Inicio Tags Migrantes

Tag: migrantes

Polícia Marítima portuguesa resgata 34 migrantes no mar Egeu

Os migrantes estavam num bote de borracha, que navegava condicionado pela falta de visibilidade, de acordo com a Marinha

“O bote, no qual seguiam 12 crianças, das quais um bebé, oito mulheres e 13 homens, foi detetado pela Viatura de Vigilância Costeira (VVC) da Polícia Marítima, que passou de imediato as coordenadas para a equipa em patrulha no mar”, adiantou a Marinha.

A Polícia Marítima “resgatou todos os migrantes, transferindo-os em segurança para bordo da sua embarcação, onde forma transportados para o porto de Skala Skamineas”.

Integrada na operação POSEIDON 2017/2018, a Polícia Marítima “já detetou e retirou a salvo das águas do Mar Egeu 1.042 migrantes de diferentes nacionalidades que, neste fluxo migratório irregular e arriscado por via marítima, tentam entrar na Europa numa travessia entre a Costa da Turquia e da Grécia”.

A Polícia Marítima encontra-se integrada na operação POSEIDON, sob égide da agência europeia FRONTEX e em apoio à guarda-costeira grega, com o objetivo de controlar e vigiar as fronteiras marítimas gregas e externas da União Europeia, no combate ao crime transfronteiriço, no âmbito das funções de guarda-costeira europeia.

LUSA

Número de migrantes já atingiu os 258 milhões

No documento especifica-se que a percentagem de pessoas que são migrantes aumentou de 2,8% em 2000, para 3,4% este ano.

Porém, estas mesmas percentagens relativas aos migrantes que vivem em países de alto rendimento sobem para 9,6% em 2000 e 14,0% em 2017.

O sub secretário-geral para os Assuntos Económicos e Sociais, Liu Zhenmin, afirmou que “a informação de confiança é crítica para combater visões erradas sobre as migrações e basear as políticas de migração”.

Espanha pode ultrapassar a Grécia nas chegadas de migrantes por mar

Dezenas de migrantes desembarcaram na quarta-feira, numa praia repleta de turistas próxima de Cádiz, Espanha.

O número de migrantes que se dirigem para Espanha por mar, utilizando diversos meios, poderá ultrapassar em 2017 as chegadas à Grécia, previu a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

No mesmo dia, 12 outros migrantes entraram com motas de água nas águas territoriais do enclave espanhol de Ceuta, em Marrocos, e um deles afogou-se antes de atingir a praia, indicou a prefeitura de Ceuta.

“Não se falava muito de Espanha, mas este ano é um dos casos”, declarou à agência noticiosa France-Presse (AFP) Joel Millman, porta-voz da OIM, uma agência da ONU com sede em Genebra.

O grosso do fluxo migratório continua a passar pela Itália, mas “a Espanha poderá ultrapassar a Grécia este ano”, acrescentou.

Segundo os números da OIM, 8.183 migrantes desembarcaram em Espanha até 06 de agosto, três vezes mais que os cerca de 2.500 registados em 2016 na mesma época. Em 06 de agosto, tinham chegado por mar à Grécia 11.713 pessoas.

Desde o início de 2016 morreram 120 migrantes ao tentar a travessia em direção a Espanha, contra 128 para o conjunto de 2016, ainda segundo a organização internacional.

Muitos destes migrantes são provenientes da África Ocidental com “uma parte deste fluxo a passar por Marrocos”, e quando na Líbia, entregue às milícias, prevalece uma situação de grande insegurança.

“Supomos que a rota que se prolonga pela costa em direção a Marrocos é considerada como mais segura”, acrescentou o porta-voz da OIM.

Cerca de 1000 imigrantes tentaram novo assalto na fronteira de Ceuta com Marrocos

A tentativa de assalto massivo aconteceu apenas 24 horas depois de cerca de 300 imigrantes subsarianos terem tentado passar o posto fronteiriço de Tarajal, em Ceuta, a correr, sem que os agentes das forças de segurança tenham conseguido evitar a passagem de um total de 187 imigrantes.

Hoje, porém, a Guarda Civil espanhola estava alertada para esta nova tentativa e estava articulada com as autoridades marroquinas, cuja atuação contundente conseguiu que apenas umas três centenas de imigrantes alcançassem a vala fronteiriça, onde foram travados pelo corpo especial da Guarda Civil espanhola.

De acordo com fontes da Guarda Civil à agência de noticias espanhola Efe, o grupo numeroso de subsarianos atuou com uma violência extrema, com lançamentos de pedras, lanças improvisadas, paus e objetos contundentes, o que causou ferimentos em três agentes da autoridade espanhóis e em uma dezena de agentes marroquinos.

Há cerca de uma semana, depois de não se terem registado assaltos desde fevereiro, um total de 73 migrantes conseguiu entrar em território espanhol, tendo as autoridades marroquinas e espanholas conseguido travar um grupo mais numerosos de pelo menos 300.

LUSA

Número de mortos na fronteira entre México e EUA aumentou

Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), de janeiro a julho de 2017 foi registada a morte de 232 migrantes naquela fronteira.

No mesmo período do ano anterior, o número de mortos ascendeu a 204, de acordo com dados do Projeto Imigrantes Desaparecidos (MMP na sigla em inglês) do Centro de Dados Global sobre migrantes da OIM.

Julho foi o pior mês dos últimos sete, com 50 mortes.

Os números são preocupantes, segundo a OIM, tendo em conta que as autoridades fronteiriças norte-americanas indicam serem menos os migrantes que atravessam a fronteira e ainda assim o número de mortes aumentou.

De janeiro a julho de 2017, as patrulhas fronteiriças detiveram 140.024 migrantes, metade dos registados durante os primeiros seis meses de 2016.

Desde 2014, o MPP registou mais de 1.250 mortes na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

Desde janeiro mais de cem mil pessoas atravessaram o Mediterrâneo

Daquele total, mais de 85.000 deslocaram-se para a Itália e perto de 9.300 para a Grécia, segundo os últimos dados divulgados pela OIM. Além destes, perto de 6.500 chegaram a Espanha.

Migrantes abandonados no deserto estão desaparecidos

A OIM adiantou que o alerta foi lançado por um grupo de 24 migrantes, provenientes da Nigéria, do Senegal e da Costa do Marfim, que sobreviveu a tempestades de areia.

No total, o grupo de migrantes era composto por 75 pessoas.

A OIM vai transferi-los ainda hoje para o centro de acolhimento de Dirkou, depois de antes os ter levado para Seguedine, onde um dos sobreviventes acabou por morrer.

Mais de 600 migrantes foram salvos pela OIM desde abril de 2016 no Níger, a principal rota para migrantes da África Ocidental em direção à Europa.

Aprovado programa que visa regresso de refugiados a casa

A Alemanha recebeu 900 mil pedidos de asilo em 2015 e nos próximos três anos,  vai disponibilizar 50 milhões de euros anuais para este programa, que se destina tanto a requerentes de asilo que não têm resposta positiva ao seu pedido como a outros migrantes que querem voltar ao seu país, anunciou o ministro do Desenvolvimento, Gerd Müller, numa entrevista ao jornal Augsburger Allgemeine.

Poderão aceder ao programa iraquianos, afegãos e originários dos Balcãs e o objetivo é dar-lhes a oportunidade de “um novo começo” nos seus países, disse o ministro.

“Podemos oferecer-lhes educação, formação profissional, emprego e benefícios sociais”, acrescentou.

 

Migrante causa pânico em voo: “Vamos morrer”

O incidente, que aconteceu a 23 de agosto, foi conhecido depois de um registo de áudio, publicado pelo jornal “Daily Mail”, dar conta de que o homem, um migrante que estava a ser deportado, gritava incessantemente: “Hoje, nós vamos morrer”.

O homem esteve durante as duas horas de voo aos gritos a dizer que todos iam morrer e a perguntar, “Porque não me ajudam?”.

De acordo com o jornal, os passageiros do voo pensaram que poderia ocorrer um ataque terrorista durante a viagem e as crianças desataram a chorar, depois de ouvirem os gritos do homem.

A tripulação terá pedido aos passageiros para apagarem os vídeos e as gravações realizadas sobre o incidente, mas não deu qualquer explicação para o sucedido a todos os que seguiam a bordo do voo da companhia aérea EasyJet.

O facto de os Assuntos Internos britânicos utilizarem rotas comerciais para a realização de deportações de migrantes está agora a causar polémica.

O homem, que seguia no voo algemado, será um migrante, que viveu durante um ano no Reino Unido, à procura de asilo. Como não conseguiu aprovação para permanecer no país foi deportado.

 

Número de migrantes mortos em todo o mundo ultrapassa já os 4.000

O número de migrantes mortos em todo o mundo ultrapassa já os 4 mil nos primeiros setes meses do ano, mais 26% do que em igual período em 2015, indicou esta terça-feira a Organização Internacional para a Migração (OIM).

O total de 4.027 mortes entre 1 de janeiro e 31 de julho últimos inclui as pessoas que tentaram a travessia do Mediterrâneo, assim como aquelas que morreram nas rotas do norte de África e na fronteira entre a Síria e a Turquia, especificou a organização com sede em Genebra, na Suíça.

Mais de 3.100 pessoas morreram no Mediterrâneo desde o início de janeiro deste ano. Nesta travessia, a rota mais mortífera foi a da passagem para Itália, que custou 2.692 vidas, seguida das rotas com destino à Grécia (383 mortes) e Espanha (45).

A OIM atualizou esta terça-feira o número de mortes, depois de mais 33 corpos terem sido resgatados nos últimos dias ao largo da costa líbia, junto à cidade de Sabratha, onde 120 corpos foram trazidos pelo mar nos últimos 10 dias.

Nem a OIM nem a guarda costeira líbia avançaram pormenores sobre se as mortes resultaram do afundamento de uma ou mais embarcações.

Joel Millman, porta-voz da OIM, indicou que as pessoas mortas estariam a tentar a travessia do Mediterrâneo em direção a Itália.

A seguir ao Mediterrâneo, o norte de África tem sido o palco do maior número de mortes este ano (342). Muitos migrantes em deslocação pelas estradas da região têm sido mortos por traficantes ou pelas “autoridades nacionais”, indicou a OIM, alertando para o aumento das mortes violentas nesta rota.

O número de mortes resultantes de ataques a migrantes e refugiados sírios em trânsito em direção à Turquia também aumentou.

A OIM diz que 64 sírios em busca de asilo foram mortos por guardas fronteiriços turcos desde o início do ano.

EMPRESAS