Inicio Tags Porto

Tag: Porto

Qual é o melhor mundo que conseguimos imaginar?

O tema escolhido é o Imaginar, como convite a utilizarmos o nosso poder criativo na construção do melhor mundo que conseguimos imaginar.

Serve, ainda, como provocação para reflexão à volta das questões: Quão livre é a nossa imaginação? O que nos mantém alheados do nosso poder criativo e desejo mais profundo de sermos uma sociedade equilibrada e saudável?

Cidade Mais

O Cidade Mais é um festival anual que celebra a Sustentabilidade. Tem como intuito ampliar a cultura urbana da sustentabilidade ambiental, social e económica através da criação de sinergias entre cidadãos, projectos, autarquias e empresas que inspiram.

É um evento gratuito onde acontecem conferências, sessões de trabalho, oficinas, aulas abertas, espectáculos, uma praça empresarial e um mercado.

O festival acontece em Julho nos Jardins do Palácio de Cristal e Biblioteca Almeida Garrett.

As principais metas:

• Descobrir o ecossistema local empresarial, cultural e ambiental;

• Provocar a reflexão e o encontro;

• Facilitar a adopção de hábitos responsáveis.

• Criar comunidades resilientes;

• Simplificar a sustentabilidade. O CIDADE+ abre-se à cocriação com todos os interessados, desde a sua fase de concepção à produção do mesmo.

Organização: daRaiz (Associação Moving Cause)

Parceiro Principal: Câmara Municipal do Porto

Parceiros Estratégicos: Booq e BioRumo

Abertura oficial da 39ª edição do Fantasporto

PROSPECT, O FILME DE ABERTURA

A co-produção canadiano-americana “Prospect”, de Zeek Earl e Chris Caldwell, a exibir na Sessão Oficial de Abertura do 39º Fantasporto, é um excelente exemplo do cinema independente americano. Trata-se de uma obra de ficção científica em que uma adolescente e o pai vão a uma lua remota e tóxica, esperando encontrar riqueza. Encontram um filão fabuloso, mas também se deparam com dificuldades de vária ordem totalmente inesperadas. O filme, com a notável Sophie Thatcher e também Pedro Pascal, obteve excelentes críticas do Variety e do Hollywood Reporter, sendo seleccionado para os festivais de Seattle e Denver. Uma surpresa do cinema produzido no final de 2018.
Segue-se, às 23:30, a exibição em cópia integral restaurada de “Alien” (1979), de Ridley Scott, uma homenagem do Fantasporto na passagem dos 40 anos da sua estreia ao original da celebrada saga do mesmo nome. No Pequeno Auditório, destaque para a Retrospectiva do Cinema de Taiwan, com “The Husband’s Secret”, de Lin Tuan-Chiu, em estreia internacional, a que se segue “His Master’s Voice”, filme de ficção científica do húngaro Gyorgy Palfi (CF), realizador do filme choque do Fantas com “Taxidermia”, Prémio do Público em 2007. Trata-se de mais uma obra de Ficção Científica, baseado numa história de Stanislaw Lem (autor de Solaris).

AMERICANOS, BRASILEIROS, COREANOS OU HÚNGAROS
PÓEM O FANTAS A “ESCALDAR”

“The Witch in the Window”, filme de terror do americano Andy Milton, a concurso na secção oficial de Cinema Fantástico abre o programa de sábado, a que se seguem o êxito de bilheteira asiático “ The Witch: Part 1- The Subversion”, do sul-coreano Hoon-Jung Park, filme de acção de terror também a concurso  e que foi Nº 1 na bilheteira na Coreia. E, às 19:00, “Albatroz”, do brasileiro Daniel Augusto, em estreia europeia, um thriller escrito por Braulio Mantovani, argumentista de “Tropa de Elite” e “Cidade de Deus”, filme que lhe deu uma nomeação para o Oscar.
O grande destaque do dia é “Human, Space, Time and Human”, um drama de terror do mestre sul-coreano Kim Ki-Duk (CF/OE), várias vezes premiado no festival, que venceu em 2013 a secção Orient Express com o filme “Pietá”. Um filme com cenas eventualmente chocantes.
Outro ‘habitué’ do Fantasporto é o húngaro Károly Mézsáros, que este ano nos traz “X – The eXploited”, um thriller a concurso na Semana dos Realizadores (SR), sobre uma mulher-polícia tem ataques de pânico graves mas que descobre uma história tenebrosa. Trata-se da segunda longa-metragem deste cineasta que em 2015 venceu o Prémio de Melhor Filme do Fantasporto com “Liza, The Fox-Fairy”. Georgy Palfi e Karoly Meszáros estarão no Porto para apresentar os dois filmes húngaros em competição. A não perder.
No Pequeno Auditório, continua a ser exibida a Retrospectiva do Cinema de Taiwan, com “May 13th, Night of Sorrow”, de Lin Tuan-Chiu, uma nova estreia internacional, seguindo-se às 17:15 “Open”, de Orsi Nagypál, filme incluído na retrospectiva do Novíssimo Cinema da Hungria.
“Dos Veces Tú”, de Solomón Askenazi, em estreia mundial, marca a presença do México no programa deste Fantasporto, em cuja trama duas amigas trocam de maridos durante um casamento apenas para se divertirem, uma brincadeira que lhe trará uma série de complicações e novos e estranhos relacionamentos.
Segue-se “Waiting for Sunset”, do filipino Carlo Catu, em estreia internacional, sobre um casal de idade que vive junto há muito sem se poder casar  e que se enfrentam com um estranho desafio. Um conto de ternura e humanidade, com grandes interpretações que foi vencedor do Melhor Filme no Cinemalaya Independent Film Festival.

AMERICANOS EM TRÁS OS MONTES E CHINESES NO PORTO!
GRANDES FILMES APRESENTADOS PELOS SEUS REALIZADORES

O programa de domingo abre com um prato forte, “Reborn”, filme de terror do britânico Julian Richards (realizador de “Darklands” e “The Last Horror Movie” e que trabalhou para a Amblin), incluído na secção oficial de Cinema Fantástico, a que também concorre o filme seguinte, “The Head Hunter”, de Jordan Downey (EUA), ambos exibidos na presença dos seus realizadores e produtores. Se em “Reborn” já sabemos que as emoções ficarão ao rubro, The Head Hunter,  é um outro filme de terror vindo, desta vez dos Estados Unidos, mas com uma “perninha” portuguesa: o filme foi rodado em Trás os Montes! Uma bela surpresa.
Forte destaque também para a estreia mundial do filme de ficção científica “Last Sunrise”, do chinês Wen Ren, filme que, antes de estrear, já se tornou viral nas redes sociais e na imprensa asiática, dado ser a primeira produção do género, vinda da China. A sua exibição também na presença do realizador e produtora, e antecede outro dos pontos altos do festival.

DA CORRUPÇÃO DOS OFF-SHORES 
À SURPREENDENTE FANTASIA DE IN FABRIC

Às 21:00,  é hora de “The Panama Papers”, de Alex Winter sobre a investigação jornalística sobre uma das grandes redes mundiais de fuga aos impostos e que envolve desde Putin e Trump até primeiros-ministros de vários países, personalidades da finança, da política, celebridades e gente anónima que colocam o seu dinheiro em “off-shores”, indiferentes ao resto do mundo que se afunda na desigualdade social e na pobreza. Elijah Wood (o Hobbit) é o narrador.
O programa de domingo termina em grande com a exibição às 23:15, de “In Fabric”, comédia de terror do britânico Peter Strickland (realizador de “Berberian Sound Studio”, premiado no Fantas 2012) passada numa grande loja por departamentos, tipo Corte Inglês, um dos filmes mais aclamados pela critica inglesa no final do passado ano e uma pérola de originalidade. No Pequeno Auditório começa a exibição dos filmes concorrentes ao Prémio de Cinema Português, com dez curtas-metragens, a que se segue, às 17:15, o filme Kills on Wheels (2016), de Attila Till, com que prossegue a retrospectiva do Novíssimo Cinema Húngaro.  “Framed”, filme de terror do nosso conhecido Marc Martínez Jordán, centrado numa aplicação que permite ver tudo nas redes sociais põe em causa os limites da tecnologia. O programa do Pequeno Auditório para domingo fecha com três médias metragens notáveis: “Set-Up”, do grego Vassilis Goudelis, em estreia mundial, passado durante a Guerra Civil  que se seguiu à II Guerra Mundial na Grécia; o filme deste último Natal da TV Globo, “Fuga de Natal”, e a versão final do realizador de “The Shipment”,  sendo que a versão curta vai ser exibida  a concurso na segunda feira, às 15.00hs no Grande Auditório.
Há cinema do Mundo no Porto. Para ver antes de todo mundo. Aproveite.

Emirates anuncia voo para o Porto

O Porto vai tornar-se no segundo destino da Emirates em Portugal, depois da capital, Lisboa, para onde a companhia aérea já voa atualmente com dois serviços diários. O novo voo será operado por um Boeing 777-300ER, numa configuração de três classes, oferecendo oito suites privadas na Primeira Classe, 42 assentos reclináveis na Classe Executiva e 310 assentos espaçosos na Classe Económica.

O novo serviço da Emirates proporcionará aos passageiros do norte de Portugal uma opção direta para viajar para o Dubai e depois a possibilidade de seguir para destinos em toda a rede global da companhia, especialmente para África, Ásia, Austrália e Médio Oriente. Não só o Porto beneficiará, que é uma das mais importantes áreas urbanas, como também Espanha, nomeadamente cidades como Vigo e Santiago de Compostela, pela proximidade ao Porto.

O voo entre o Dubai e o Porto será operado às terças, quintas, sábados e domingos, e partirá do Dubai como EK197, às 09:15hrs, chegando ao Porto às 14:30hrs. O voo de regresso, EK198, partirá do Porto às 17:35hrs e aterrará no Dubai às 4:15hrs da manhã seguinte. Esta programação permite aos passageiros ligações mais fáceis e convenientes aos voos da Emirates no Aeroporto Internacional do Dubai para os destinos mais procurados, como Luanda, Joanesburgo, Banguecoque, Xangai, Hong Kong, Melbourne e Sydney, entre outros.

Localizado perto da costa e do rio Douro, o Porto é mundialmente conhecido pela sua produção de vinho do Porto e pelo centro histórico da cidade, Património Mundial da UNESCO. Além de oferecer uma rica herança a nível cultural e uma grande variedade de atrações turísticas, o Porto é também uma importante cidade de comércio e indústria, atraindo viajantes na área dos negócios.

“O Porto está atualmente a desfrutar de maiores níveis de turismo, o que acaba por se refletir no crescimento do número de visitantes para Portugal como um todo. A introdução deste novo voo, juntamente com o nosso serviço de dois voos diários para Lisboa, ajudará a satisfazer esta crescente procura de passageiros que viajam em lazer e em negócios, bem como a proporcionar-lhes mais opções, maior flexibilidade e conectividade ao viajar para Portugal”, refere Tim Clark, Presidente da Emirates Airline.

Os passageiros, seja em que classe for, podem encontrar altos níveis de conforto ao viajar com a Emirates, desde o excelente serviço a bordo da tripulação de cabine internacional, incluindo membros portugueses, ao acesso a mais de 4.000 canais de entretenimento visual e de áudio. Neste sistema de entretenimento, o ice, encontram-se os mais recentes filmes, músicas e jogos. Além disto, ainda são preparadas refeições de inspiração regional e bebidas de cortesia. As famílias são ainda bem recebidas com produtos e serviços a pensar nas crianças.

O novo voo também permitirá que a Emirates SkyCargo ofereça até 18 toneladas de capacidade de carga no voo, dando às empresas locais a oportunidade de aumentar as suas exportações, como roupa, calçado, peças para automóvel e cortiça.

Porto acolhe o progresso, a inovação e os desafios futuros na área da Esclerose Múltipla

A EM é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa do sistema nervoso central. Embora se tenha tornado uma doença mais conhecida nos últimos anos, ainda há um grande desconhecimento sobre os seus sintomas, além de ter ainda um impacto negativo na qualidade de vida de muitos doentes, nomeadamente, mais de metade dos doentes relata níveis de incapacitação: 32% não conduzem e 77% não trabalham, sendo que 92% dos doentes que não trabalham estão abaixo da idade da reforma[2].

Maria José Sá, presidente do Congresso, afirma que “este é um momento de debate, análise e reflexão sobre os novos desafios que esta doença nos coloca. E, durante três dias, estamos reunidos no Porto para propagar a inovação e as mais recentes novidades, sobre esta doença do foro neurológico, para o resto do mundo num encontro que tem vindo a ganhar cada vez mais reconhecimento internacional”.

Um congresso que debate uma doença que, além dos desafios físicos e emocionais, apresenta um conhecimento dos custos e gestão, em Portugal, escasso. “É necessário debater, estudar e propagar as inovações, assim como melhorar o planeamento da assistência médica e a alocação de recursos. Estamos perante uma doença, em que o custo médio de um surto está estimado em 2931€” refere Maria José Sá, presidente do Congresso.

Além de acompanhar o rápido desenvolvimento da ciência, tecnologia e estilos de vida, o Congresso de 2019 conta ainda com a presença da Casa da Esclerose Múltipla que permitirá aos seus visitantes terem a percepção, a nível sensorial, do que é viver com EM, através de várias experiências nas tarefas do dia-a-dia.

Do programa, que cruza aspetos das ciências exatas e clínicas, fazem parte temas como “Matemática e Física na Esclerose Múltipla”; “Neuro imagem”; “O tempo importa na Esclerose Múltipla: caso da cognição” e cursos pré-congresso sobre a importância de ter uma equipa multidisciplinar ao serviço dos doentes, onde se sublinha o papel dos enfermeiros e dos neuropsicólogos, por exemplo.

Durante o Congresso será ainda realizada a votação e conhecidos os vencedores do prémio “MS Porto”, que pretende reconhecer a investigação e as melhores práticas clínicas nesta área.

Para consultar mais informações sobre o programa: https://www.multiplesclerosis2019.com/ 

Sobre o International Porto Congress:

Em 2011 realizou-se o 1st International Porto Congress of Multiple Sclerosis, organizado pela Consulta de Doenças Desmielinizantes do Hospital de S. João, Porto. Este Congresso tem vindo a tornar-se num acontecimento cada vez mais importante para o nosso país, no âmbito da EM, pois surge como uma excelente oportunidade para avaliação e discussão dos mais avançados conceitos nesta área da Neurologia, com oradores provenientes de centros de renomes de vários países do mundo. 

Sobre a Esclerose Múltipla

A EM é uma doença crónica, inflamatória e degenerativa, que afecta o Sistema Nervoso Central (SNC). É uma doença que surge frequentemente entre os 20 e os 40 anos de idade, ou seja, entre os jovens adultos. Afeta com maior incidência as mulheres do que os homens.

Esta patologia é diagnosticada a partir de uma combinação de sintomas e da evolução que a doença apresenta na pessoa afetada, com recurso a exames clínicos/exames complementares de diagnóstico (Ressonância Magnética Nuclear, Estudo de Potenciais Evocados e Punção Lombar).

Estima-se que em todo o mundo existam cerca de 2.500.000 pessoas com EM (dados da Organização Mundial da Saúde) e em Portugal mais de 8.000 (Gisela Kobelt, 2009).

A EM pode produzir sintomas idênticos aos de outras patologias do SNC, pelo que o diagnóstico poderá demorar anos a acontecer.

[2] Sa MJ, G Kobelt, J Berg, D Capsa, J Dalén, New insights into the burden and costs of multiple sclerosis in Europe: Results for Portugal, Multiple Sclerosis Journal 2017, Vol. 23(2S) 143 –154

Centenas de jovens juntam-se no Porto para três dias de debate na 12.ª edição do OPOMUN

A defesa da proteção de dados e a guerra eletrónica entre os Estados Unidos, China e Rússia são temas em destaque na 12.ª edição. A agenda de 2019 foca-se ainda na sustentabilidade das diversas áreas da economia e nos problemas emergentes dos avanços tecnológicos. “Temos como objetivo mudar as previsões pessimistas que nos são apresentadas todos os dias. Desde futuras oportunidades às questões que afetam o equilíbrio social e a justiça em todo o mundo”, esclareceu a secretária-geral do evento, Matilde Guimarães Lopes.

O OPOMUN 2019 vai receber escolas de cinco países, para além de Portugal: Turquia, Dinamarca, Espanha, Itália e Tunísia, num total de mais de 50 nacionalidades entre os participantes.

O evento consiste numa simulação das Nações Unidas onde jovens de vários países se juntam para discutir assuntos de grande importância no palco mundial. Os procedimentos do debate seguem os das Nações Unidas, tentando recriar o mais fielmente a sua dinâmica. Os participantes têm a possibilidade de explorar e defender os pontos de vista dos países que representam. A conferência tem o objetivo de aprofundar a arte da negociação e motivar o gosto pelo debate político, pelo que os delegados têm de aprender a arranjar um compromisso entre os seus interesses como nação, mas também de ter em consideração o bem geral de um mundo interligado.

A organização do OPOMUN conta com o apoio da Câmara Municipal do Porto e do Museu da Misericórdia do Porto (MMIPO), numa edição que abre também o ângulo do turismo e da cultura, com uma visita guiada pelas ruas da cidade do Porto no primeiro dia da conferência.

Grupo Jetclass com novo projeto de expansão

O empreendedorismo do grupo e o rápido desenvolvimento da empresa obriga a um contínuo investimento na sua estrutura, culminando no novo projeto de expansão. A inauguração dos trabalhos de ampliação da fábrica será no próximo dia 17 de janeiro 2019 pelas 15h30 e contará com a presença do Presidente da Câmara de Valongo, Dr. José Ribeiro e a sua comitiva, e do Secretário de Estado da Internacionalização, o Exmo. Dr. Eurico Brilhante Dias.

A unidade fabril passará de 7.000m2 a 12.000m2, num investimento de 12 milhões de euros. Serão criadas novas unidades produtivas, carpintarias próprias, serralharia e um novo setor de iluminação destinado à produção de candeeiros e instalações elétricas certificadas. As unidades de folha, melamina, madeira, pintura, estofo serão ampliadas, assim como o showroom. Será adquirida maquinaria de ponta completamente automatizada que se juntará ao já existente espólio da empresa. Desta forma, a empresa aumentará a rapidez e o rigor da sua produção em série, prevendo-se a duplicação da faturação anual para 12 milhões de euros.

Está prevista a criação de cerca de 50 novos postos de trabalho para os diferentes setores, recuperando artes que se perderam no tempo, como por exemplo a elaboração da talha e a aplicação de folhas de ouro.

O investimento será também aplicado em parcerias com faculdades, nomeadamente o INEGI, num estudo sobre a automação e controlo de tecnologias avançadas de fabrico e sistemas mecatrónicos complexos. O objetivo é a criação de mobiliário tecnológico, usando a domótica e robótica, tornando a Jetclass mais uma vez pioneira internacionalmente neste tipo de mercado. Esta iniciativa insere-se no programa Indústria 4.0 e o lançamento das primeiras coleções está previsto para 2022.

A capacidade produtiva da Jetclass permitirá servir uma maior quantidade de grandes projetos e grupos hoteleiros e ainda permitir aos seus clientes o desenvolvimento e produção das suas próprias marcas.

Predibisa colocou 42 mil m2 de área de escritórios no Grande Porto em 2018

Edifício Urbo Business Center

A Predibisa Corporate, consultora imobiliária especializada no norte do país, foi responsável pela colocação de uma área total de 42.605 m2, comercializada em 2018 no Grande Porto. Apesar do registo na procura por novas instalações e entrada de novas empresas na região, foram a mudança de instalações e a expansão de empresas que dominaram mais de metade dos negócios concretizados. O edifício Urbo Business Center, em Matosinhos, com a instalação do BNP Paribas e o  novo centro tecnológico de I&D do Prozis Group, na Maia, foram as maiores transações do ano na região, colocadas pela Predibisa, ambas com uma área de mais de 15 mil m2.

Graça Ribeiro da Cunha, responsável da Predibisa para a área dos Escritórios, refere: “ O ano de 2018 foi muito representativo no segmento de escritórios no Grande Porto, confirmando o elevado dinamismo no ciclo de procura ao longo dos meses, facto que originou um acentuado incremento no número de transações. Se do lado da procura temos assistido a um crescimento alavancado pelas multinacionais, que elegem cada vez mais o Grande Porto para se instalarem, também as empresas já instaladas, mas em fase de crescimento, têm interesse em se deslocalizarem para edifícios com melhores infraestruturas.” 

Forte atratividade do Porto no mercado de procura de escritórios

Ao longo dos quatro trimestres do ano passado, no Porto, mais especificamente na Boavista (zona 1) e considerada zona prime, foi onde se concentraram o maior número de negócios (19), num total de 14.618 m2 transacionados. Constatámos também que Matosinhos (zona 6) e Maia (zona 5) foram os concelhos da Área Metropolitana do Porto com grande dinâmica no segmento, no que respeita aos maiores negócios em termos de ocupação de área. As maiores transações de 2018 na região asseguradas pelas Predibisa, ambas com uma área superior a 15 mil m2 dizem respeito ao edifício Urbo Business Center, em Matosinhos, com a instalação do BNP Paribas, e ao  novo centro tecnológico de I&D do Prozis Group, na Maia.

A mudança de edifício e a expansão das empresas foram as principais motivações para a ocupação de área em 2018, num total de 44 negócios identificados, 26 dos quais realizados pela Predibisa Corporate. Os setores mais representativos foram o das “Energias Renováveis e Ambiente”, com o maior número de operações, seguido pelas “TMT’s & Utilities” e o setor de “Serviços Financeiros”, com o maior volume de área ocupada.

Atualmente, a Predibisa está envolvida em três grandes projetos, como é exemplo o POP – Porto Office Park, um edifício novo projetado de raíz, em construção junto a Francos, e que resultará em mais 31 mil m2, a partir de setembro de 2019; a reabilitação do edifício do Palácio dos Correios, nos Aliados, com 17 mil m2 de área bruta locável e que estará pronto no último trimestre deste ano, e o projeto de expansão da Lionesa, em Leça do Balio, que  vai possibilitar a duplicação da oferta atual nos próximos anos.

Já o edifício BOC – Boavista Office Center, um edifício totalmente reabilitado foi colocado na sua totalidade em 2018 e será integralmente ocupado no início deste ano por uma só empresa, tendo reduzido em menos de 8 mil m2 de oferta neste segmento na Boavista, aquela que é considerada zona prime do Porto. A responsável da Predibisa considera, no entanto, que “estes projetos não serão suficientes para abranger a elevada procura por parte de novas empresas sobretudo multinacionais, que procuram o Porto como alternativa a outras cidades europeias, ou a deslocalização de empresas que se encontram mal instaladas e em fase de expansão.”

Medidas anti-terrorismo reforçadas para noite de passagem de ano no Porto

Há algumas ameaças normalmente identificadas para este tipo de eventos, nomeadamente eventos que comportam grandes multidões. Elas foram identificadas. Em termos de Plano de Segurança estão previstas medidas para mitigar as ameaças. A nível global, em termos dos serviços de inteligência, não temos elementos adicionais que nos mereçam alguma preocupação adicional em relação a eventos de anos anteriores, nomeadamente a questão da ameaça terrorista”, revelou o superintendente-chefe da PSP do Porto, Pereira Lucas.

Segundo aquele responsável, para além das barreiras que impedem a circulação automóvel, este ano serão aplicadas “duas ou três” medidas de segurança adicionais, fruto da evolução dos modos de atuação dos grupos terroristas.

“Não irei referir quais são para não dar ideia, mas, neste momento, se analisarem o contexto no último ano a nível de atuação por parte de algumas organizações há algumas modalidades novas. Em relação a essas foram tomadas também medidas”, acrescentou.

O superintendente-chefe da PSP do Porto excluiu, contudo, a colocação de torniquetes de revista de pessoas no acesso à avenida, explicando que as forças de segurança estarão particularmente atentas aos perfis de risco devidamente identificados, atuando em conformidade caso estes sejam detetados.

“Em termos de procedimento normal para todas as pessoas que vão aceder [aos Aliados] não existirão medidas de revista”, disse, acrescentando que se o dispositivo policial no terreno encontrar um “perfil de risco” serão tomadas medidas, que poderão passar pela contenção, revista e, se for o caso, a sua retirada do espaço.

Esta ideia foi reforçada pelo presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, que, na conferência de imprensa que reuniu esta manhã no quartel dos Sapadores Bombeiros do Porto forças de segurança, responsáveis da proteção civil e de mobilidade, lembrou que, ao longo dos últimos cinco anos, as medidas de segurança têm sido adequadas ao crescimento da noite de passagem de ano.

“Hoje temos muito mais pessoas, temos uma exigência maior daquilo que são as infraestruturas da cidade e temos vindo a fazer essa adequação permanente. Nós estamos convencidos que as pessoas, dentro dos riscos inerentes a qualquer evento desta natureza, possam estar tranquilas. Não adotamos, de facto, esse modelo de fiscalização, se quisermos de torniquete, a cidade não está habituada a torniquetes, aliás temos um metro que não tem torniquetes”, declarou.

Ainda de acordo com a PSP, a operação decorrerá entre as 20:00 de segunda-feira e as 17:00 de terça-feira, estando previsto o encerramento de vários espaços como bares e rulotes amovíveis por volta das 04:00.

Previsto está ainda o reforço da operação da CP, Metro do Porto e STCP e a participação da plataforma MyTáxi, que este ano se associa ao plano de mobilidade para a passagem de ano.

A autarquia alertou ainda para os condicionamentos de trânsito já a partir de sábado, aconselhando as pessoas a deixarem o carro nos parques de estacionamentos na periferia (parques da Casa da Música, do Campo Alegre e do Estádio do Dragão) e a usarem os transportes públicos para efetuarem o restante percurso até ao centro da cidade.

Para quem decida deixar o carro nestes parques, e mediante a apresentação do título de viagem Andante já validado, o valor a pagar será de apenas 95 cêntimos por 12 horas.

A avenida dos Aliados será o local principal dos festejos da noite de passagem de ano, recebendo o tradicional espetáculo de fogo de artifício, lançado às 00:00 a partir do edifício da Câmara do Porto, e um concerto do músico Pedro Abrunhosa.

Além dos Aliados, a noite de passagem de ano terá ainda mais três palcos alternativos: largo Amor de Perdição (Cordoaria), praça Gomes Teixeira (leões) e praça dos Poveiros.

LUSA

Porto recebe curso de professor de Yoga de Jean-Pierre de Oliveira

Jean-Pierre de Oliveira, fundador do Yoga-Spirit ruma até ao norte para dar o seu primeiro Curso de Hatha Yoga Funcional no Porto.

Após várias solicitações vindas da cidade invita, o consultor de Yoga brinda os portuenses com curso com duração anual, que se inicia a 5 de Janeiro, dirigido a quem quer ter uma aprendizagem aprofundada na matéria e abraçar uma carreira ligada ao Yoga, cada vez mais em voga em Portugal.

Entre os objetivos gerais deste curso, cuja 11ª Edição irá decorrer na Pousada de Juventude do Porto, está conhecer o mundo do yoga as suas linguagens e ideologias, dominar as técnicas e metodologias para praticar e dar aulas de forma segura e responsável, assim como aprender os conhecimentos essenciais para se prosseguir no estudo do yoga e dar aulas.

“O Yoga que proponho é um Yoga funcional.

Mais do que uma reprodução da postura perfeita, procuro que o aluno encontre a possibilidade de expressar a sua própria criatividade.

Todas as pessoas são diferentes, todos os corpos são diferentes: assimétricos, com mais ou menos flexibilidade, mais ou menos sensibilidade.

Não há dois corpos iguais, não há duas formas de sentir idênticas. Não podem existir duas representações iguais da mesma postura.

A sua prática de yoga não deve fazer de si algo que não é, mas sim estimulá-lo para que se torne a melhor versão possível de si mesmo. No Yoga aprendemos a ser sinceros e dedicados, primeiro connosco, e com o tempo, com os outros”.

Cidade do Porto acolhe Fórum Económico Portugal – Angola

Tendo como ponto alto os discursos do Presidente da República de Angola, João Lourenço, e do Primeiro-ministro de Portugal, António Costa, o Fórum Económico Portugal – Angola teve como objetivo analisar as relações económicas e empresariais bilaterais e ser um ponto de encontro entre empresários portugueses e angolanos, contribuindo para o desenvolvimento conjunto das economias de Portugal e de Angola.

 

 

Com a intervenção do Ministro dos Estrangeiros da República portuguesa, Augusto Santos Silva, e o Ministro da Economia e Planeamento da República de Angola, Pedro Luís da Fonseca, debateu-se o presente e o futuro das relações bilaterais, com referência ao contexto macroeconómico e as reformas em curso para o aumento da competitividade da economia angolana.

Por sua vez, os Presidentes da AICEP e AIPEX intervieram no Fórum falando das oportunidades de investimento e estabelecimento de parcerias.

“Nós empresários temos de saber que a relação entre dois irmãos tem momentos bons e maus”, afirma Paulo Gaspar, Presidente da AAPCIL, referindo-se à parceria estratégica entre Portugal e Angola e à confiança no futuro.

Por sua vez, Luís Castro Henriques, Presidente da AICEP, reforça que para a AICEP, no que diz respeito ao reforço da cooperação económica, “estamos e estaremos juntos”.

O presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal realçou, ainda, que o presidente de Angola, João Lourenço, reconhece que a sua presença em Portugal é importante para fomentar as relações bilaterais, sendo este um bom momento para os dois países.

No fórum estiveram presentes mais de 800 empresários, “o que demonstra que está manifestamente nas prioridades das empresas e da AICEP reforçar a cooperação económica entre Portugal e Angola”.

“Nós, enquanto AICEP, pretendemos continuar a fomentar os negócios tendo em conta a importância da diversificação como uma oportunidade para as empresas”, afirma Luís Castro Henriques.

Numa segunda parte, com dois painéis altamente enriquecidos, foi a vez do Diretor do Projeto Agrícola COOPLACA, Rui Cruz, do Presidente da AAPCIL, Paulo Gaspar, e de Diogo Rebelo da Teixeira Duarte, abordarem questões relacionadas com a agricultura, pescas e indústria, bem como infraestruturas e logística.

O Fórum Económico teve ainda como convidados António Mota da Mota-Engil, Paulo Nóbrega da PROGEST e Paulo Nunes de Almeida, Presidente da Associação Empresarial de Portugal e Vice Presidente da Confederação Empresarial de Portugal.

Por fim, e antes de uma visita da comitiva empresarial de Angola à Feira EMAF a decorrer na EXPONOR, foi a vez do Primeiro-Ministro português, António Costa, e do Presidente de Angola, João Lourenço, agraciarem o público com um discurso onde enalteceram a importância da cooperação entre Portugal e Angola e os feitos que já estão a decorrer nesse sentido.

“JOÃO LOURENÇO, GRANDE AMIGO E PARCEIRO DE PORTUGAL”

Transmitindo uma mensagem de confiança, António Costa realçou que hoje as relações políticas e de negócios entre os dois países encontram-se ao seu melhor nível como bem demonstra esta visita do Presidente de Angola, João Lourenço, e como demonstra também a visita do Presidente da República Portuguesa a Angola no próximo ano. Confiança foi a palavra de ordem neste fórum, onde António Costa reforçou o notável o trabalho que tem vindo a ser feito por ambas as partes que assumiram as consequências das dificuldades das graves crises económicas.

A verdade é que Angola assumiu já 90 milhões em dívida certificada a empresas portuguesas. O ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira, avançou com esta estimativa na abertura do Fórum Empresarial Angola-Portugal, adiantando que tenciona fechar a parte maioritária do processo de certificação de dívidas a empresas portuguesas.

“Podemos e devemos confiar nas autoridades angola relativamente ao cumprimento das obrigações assim como, naturalmente, as autoridades angolanas devem confiar nas empresas portuguesas para o cumprimento das obrigações que têm com o estado angolano”, disse o primeiro-ministro português.

Com as relações diplomáticas entre Portugal e Angola a regressarem ao normal, o reforço de 50% da linha de financiamento da Convenção Portugal-Angola, para um total de 500 milhões de euros, é considerado um dos instrumentos criados para restabelecer a confiança dos empresários portugueses no mercado angolano.

Uma segunda mensagem deixada pelo primeiro-ministro direcionou-se para a razão da escolha do norte do país e da cidade do Porto para a realização deste fórum. Tendo por base o quadro da grande aposta que Angola está a desenvolver, tendo em vista a diversificação da sua base económica, “o apelo de hoje é dirigido aos pequenos e médios empresários que são absolutamente imprescindíveis para poderem ser parceiros dessa diversificação da economia angolana”, realça António Costa.

“Quando falamos de Angola falamos também de uma enorme oportunidade para novos tipos de empresas, novos setores que devem acompanhar o esforço do governo angolano e do presidente João Lourenço para participarmos no grupo de trabalho de investigação da economia angolana”.

António Costa referiu, ainda, que não podia existir um melhor sinal daquilo que é a relação única que Portugal em Angola mantêm do que a presença neste seminário da presença de mais 800 empresas. “É muito claro que quando se trata de Angola é fácil mobilizar o interesse e o entusiasmo dos empresários portugueses”.

“SEJAM, POIS, BEM-VINDOS A ANGOLA”

No quadro da visita de estado que o presidente angolano realizou a Portugal, reputou de grande importância este encontro com os empresários e homens de negócios portugueses que podem ajudar no importante papel de reforço das relações de cooperação económica entre os dois países. “Pelas imensas riquezas por explorar e pelas vastas oportunidades de negócios que Angola oferece, pelo conhecimento que muitos empresários portugueses têm da realidade angolana, pela complementaridade das respetivas economias, reiteramos o nosso convite permanente para o investimento privado direto de empresas portuguesas no nosso país”, avançou João Lourenço.

Angola tem hoje uma nova visão sobre o papel e a importância do setor empresarial privado e do investimento estrangeiro na nossa economia. “Que o nosso relacionamento não se restrinja apenas ao comércio, mas que se traduza em investimentos de médio e longo prazo em setores-chaves da economia, de modo a gerar mais empregos, superar as enormes carências ainda existentes e dinamizar o progresso social e desenvolvimento no interesse dos dois países”, disse o presidente angolano.

Muitos empresários portugueses que operam em Angola são bem-sucedidos, apesar das dificuldades atuais que o país enfrenta. O sucesso advém do seu empenho e do seu engenho. “Apreciamos bastante as características dos homens de negócios portugueses por serem capazes de realizar com êxito objetivos importantes que para muitos outros se revelariam inalcançáveis”, acrescentou.

E deixa uma mensagem: “reforço o meu convite para que se interessem pelo mercado angolano e invistam sem hesitação. Tenho a certeza que no final seremos todos ganhadores. Sejam, pois, bem-vindos a Angola. Esperemos que se juntem aos cerca de 150 mil cidadãos portugueses que já vivem e trabalham em Angola, ajudando no desenvolvimento e crescimento do nosso país”.

EMPRESAS