atividade, públicos e privados, que tem como missão o fomento do recurso à Data Science para a construção de um mundo melhor. A DSPA quer ser o veículo para a cooperação nacional e internacional entre agentes do setor, com vista ao seu desenvolvimento nas vertentes económica, de investigação, de divulgação e de desenvolvimento de competências.

A DSPA pretende representar a criticidade e o impacto crescentes deste setor no mundo pessoal e empresarial. A verdade é que Data Science ou Ciência de Dados é uma área que já existe há mais de 30 anos. Qual é, portanto, o impacto deste setor nos dias de hoje?

A Data Science é importante porque permite reduzir custos e aumentar receitas, mas, para ser eficaz, necessita da congregação de evoluções tecnológicas, científicas, e económicas, que, não sendo novas, somente agora atingiram uma maturidade profícua.

Em primeiro lugar, o desenvolvimento tecnológico originou computadores velozes capazes de tratar grandes quantidades de dados em tempo oportuno. Em segundo lugar, o desenvolvimento científico deu-nos novos algoritmos para tratar esses dados. Por último, os dados – matéria prima para os algoritmos e computadores -, são hoje ubíquos na economia dada a crescente transformação digital verificada nas organizações. Estão assim criadas as condições para que a Data Science assuma um papel cada vez mais relevante no desenvolvimento económico sustentado.

É, ainda, autor do primeiro livro português sobre Blockchain, “Introdução à Blockchain”. Os negócios podem estar à beira de uma mudança fundamental e radical graças a esta nova tecnologia, a blockchain?

Sim. Quando uma tecnologia reduz substancialmente o preço de algo importante para um conjunto significativo de consumidores, essa tecnologia prevalece sobre as outras propostas, entrando, estas últimas, primeiro em crise de competitividade e, por último, porventura desaparecendo. A Google fez descer significativamente o preço da pesquisa e isso fez desaparecer serviços alternativos como as Yellow Pages. A tecnologia digital permitiu reduzir substancialmente o preço de produção de fotografias dizimando toda uma indústria baseada na alternativa química. Lembremo-nos do que sucedeu à Kodak. A Blockchain ainda não está suficientemente amadurecida, mas existe uma probabilidade grande de no futuro ela permitir reduzir significativamente o preço da confiança, das transações e da automação das relações contratuais. A acontecer, os negócios atuais baseados em propostas alternativas entrarão em crise de competitividade.

Afinal, o que é tecnologia Blockchain e que importância assume?

É uma resposta tecnológica nova a um problema antigo, o de como conseguir gerar confiança suficiente entre duas entidades para que estas possam realizar trocas de forma pacífica, nomeadamente, trocas de valor.

Reduzindo custos, a Blockchain poderá no futuro prevalecer sobre as alternativas atuais, colocando em crise os atuais modelos de negócio nelas baseados. Baseando-se num modo de relacionamento descentralizado, fará uma enorme pressão para a mudança das estruturas das redes económicas atuais no sentido da desintermediação.

A necessidade de basear a tomada de decisão na análise de dados é crescente face ao aumento exponencial de dados ao dispor das empresas. É aqui que entra o Business Analytics. De que se trata?

O Business Analytics corresponde à aplicação de técnicas avançadas de análise de dados sobre conjuntos de dados captados no interior e exterior duma organização tendo em vista o incremento da eficácia e eficiência dessa organização. Por exemplo, para reter clientes e captar novos, para incrementar vendas e reduzir custos, para desenhar novos produtos e serviços, ou para melhorar a experiência de utilização.

Qual é a diferença entre Business Intelligence e Business Analytics?

É usual encontrarmos as seguintes subcategorias de Analytics: a Descriptive e Diagnostic Analytics, que nos dá uma visão descritiva do que ocorreu e porque ocorreu; a Predictive Analytics, que nos dá previsões sobre o que poderá ocorrer; e a Prescriptive Analytics, que nos dá recomendações de atuação. É usual chamar-se Business Intelligence à primeira e Busines Analytics ou Advanced Analytics às duas últimas. Assim, o Business Intelligence está orientado à explicação do passado e o Business Analytics à previsão e atuação no futuro.

Inovações portuguesas podem alterar o mercado energético

A utilização de energias renováveis tem tido um crescimento elevado nos últimos anos. No entanto, este crescimento tem-se centralizado em centros produtores como parques eólicos, barragens hidroelétricas e, residualmente, em parques com painéis solares.

Através da utilização da tecnologia Blockchain e de smart contracts o desafio promovido pela REN passa pela criação de uma plataforma para a negociação da compra e venda de energia onde os micro e/ou mini-produtores possam ter uma fonte de rendimento adicional e os consumidores a opção de escolher o fornecedor mais barato.

Entre as propostas que passaram à próxima fase incluem-se soluções para uma plataforma de negociação da compra e venda de energia e pequenas redes que permitem um mercado aberto peer-to-peer entre residentes da mesma cidade ou área de residência,

“Ficou patente que os estudantes e empresários portugueses estão desde cedo a apostar em Blockchain e a desenvolver soluções que, sem esta tecnologia, seriam impossíveis de fazer”, explica Rui Serapicos da Aliança Portuguesa de Blockchain. “O desafio lançado pela REN abre portas para algo que nunca foi visto em Portugal, a compra e venda de energia diretamente aos micro e mini-produtores. Em breve, de acordo com as soluções apresentadas pelas equipas proponentes, isto poderá ser uma realidade no nosso país”.

Sobre Blockchain

O Blockchain é uma maneira notavelmente transparente e descentralizada de registar listas de transações. A forma como as transações baseadas em Blockchain criam registos públicos rápidos, baratos e seguros, que podem ser usados para muitas tarefas de cariz financeiro e não-financeiro, como o voto eletrónico ou provar a existência de um documento num dado momento. 

O Blockchain é particularmente adequado para situações em que é necessário conhecer e rastrear um registo de propriedade de um determinado ativo. Também pode ajudar a resolver o problema da pirataria de ativos digitais, ao mesmo tempo que os medias digitais podem legitimar, vender, herdar e entregar livros em segunda mão, vinil, entre outros. Este paradigma emergente também apresenta oportunidades em todos os tipos de serviços públicos, como pagamentos de saúde e bem-estar.

Sobre a Aliança Portuguesa de Blockchain

A Aliança Portuguesa de Blockchain (all2bc.com), promovida pela CIONET Portugal, tem como principal objetivo o desenvolvimento de um ecossistema que reúne empresas, academia e entidades governamentais portuguesas de forma a dotar o sistema empresarial de conhecimentos sólidos sobre Blockchain.

Esta Aliança pretende que todos os intervenientes da economia portuguesa estejam o mais bem preparados possível para a revolução que esta tecnologia implicará em grande parte dos setores económicos. Em paralelo, a Aliança tem como objetivo incentivar o desenvolvimento de soluções baseadas em Blockchain de origem nacional.

Entre as entidades envolvidas nesta Aliança estão a Abreu Advogados, AICEP, AMA, Associação Portuguesa de Seguradores, BCSD Portugal, Católica Lisbon School of Business & Economics, CIONET, EMEL, Escola de Economia e Gestão da Universidade do Minho, Escola de Engenharia da Universidade do Minho, Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Fidelidade, IAPMEI, IBM, ISEG – Lisbon School of Economics & Management, Israeli Blockchain Association, IP Telecom, Nordic Blockchain Association, PME Investimentos, Porto Business School, REN, Universidade Lusófona e Vodafone.

EMPRESAS