• next generation event
Inicio Tags Livraria Lello

Tag: Livraria Lello

Maria João Lopo de Carvalho apresenta este sábado, na Livraria Lello, o livro “O fado da Severa”

“O Fado da Severa” é o quarto romance histórico de Maria João Lopo de Carvalho, que conta com mais de setenta títulos editados, entre romances, livros de crónicas, manuais escolares e livros infanto-juvenis.

Neste romance histórico, cruzam-se dois mundos quando a noite cai. O dos marujos, dos rufiões, das mulheres de má vida e a dos filhos enjeitados da cidade, que juntos mergulham no mundo sórdido e apaixonante onde se canta e bate o fado. E ninguém o faz melhor do que Severa, filha de cigano e de meretriz.

Esta história é de Severa e do Conde de Vimioso e é esse o amor proibido que Maria João Lopo de Carvalho tão bem evoca, num tom que nos remete para uma Lisboa feroz e verdadeira.

Uma história onde brilham sempre a luz e as sombras dessa Lisboa e o indomável espírito de Severa: a cigana que inventou o fado, a mulher que vendeu o corpo – mas que nunca vendeu a alma.

A entrada é livre, limitada ao espaço existente.

 

Mafalda Veiga em concerto falado na Livraria Lello

Na próxima sexta-feira, dia 15 de fevereiro às 21h30, a Livraria Lello apresenta Mafalda Veiga, em concerto falado.

O momento contará com a presença de João Gesta para apresentar o livro de canções da autora intitulado

“E arrumei as gavetas E cuidei do meu jardim”, com exposição de imagens inéditas de Ana Vidigal e leituras de Filipa Leal e Pedro Lamares.

Nesta conversa por entre canções, iremos explorar histórias da criação literária e musical, num momento único de partilha entre os artistas e o público, na Livraria Lello.

Livraria Lello, 15 de fevereiro 2019 às 21h30

Duração aprox. 1h30

Entrada livre (limitada à capacidade do espaço)

Mafalda Veiga estará disponível para entrevistas.

A Livraria Lello celebra 113 anos, do Porto para o Mundo.

Livraria Lello

Para nós 13 é dia de sorte. Foi neste dia que, logo no primeiro mês do ano de 1906, há 113 anos, abrimos as portas para chegar ao futuro. É esse futuro que comemoramos em cada aniversário. Fazemo-lo através da melhor forma que conhecemos, celebrando os Livros e a Leitura; os Autores e os Leitores.  E celebrando também duas causas que nos acompanharam durante todo o ano de 2018: o Fado como “coisa do Porto” e a Língua Gestual Portuguesa como “coisa” de todos nós.

A partir das 12h00, e até às 19h de domingo, dia 13 de janeiro, estaremos juntos, de portas abertas e de acesso livre, à volta de dois Livros que são dois tesouros. Um que nos conta epopeias vividas e nos lembra a inveja sobrevivente; e outro que nos diz aventuras imaginadas para nos recordar como sonhar o que se vive é o supremo ato de liberdade.

As montras da Livraria Lello ganharão vida para, a partir delas e em todo o interior da Livraria Lello, homenagearmos o universo do nosso poeta nacional, Camões; e o do herói internacional que partilhamos com todo o planeta, Harry Potter.

Como as letras não se esgotam nos livros, partilharemos com os primeiros leitores que nos visitem neste dia (a partir das 12h00), 1906 fac-símiles  da primeira Gazeta portuguesa, a chamada Gazeta da Restauração (1641), homenageando assim todos os homens de letras que são os jornalistas e os indispensáveis livros do quotidiano que são os jornais, que vivem hoje, uns e outros, um delicado momento de reconfiguração da sua missão original: contarem-nos o mundo que vivemos para que nele possamos viver de facto.

LIVRARIA LELLO, UMA LIVRARIA DE CAUSAS 

A Livraria Lello abraçou durante o ano de 2018 e continuará a abraçar durante 2019 uma série de causas, das quais se destacam Os Lusíadas, a Língua Gestual Portuguesa e o Fado.

Às 16h00, no primeiro andar da Livraria, será inaugurada a exposição A Severa que vocês nunca viram – instantâneos em torno do primeiro fonofilme português: “A Severa”. Com curadoria científica da Universidade de Aveiro e no âmbito da qual estarão expostos alguns dos primeiros fonogramas gravados em Portugal e será exibido, numa colaboração com a Cinemateca Portuguesa, o primeiro fonofilme produzido no nosso país, A Severa (1930).

Pelas 16h30 inicia-se uma conversa aberta em torno do tema O Porto, o Fado e outras Músicas, promovida pela Universidade de Aveiro com três convidados –  José Moças, Maria do Rosário Pestana e Rui Vieira Nery, com moderação de Jorge Castro Ribeiro.

Às 18h00, e ainda subordinado ao tema Livraria Lello, uma Livraria de Causas, a institucionalização da Língua Gestual Portuguesa como Língua Curricular por Gilda Nunes Barata e José Saraiva, e Os Lusíadas por Maria João Lopo de Carvalho.

Para encerrar as celebrações dos 113 anos da Livraria Lello, às 18h30 a fadista Patrícia Costa vem cantar o Fado da Livraria Lello, um poema criado pela poeta Maria do Rosário Pedreira, e outras músicas do Porto, acompanhada pelos seus músicos Pedro Martins, na guitarra portuguesa, João Moutinho na viola de fado, e Luís Lumini no baixo.

Celebramos esta festa na nossa cidade de sempre, o Porto. Cidade livreira, cidade cultural e cidade turística distinguida pela autenticidade. Se há um visível e reconhecido amor da cidade do Porto pela cultura, esse amor realiza-se no Património e na Literatura desde há muito, o Porto é, e bem, visto como uma cidade literária, através dos seus jornais, tertúlias, autores, editoras, leitores e livrarias.

Precisamente no núcleo histórico da cidade do Porto mora um ícone que se conseguiu partilhar a todo o mundo como tesouro da cidade, que vive, expande e multiplica este amor da cidade pela Literatura: ele dá, há quase 113 anos, pelo nome de Livraria Lello e está pujante como nunca esteve, recebendo diariamente milhares de leitores, sendo a livraria que mais vende e exporta literatura portuguesa em língua estrangeira e tendo um vasto programa cultural quase diário que edifica a sua vocação de livraria de todos os leitores e de livraria dos melhores autores.

O crescente fluxo turístico na cidade não nos afastou da nossa verdadeira essência: fazer dos turistas leitores, ser uma embaixadora da cultura com projeção em todo o globo e um porta estandarte orgulhoso da identidade portuguesa.

Somos, muitos dizem e nós naturalmente concordamos, um templo às Letras e às Artes da cidade e do mundo, um espaço de saber e do livro. Nascemos para ser livraria e assim nos mantemos, fiéis à identidade que vivemos desde 1906, a mesmíssima identidade que nos guiará nos próximos 113 anos.

Dia Mundial do Fado celebra-se no Porto, na Livraria Lello

No Dia Mundial do Fado, a Livraria Lello celebra a mais emblemática e reconhecida expressão musical portuguesa, com uma proposta original e irrepetível.

O Fado tem com o Porto uma ligação ímpar. São marcos históricos o nascimento da Guitarra Portuguesa, a edição do primeiro Método de Guitarra Portuguesa ou as primeiras gravações de Fado em Portugal. Também algumas das maiores figuras deste género musical são oriundas da Invicta, tais como Joaquim Pimentel, Tony de Matos, José Fontes Rocha ou Beatriz da Conceição. E finalmente, grandes nomes portuenses da literatura escreveram para o Fado ou foram cantados por fadistas: Pedro Homem de Mello, Sophia de Mello Breyner Andresen e Vasco Graça Moura, para citar apenas alguns.

Neste concerto, o objetivo é não só (re)descobrir estes protagonistas e seus legados, mas também pôr em evidência a inquietação e criatividade que resistem matricialmente nos artistas do Fado no Porto.

É desta forma arrojada, “à moda do Porto”, que a Livraria Lello – lugar de liberdade e expansão cultural e símbolo do espírito da gente da cidade do Porto, resistente e dinâmico – entende comemorar o Fado, música de liberdade, resistência e subversão.

Ao evento deverão associar-se Tunas Académicas de todo o país que cantarão o Fado da Livraria Lello. O evento conta com o apoio da Super Bock, que presenteará as tunas presentes com um prémio especial.

Livraria Lello, 27 Novembro 2018, 21:30

Duração aprox. 1h30

Entrada livre (limitada à capacidade do espaço)

Livraria Lello apresenta o melhor da tradição portuguesa com a coleção Rituais com Máscara

No dia de 17 de Novembro, e a partir das 15h00 será possível assistir à enérgica e calorosa apresentação dos Pauliteiros de Miranda do Douro e ainda de dois grupos de Máscaras de Mogadouro.

A coleção “Rituais com Máscara” pretende dar a conhecer as práticas festivas que envolvem o uso da máscara, valorizando costumes e reconhecendo ritos ancestrais como parte da génese das regiões e identidade das populações.

Ainda durante a tarde de Sábado, a Livraria Lello e os seus leitores terão a oportunidade de conhecer as práticas festivas das regiões de Miranda do Douro e de Mogadouro num debate, que começa às 17h00, sobre as várias características e rituais retratados nos livros.

Contaremos com a presença dos autores Antero Neto, Alfredo Cameirão e Mário Correia, não podendo deixar de mencionar a presença dos Presidentes da Câmara das duas regiões.

Livraria Lello acolhe instalação artística com 400 bustos de rostos da cidade do Porto

A instalação, cujas esculturas foram levadas a cabo por Ester Monteiro, retrata em bustos de barro “anónimos e figuras conhecidas do Porto”, numa celebração da cidade “através dos rostos de quem a faz, de quem a habita e a representa”, explicou o Bairro dos Livros, que assumiu a responsabilidade artística do projeto, em comunicado.

Patente a partir das 10:00 de sábado, dia de aniversário para o qual está prevista a visita do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes, “O Rosto do Porto” conta com quatro centenas de retratos feitos entre novembro de 2017 e os primeiros dias de 2018.

A instalação reflete um trabalho de “cerca de 300 horas dedicadas à modelação dos bustos”, realizada na própria Lello ou em vários estabelecimentos comerciais da cidade, como o Mercado do Bolhão.

Entre as figuras retratadas estão nomes como o autor Richard Zimler, o cineasta João Botelho, o arquiteto Siza Vieira e o encenador Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional São João, além do deputado do PS Alexandre Quintanilha e o médico e investigador Manuel Sobrinho Simões, diretor do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup).

Entre os anónimos, destacam-se os artistas urbanos Hazul, Mr. Dheo e Godmess, cuja identidade é desconhecida, mas também outras personalidade da cidade, como “Manel do Laço, o Sr. Alcino Sousa, do Bolhão, e a D. Hermínia, da clássica Taberna de Santo António”.

As crianças também fazem parte das 400 caras portuenses, depois de uma visita ao Colégio Nossa Sr.ª da Esperança. Os bustos vão ficar instalados “nos nichos do piso superior da livraria”, recuperados no âmbito do restauro que o estabelecimento tem atravessado nos últimos dois anos.

Segundo a administração da livraria portuense, composta por Aurora Pedro Pinto e José Manuel Lello, citada em comunicado, o projeto faz parte do esforço de celebração do património “material e imaterial” da Lello, através de um “recurso artístico que preserva para o futuro a memória das grandes figuras e personalidades de uma cidade”.

LUSA

Livraria Lello fechada para remodelação do interior

A livraria Lello tem efetuado obras dentro das instalações “quase exclusivamente em horário noturno”, de modo a manter portas abertas durante o dia, mas trabalhos específicos de recuperação dos soalhos do rés-do-chão e do primeiro andar impõem que se vede o acesso ao público durante os dois dias.

“O desgaste provocado pelos 111 anos de existência da livraria e pelos milhares de visitantes que recebe diariamente, justifica plenamente esta intervenção de conservação e restauro”, sublinha a Lello num comunicado em que se alude aos trabalhos em curso como sendo de “extrema complexidade”.

A funcionar num edifício neogótico classificado como Monumento de Interesse Público, a Lello reclama ter recebido mais de um milhão de visitantes “só em 2016”. É considerada uma das mais belas livrarias do mundo por vários órgãos da imprensa internacional – como o jornal The Guardian, que a elevou, em 2008, à terceira mais bela do mundo, ou a estação televisiva CNN, em 2014, que a considerou a mais linda do mundo.

As “profundas obras de conservação e restauro” do interior do edifício incluem a recuperação completa de madeiras e estuques, a reformulação da instalação elétrica e da iluminação, bem como a instalação de um novo sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado.

Estas obras, assinala a Lello, seguem-se a uma primeira fase do restauro, terminada em julho do ano passado, que incidiu na reabilitação da cobertura, no restauro da fachada e do vitral de grandes dimensões.

“A reabilitação da cobertura veio pôr cobro a infiltrações, melhorando a sua estanquidade, comportamento térmico e de ventilação. O restauro da fachada visou devolver as cores originais, especialmente às das duas figuras femininas da autoria de José Bielman e das letras ‘Lello e Irmão'”, nota o comunicado.

“Apesar de estas não serem as primeiras obras de conservação do edifício da Livraria Lello são, sem dúvida, as mais profundas e que se pautam por um extremo rigor técnico e científico, sendo acompanhadas por técnicos da Direção-Geral do Património Cultural”, afirmam os responsáveis pela livraria.

111 anos de Livraria Lello

A Livraria Lello, no Porto, comemora esta sexta-feira o seu 111º aniversário, mas quem recebe as prendas são os clientes e visitantes daquela que já foi considerada a livraria mais bonita do mundo.

Hoje a entrada será gratuita para todos os visitantes e os primeiros 111 a chegar à loja receberão um exemplar do livro infantil “Na livraria mais bonita do mundo”, uma edição própria da Lello.

No ano que findou, a livraria centenária do Porto vendeu mais de 357 mil livros, cinco vezes mais do que em 2015. Celebra igualmente um milhão de visitantes em 2016.

No âmbito do seu aniversário, a rapper Capicua apresenta, esta sexta-feira, temas do projeto “Mão Verde”, um livro/disco feito em conjunto com Pedro Geraldes.

Sem Título

As portas estão abertas desde as 10h e as surpresas não ficam por aqui. Haverá também, às 11h30, a inauguração das montras temáticas de 2017, a cargo da dupla Storytailors, com vestidos inspirados na azulejaria e porcelana portuguesas, em exposição até 28 de fevereiro.

Em 2017 e já com 111 anos, a livraria vai levar a cabo o projeto das montras temáticas. Durante cada mês, artistas e personalidades terão a oportunidade de dar uma nova cara à Lello. Ainda na maré das novidades, José Manuel Lello afirma que acontecerão obras de restauro no interior da livraria. Uma das salas de escritório será modificada e dará lugar a uma zona de livros raros, aberta ao público.

Dois atores de Harry Potter vão ao Porto lançar o novo livro

Os atores que personificam Severo Snape e Rúbeo Hagrid estarão presentes na noite de 30 de julho no lançamento mundial do novo livro da série Harry Potter, na Livrara Lello no Porto, juntamente com fãs de vários países.

Segundo o Jornal de Notícias, “o ator que veste a pele de Rúbeo Hagrid é o inglês de 66 anos Robbie Coltrane. Quanto à personagem de Severo Snape, outro ator será escolhido uma vez que Alan Rickman, morreu em janeiro com 69 anos”

“O evento está a ser viral e estamos com imensos subscritores de todo o país bem como também do estrangeiro”, informou hoje à Agência Lusa Mariana Peres.

A Livraria Lello encontra-se ainda a organizar uma festa com “personagens da saga, poções mágicas, bebidas, fotografias com as personagens e muitas outras surpresas a animar os novos e velhos ‘potterheads’ [fãs] que estiverem na fila”, a partir das 22:00 do dia 30 de julho, disse Mariana Peres

A livraria lançou ainda o desafio ao público para que levem “o melhor figurino Harry Potter para a festa na livraria que inspirou J.K.R. a escrever uma das melhores sagas de ficção de sempre”.

O evento criado pela Livraria Lello, na página do Facebook, conta já com mais de cinco mil subscritores, e o dia do lançamento não foi escolhido ao acaso, visto que 31 de julho é a data de aniversário da autora Joanne Kathleen Rowling e da personagem Harry Potter.

O livro, desenvolvido por J. K. Rowling, Jack Thorne e John Tiffany, é oficialmente a oitava história da série e irá retratar os 19 anos que se seguiram após o final de HarryPotter e os Talismãs da Morte – Parte 2.

A história já foi apresentada numa peça de teatro nos palcos de West End, em Londres, cujo guião foi agora transposto para o papel em versão livro.

Um dos protagonistas da história é Albus Severus Potter, filho do famoso Harry Potter e de Ginny Weasley.

O livro centra-se no primeiro ano de Albus em Hogwarts, em que é constantemente confrontado com o seu legado familiar.

“Perigosamente, passado e presente confundem-se e pai e filho terão que lidar com a desconfortável verdade: por vezes, a escuridão vem de lugares inesperados”, pode ler-se no site oficial Pottermore.

A cidade do Porto já havia inspirado a autora da saga, que em 1991 viajou para a cidade do Porto, onde viveu durante cerca de três anos e escreveu os primeiros rascunhos do livro “Harry Potter e a Pedra Filosofal”, que viria a ser lançado em 1997.

Vários órgãos de comunicação social especializada têm avançado que a autora se inspirou em vários aspetos da cidade como as escadas da Livraria Lello, os trajes académicos e o Café Majestic.

J. K. Rowling é a autora da série Harry Potter, com sete livros publicados entre 1997 e 2007, estreando-se agora o oitavo em 2016, que venderam mais de 450 milhões de exemplares em todo o mundo, em mais de 200 países, traduzidos para 74 línguas e que deram origem a oito grandes produções cinematográficas.

EMPRESAS