Inicio Tags Prémio

Tag: Prémio

DS Smith Displays premiada nos PAPIES 2019

O equipamento premiado, na categoria de displays para ponto de venda, foi uma ilha em cartão, constituída por uma estrutura modular, que tem integradas cordas reais como elemento diferenciador. Esta solução de grande visibilidade e atratividade, desenvolvida estruturalmente para a Unilever FIMA, proporcionou assim um grande destaque à marca Tresemmé.

Com o objetivo de criar expositores para o ponto de venda diferenciadores, que auxiliam as marcas nas suas campanhas de promoção, as equipas da DS Smith trabalham lado a lado com os seus clientes, na conceção de projetos inovadores e de elevado impacto. “O display premiado nesta edição dos Papies é um claro exemplo dos excelentes resultados que se podem obter ao desenvolver-se uma solução em estreita colaboração com o cliente”, referiu Joana Gonçalves, Marketing Manager da DS Smith Packaging Portugal. “Para além de transmitir a mensagem da marca com eficiência e cumprir com os requisitos de sustentabilidade, a nossa vasta oferta de displays em cartão proporciona uma elevada visibilidade ao produto exposto e um aumento das vendas para todos aqueles que confiam em nós.”

A Revista doPapel organiza todos os anos os prémios Papies, com o intuito de reconhecer os melhores trabalhos da área de comunicação gráfica em Portugal. Com 28 anos de uma consolidada trajetória, estes prémios reúnem anualmente centenas de profissionais das mais variadas indústrias ligadas à comunicação gráfica e embalagem.

Enrolador Thorsman da Schneider Electric ganha o prestigiado prémio iF DESIGN AWARD 2019

A Schneider Electric, líder na transformação digital em gestão de energia e automação, anunciou que o seu enrolador compacto Thorsman foi premiado com o iF DESIGN AWARD 2019, cujo júri é composto por 67 especialistas independentes de todo o mundo. O enrolador da Schneider Electric competiu com mais de 6 400 produtos candidatos, enviados de 50 países diferentes.

O enrolador Thorsman competiu na categoria “Produto”, na qual venceu o primeiro prémio. O produto foi desenhado seguindo linhas ergonómicas e caraterísticas versáteis que oferecem um conforto superior e funcionalidades inteligentes, com luz LED, pegas ergonómicas para enrolar e transportar facilmente, proteção de corte térmico e tampas IP44.

O enrolador compacto Thorsman cumpre os valores estratégicos de design da Schneider Electric: é fiável, fácil de usar e inovador.

É compacto, pequeno e leve, sendo dessa forma fácil de levar e transportar e apropriado para a utilização em interiores. Trata-se de uma gama especialmente pensada para entusiastas de bricolage em ambientes residenciais ou para profissionais que trabalham em projetos pequenos e que oferecem serviços.

É também um modelo clássico: a simples e tradicional bobine de cabo de 20m para projetos de interior.

A sua extensão útil e simples proporciona comodidade e permite contar com um cabo comprido e eletricidade por exemplo num jardim, ou uma maior flexibilidade na hora de utilizar uma máquina ou dispositivo num projeto. Graças à sua classificação IP44, pode utilizar-se de forma segura em exteriores.

O novo enrolador compacto Thormsan adequa-se a projetos profissionais exigentes e em ambientes difíceis. Graças a caraterísticas adicionais, como um cabo do tipo H07 RN-F, uma bobine fixa que evita que os cabos se enredem e uma classificação de impacto IK08, trata-se de um produto que garantidamente irá durar muito tempo. É recomendado para os eletricistas que não queiram renunciar à qualidade.

Este produto foi desenhado pelos Design Labs da Schneider Electric, que reúnem os designers industriais das melhores escolas de design e arte do mundo e que, desde 2010, obtiveram mais de 40 prémios de design das mais prestigiadas e consolidadas organizações internacionais.

Sobre os iF DESIGN AWARDS

Nos últimos 66 anos, os iF DESIGN AWARDS têm sido reconhecidos como júris de qualidade para um design excecional. A etiqueta iF é renomada a nível internacional pelos seus notáveis serviços de design e os iF Design Award é um dos prémios de design mais importantes do mundo. Os candidatos são galardoados nas seguintes categorias: Produto, Packaging, Comunicação e Design de Serviço/Experiência do Cliente, Arquitetura e Arquitetura de Interiores e Conceito Profissional. Todos os vencedores são apresentados na iF WORLD DESIGN GUIDE, na aplicação do iF DESIGN e ainda estarão expostos na exposição de design iF, que decorre em Hamburgo.

Sobre a Schneider Electric

A Schneider Electric lidera a Transformação Digital na Gestão de Energia e Automação em Habitações, Edifícios, Data Centers, Infraestruturas e Indústrias.

Com uma presença global em mais de 100 países, a Schneider é líder incontestável na gestão de energia – em Média e Baixa Tensão, Alimentação Elétrica Segura e em Sistemas de Automação.

Fornecemos soluções integradas e eficientes que combinam energia, automação e software. No nosso Ecossistema global, colaboramos com a maior Comunidade de Parceiros, Integradores e Programadores através de uma Plataforma Aberta para proporcionar controlo em tempo real e eficiência operacional.

Acreditamos que bons colaboradores e parceiros fazem da Schneider uma grande empresa e que o nosso compromisso com a Inovação, Diversidade e Sustentabilidade garantem que Life Is On em qualquer lugar, para todos e em todos os momentos.

Pela primeira vez Medalha de Ouro da International Society on MCDM vem para Portugal

Tornou-se no primeiro português a ser distinguido com a Medalha de Ouro da International Society on MCDM (Multiple Criteria Decision Making). Como descreve este reconhecimento e que influências teve no seu percurso?

Esta medalha é um prémio de carreia. Tal como consta no site da sociedade, “trata-se da mais alta manifestação de apreço que a International Society em MCDM concede a um dos seus membros que, em virtude da sua ilustre carreira, contribuiu de forma marcante para a teoria, metodologia, prática e desenvolvimento profissional na área do apoio multicritério à decisão”. Mais do que um reconhecimento profissional individual, que é sempre importante, esta distinção premeia o trabalho de qualidade que se tem vindo a fazer no nosso país. Os centros de investigação e as instituições de ensino superior que me acolheram e  contribuíram para eu poder chegar até este patamar. Refiro-me, em particular, à Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e ao INESC-Coimbra, bem como ao Instituto Superior Técnico-ULisboa e ao Centro de Estudos de Gestão do IST (CEG-IST), do qual assumi a Presidência no início do passado mês de janeiro. Também não posso deixar de mencionar que o “bichinho” do apoio multicritério à decisão, começou muito cedo, quando, ainda antes do doutoramento, fui assistente da Universidade de Évora. Durante o meu percurso de investigador tive ainda o privilégio de poder desenvolver investigação em centros de investigação de renome, nomeadamente o LAMSADE (Universidade Paris-Dauphine, França), o DIMACS (um consórcio entre as Universidades de Rutgers e Princeton, AT&T, Bell Labs, IBM, entre outros laboratórios de excelência dos EUA), e o LORIA (Nancy, França).  Finalmente, a possibilidade de ter sido professor na École Nationale Supérieure des Mines de Nancy foi outra experiência importante.

Esta distinção pretende celebrar carreiras ilustres. Fale-nos um pouco sobre o seu trabalho.

Antes de falar do meu trabalho de investigação propriamente dito, na área do apoio multicritério à decisão, gostaria de apresentar uma curta definição pessoal do significado do vocábulo que poderá ser útil para o leitor. Apoio multicritério à decisão é uma área do conhecimento (aparecendo muitas vezes como subárea da Investigação Operacional) que utiliza ferramentas analíticas (analytic tools) para apoiar os agentes de decisão (ou decisores) em todo o processo de tomada de decisão. Não se trata apenas de apoiar o decisor no momento da decisão, mas ao longo de todo o processo, que frequentemente é uma co-construção resultante da interação entre analistas e decisores. O processo tem normalmente quatro fases quando abordamos uma situação de decisão real: (1) caraterização do contexto; (2) formulação do problema; (3) utilização das ferramentas analíticas e (4) construção de conclusões robustas tendo em vista a redação de um relatório com recomendações. A formulação do problema contém três elementos: o conjunto das alternativas (no caso de um problema de localização de um novo aeroporto, são os diferentes sítios), os pontos de vista, que são os diferentes ângulos que nos permitem observar e analisar essas alternativas (por exemplo, os pontos de vista económico, social e ambiental) e o resultado esperado. O resultado esperado pode ser muito mais de que uma simples escolha da melhor alternativa, podemos querer uma ordenação das alternativas, da melhor para a pior ou uma classificação das mesmas em diferentes categorias (por exemplo, as más, as boas e as medianas). Agora penso já poder dizer onde se situaram os meus trabalhos de investigação (uma componente mais teórica e outra mais prática): uma parte tem sido dedicada à problemática da escolha e à conceção e experimentação de algoritmos para problemas com estrutura combinatória e multicritério. Outra, tem sido consagrada ao desenvolvimento de novos métodos ou melhoramento das já existentes e novas metodologias para problemas de ordenação. Finalmente, a terceira parte da minha investigação, a mais substancial, tem incidido sobre o desenvolvimento de novas metodologias, métodos e algoritmos para problemas de classificação. A área é muito transversal e no que respeita aos problemas de classificação, temos aplicado as nossas metodologias em várias áreas: economia e gestão, medicina e saúde, energia, recursos hídricos, agricultura, planeamento urbano e nanotecnologias, só para mencionar algumas

Esta não é a primeira medalha que o Técnico de Lisboa recebe. Como define o instituto?

Diria que o IST é uma escola com uma dinâmica muito própria, procurando constantemente adaptar-se aos novos desafios que são colocados ao nível do ensino e da resolução de problemas da sociedade. Por isso não é de estranhar que vários dos seus docentes e investigadores tenham sido premiados a nível internacional. Sem desprimor para as outras escolas, algumas das quais também já tive o privilégio de representar, o IST prima pela procura da excelência. Depois, o facto de ser uma Escola com várias áreas, é o terreno propício ao desenvolvimento do apoio multicritério à decisão que é uma disciplina transversal e que em muito beneficia deste contexto. O IST é um Escola em prol da sociedade, pela interdisciplinaridade, integração, Inclusão e internacionalização, elementos fundamentais para o desenvolvimento da nossa disciplina.

Além de investigador é professor. São trabalhos complementares?

ambos os trabalhos são complementares e, em minha opinião, desejáveis. Devemos saber dosear ambas as componentes e o IST sabe como fazê-lo. Por um lado, a complementaridade faz com que parte dos resultados da nossa investigação possam ser transmitidos aos estudantes e submetidos às suas críticas. É importante ouvir os estudantes. Por outro lado, é durante a parte letiva que podemos motivar e cativar estudantes para desenvolverem temas de investigação e deste modo continuarem o processo.

Quais julga terem sido os melhores contributos e metodologias que passou aos seus alunos?

Um dos contributos é transmitir-lhes a própria metodologia de apoio multicritério à decisão, resumida nos quatro passos que mencionei na resposta à Questão 2. O facto de considerarmos que a realidade não pode, em geral, ser reduzida a um só critério (tradicionalmente de natureza puramente economicista, como a minimização do custo ou a maximização do lucro) e que devemos ter em conta múltiplos critérios, que são ferramentas para operacionalizar vários  pontos de vista (curiosamente também é o nome da vossa revista) fá-los refletir e torna-os mais abertos a discussões mais abrangentes. Tudo isso enriquece o processo de tomada de decisão e quando esta é na verdade tomada, o decisor fá-lo-á de forma mais informada. Outro contributo que me parece importante transmitir é que a natureza do apoio à decisão é interdisciplinar, multidisciplinar e muitas vezes até transdisciplinar (no sentido em que o conhecimento criado no seio desta disciplina pode ser utilizado por outras dando por vezes lugar ao aparecimento de subáreas autónomas).

Leciona Fundamentos de Investigação Operacional, Complementos de Investigação Operacional, Otimização e Aplicações e Projeto em Engenharia e Gestão Industrial. Sendo o IST uma referência ao nível das engenharias, quais são, na sua opinião, os maiores desafios que estas áreas enfrentam atualmente?

Ao nível da investigação na área (e também do ensino) penso que será a integração da Investigação Operacional e do Apoio à Decisão clássicos com ferramentas puramente da área da Analítica (para Big-Data) e da Inteligência Artificial. Esse é um dos grandes desafios que me parece termos pela frente a muito breve prazo. Um outro desafio é tentar entrar no tecido empresarial de forma mais sistemática com diferentes tipos de estágios para que os estudantes possam passar da teoria à prática e ver todas as vantagens das metodologias de Investigação Operacional e Apoio à Decisão.

Deverá existir uma maior e mais coesa cooperação entre engenheiros e cientistas?

Penso que essa coesão existe até de forma muito forte no IST. Do ponto de vista clássico entenda-se cientista como o indivíduo que se debruça sobre um tópico específico e procura adquirir conhecimento sobre esse tópico e depois produzir novo conhecimento, enquanto o engenheiro estaria ligado mais à aplicação do conhecimento científico. Ora, a maior parte dos investigadores do IST são engenheiros e, portanto, engenheiros-cientistas. Muitos dos problemas de investigação aparecem quando estamos a aplicar as nossas ferramentas para resolver um problema prático. Esses são em geral os mais interessantes e cujos resultados das investigações mais beneficiam as sociedades.

Por outro lado, que oportunidades começam a surgir que não existiam antes?

As oportunidades situam-se muito nas fronteiras entre a investigação operacional/apoio à decisão e são uma vantagem para os profissionais destas áreas dada a sua flexibilidade e adaptabilidade. Apontaria as fronteiras com (1) as ciências cognitivas e do comportamento para enriquecer ferramentas de apoio à estruturação de problemas, gestão de conflitos e liderança; (2) a analítica pura no tratamento de quantidades massivas de dados, uma vez que os problemas de decisão com que nos deparamos atualmente são cada vez de maiores dimensões e complexidade; (3) a inteligência artificial, nomeadamente na utilização de técnicas de aprendizagem das preferências (4) a informática, sobretudo na conceção/utilização de plataformas web que possam tornar mais acessíveis os métodos e modelos de apoio à decisão e (5) na multidisciplinariedade, mais precisamente no que concerne à utilização de metodologias integradas para a resolução de problemas complexo.

Azeite alentejano é reconhecido como sabor do ano 2019

Este reconhecimento vem reforçar a qualidade do Azeite de Moura DOP Virgem Extra, que tem vindo a ser reconhecido tanto a nível nacional como internacional e que conquista agora, pelo quarto ano consecutivo, o título de Sabor do Ano.

O Azeite de Moura DOP Virgem Extra da CAMB conjuga de modo perfeito três cultivares de azeitona (galega, verdeal e cordovil), revelando uma ondulação fresca e intensa de aromas de vegetais verdes que oscilam com a suavidade de aromas de frutos secos. Estas características de verdes e maduros aromatizam e complementam muito bem as confeções gastronómicas de aromas discretos e complexos como saladas de alface, carnes brancas, peixes magros, massas e arroz branco, queijo frescos e pouco curados.

O Azeite de Moura DOP Virgem Extra da CAMB pode ser encontrado em garrafas de 500 ml, 750 ml e 5 lt nos princípais super e hipermercados portugueses.

Neves de Almeida anuncia vencedores do índice da excelência

Estão prestes a ser anunciados os vencedores da terceira edição do estudo de clima organizacional e desenvolvimento do capital humano “Índice da Excelência”, promovido pela consultora Neves de Almeida | HR Consulting em parceria com a Human Resources Portugal, a Executive Digest e o INDEG-ISCTE. A cerimónia de entrega de prémios, que tem lugar no dia 20 de fevereiro, no Montes Claros – Lisbon Secret Spot, em Lisboa, vai destacar as empresas que mais investem na área dos Recursos Humanos e no desenvolvimento e satisfação dos seus colaboradores.

A iniciativa conta com a participação de cerca de duas centenas de organizações e mais de 27 mil profissionais, oriundos de áreas de atividade diversificadas, que vão da Indústria, à Tecnologia, à Saúde e ao Setor Público.

O Índice da Excelência vai premiar organizações em categorias globais de dimensão, definidas por número de colaboradores, entre Grandes Empresas (mais de 251 colaboradores), Médias Empresas (entre 51 e 250) e Pequenas Empresas (entre 11 e 50). Vão igualmente ser premiadas organizações por setor macro de atividade, num total de nove áreas identificadas: Banca, Seguros e Serviços Financeiros; Construção, Infraestruturas, Transportes e Logística; Consultoria e Serviços Profissionais; Hotelaria, Turismo, Desporto e Ensino; Indústria; Retalho e Comércio; Saúde e Farmacêutica; Setor Público; Tecnologia, Media e Telecomunicações.

Portuguesa Domótica SGTA vence prémio em encontro EcoXpert BMS realizado em Boston

No passado mês de outubro, realizou-se o encontro mundial de parceiros EcoXperts da Schneider Electric, o evento denominado de EcoXpert BMS Master Event teve lugar em Boston e contou com a presença de 35 empresas de 18 países. Portugal foi representado pelos parceiros Easycontrol, Microprocessador e Domótica SGTA, esta última vencedora na categoria de “Technical Innovation”. Uma distinção que visou premiar os melhores projetos implementados a nível mundial.

Inaugurada em 1988, a Domótica Sgta foi pioneira em Portugal na concepção, instalação e colocação em serviço de sistemas de controlo e gestão técnica em edifícios. Na base da sua atividade está a criação de soluções inovadoras de Gestão Integrada de Edifícios que consigam responder às necessidades dos seus utilizadores garantindo conforto, segurança e eficiência energética. A Domótica SGTA é um dos parceiros estratégicos da Schneider Electric e peça fundamental para a implementação de diversas soluções em solo nacional.

Fernando Ferreira, Ecobuildings Manager da Schneider Electric, referiu que “É com orgulho que vemos um parceiro Português em destaque pela inovação tecnológica, concorrendo com a solução implementada numa grande cadeia de supermercados, que teve origem numa parceira entre a Schneider Electric e o parceiro, tendo esta a particularidade de juntar EcoStruxure Buildings (BMS) com EcoStruxure Power (PME).”

No EcoXpert BMS Master Event para além da apresentação da evolução de produtos e soluções, foram criados grupos de trabalho, entre os diferentes parceiros, capazes de dar feedback sobre o atual estado do mercado. O concurso no qual a Domótica SGTA saiu vencedora na categoria de “Technical Innovation” premiou ainda outros três parceiros da Austrália, Estados Unidos da América e Hong Kong, nas categorias de “Achievement in Business Development”, “Partner of Distinction” e “Project of the Year” respectivamente.

Francisco Pombas, Diretor Geral, sobre esta distinção afirmou que “Este prémio reflete o trabalho que toda a equipa da Domótica SGTA tem desenvolvido desde o início da sua atividade. Fazer parte do programa de parceiros EcoXpert da Schneider Electric veio acrescentar valor às  nossas soluções e muito tem contribuído para o desenvolvimento, com sucesso, de diversos projetos a nível global”.

Sobre a Schneider Electric

A Schneider Electric lidera a Transformação Digital na Gestão de Energia e Automação em Habitações, Edifícios, Data Centers, Infraestruturas e Indústrias.

Com uma presença global em mais de 100 países, a Schneider é líder incontestável na gestão de energia – em Média e Baixa Tensão, Alimentação Elétrica Segura e em Sistemas de Automação.

Fornecemos soluções integradas e eficientes que combinam energia, automação e software. No nosso Ecossistema global, colaboramos com a maior Comunidade de Parceiros, Integradores e Programadores através de uma Plataforma Aberta para proporcionar controlo em tempo real e eficiência operacional.

Acreditamos que bons colaboradores e parceiros fazem da Schneider uma grande empresa e que o nosso compromisso com a Inovação, Diversidade e Sustentabilidade garantem que Life Is On em qualquer lugar, para todos e em todos os momentos.

LUSA

2.ª EDIÇÃO DO PRÉMIO JANSSEN INOVAÇÃO

A cerimónia de entrega dos prémios da 2.ª edição do Prémio Janssen Inovação realiza-se no próximo dia 9 de maio, às 16h30, no Auditório Carvalho Guerra, no Campus Foz da Universidade Católica Portuguesa (UCP), no Porto. A Janssen Portugal, companhia farmacêutica do grupo Johnson & Johnson, e a UCP vão atribuir três prémios com um valor total de 60 mil euros, repartidos pelo 1.º, 2.º e 3.º prémio, 30 mil euros, 20 mil euros e 10 mil euros, respetivamente. O Prémio Janssen Inovação foi lançado em abril de 2016, com o intuito de promover e incentivar a investigação científica de excelência realizada em Portugal. A presente edição pretende distinguir trabalhos científicos nas áreas de Imunologia, Infecciologia, Neurociências, Oncologia e Hipertensão Pulmonar.

Durante o período de candidaturas, que decorreu entre 13 de novembro de 2017 e 31 de janeiro de 2018, foram recebidos 90 trabalhos.

– PROGRAMA –
16h30 | Receção e welcome coffee
17h00 | Boas-vindas pela UCP e pela Janssen Portugal
17h15 | Intervenção do Presidente da Comissão de Avaliação, Dr. Jorge Sampaio
17h30 | Mesa Redonda: “Investigação em Portugal – que desafios, que oportunidades?”
18h15 | Entrega de Prémios
19h00 | Encerramento – Prof. Doutor Manuel Heitor, Ministro da Ciência,
Tecnologia e Ensino Superior*

*a confirmar

Man Booker Prize: esta é a lista dos primeiros nomeados

É um dos mais cobiçados prémios literários. O Man Booker distingue livros de autores de língua inglesa e vale 50 mil libras (mais de 59 mil euros). Mas conseguir uma nomeação é suficiente para garantirnotoriedade e aumento de vendas de livros internacionalmente.

Link permanente de imagem incorporado

Desde de 1969, que o júri do Man Booker Prize distingue o que melhor se faz em literatura de ficção língua inglesa. Este ano, chegaram à primeira lista de nomeados seis mulheres e sete homens, entre eles o já galardoado com o Prémio Nobel da Literatura J.M. Coetzee.

Coetzee, que já ganhou este prémio por duas vezes, é apontado como um dos favoritos com um livro que só será publicado em setembro, “The Schooldays of Jesus”. Há outros nomes reconhecidos pelo público, como a escritora A.L. Kennedy com “Serious Sweet”, Deborah Levy com “Hot Milk” e Elisabeth Strout com “My Name Is Lucy”. Esta é a lista completa (veja os livros na galeria acima):

  • Paul Beatty (EUA) – “The Sellout” (Oneworld)
  • J.M. Coetzee (África do Sul/Austrália) – “The Schooldays of Jesus” (Harvill Secker)
  • A.L. Kennedy (Reino Unido) – “Serious Sweet” (Jonathan Cape)
  • Deborah Levy (RU) – “Hot Milk” (Hamish Hamilton)
  • Graeme Macrae Burnet (RU) – “His Bloody Project” (Contraband)
  • Ian McGuire (RU) – “The North Water” (Scribner UK)
  • David Means (EUA) – “Hystopia” (Faber & Faber)
  • Wyl Menmuir (RU) – “The Many” (Salt)
  • Ottessa Moshfegh (EUA) – “Eileen” (Jonathan Cape)
  • Virginia Reeves (EUA) – “Work Like Any Other” (Scribner UK)
  • Elizabeth Strout (EUA) – “My Name Is Lucy Barton” (Viking)
  • David Szalay (Canadá-RU) – “All That Man Is” (Jonathan Cape)
  • Madeleine Thien (Canadá) – “Do Not Say We Have Nothing” (Granta Books)

Em declarações ao Independent, a presidente do júri Amanda Foreman garante que este “é um ano muito empolgante”.

Há um grande leque de livros e a qualidade é extremamente elevada. Todos os romances suscitaram grande discussão e, por vezes, debates intensos, desafiando as nossas expectativas do que um romance é e do que deve ser”.

Em edições anteriores do Man Booker Prize foram distinguidos nomes como Salman Rushdie com “Os Filhos da Meia-Noite”, Ian McEwan com “Amesterdão”, Margaret Atwood com “O Assassino Cego” ou Arundhati Roy com “O Deus das Coisas Pequenas”. No ano passado o prémio foi entregue a Marlon James, por “A Brief History of Seven Killings”.

A segunda lista lista de nomeados — shortlist –, que terá apenas 5 nomes, será conhecida no dia 13 de setembro. E a cerimónia de entrega do prémio é feita a 25 de outubro, no edifício Guildhall, em Londres.

PRÉMIO DE 10 MIL EUROS DISTINGUE INVESTIGAÇÃO PORTUGUESA SOBRE ANTIFÚNGICOS

O projeto de investigação vencedor da bolsa de Investigação em Micologia Clínica será trabalhado por Sofia Costa de Oliveira, Ana Pinto e Silva, Isabel Marco Miranda, Cidália Pina Vaz e Acácio Gonçalves Rodrigues, do Serviço de Microbiologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

A equipa de investigadores vai aprofundar os estudos sobre o conhecimento dos mecanismos de resistência das equinocandinas. “As equinocandinas promovem a redução de um componente fundamental da parede fúngica que é o glucano. No entanto, alguns fungos têm a capacidade de compensar essa diminuição produzindo mais quitina, o que torna o tratamento com equinocandinas ineficaz. Acreditamos que existe possibilidade de modular esse mecanismo de escape à ação do antifúngico, potenciando deste modo o seu efeito” avança Sofia Costa de Oliveira, investigadora principal do trabalho.

“Se conseguirmos uma resposta positiva numa melhor utilização dos tratamentos já existentes na infeção fúngica, podemos estar a dar uma resposta que pode significar ganhos para o Serviço Nacional de Saúde, na medida em que não terão de investir em investigação de novas moléculas para tratamento destas doenças. Por vezes, cabe-nos a nós potenciar as moléculas já existentes para aumentar a sua eficácia no tratamento. Os medicamentos já existentes têm ainda muito potencial para serem explorados. Os resultados obtidos com este projeto irão fornecer dados valiosos que permitirão o desenho de novas estratégias terapêuticas para ultrapassar a problemática da resistência ou tolerância às equinocandinas, pelos fungos patogénicos, com implicações na Sáude Pública, Biotecnologia e Agricultura.”, explica Sofia Costa de Oliveira.

Apesar de todos os esforços já desenvolvidos, a mortalidade por candidemia pode chegar aos 40%. Doentes com o sistema imunitário debilitado têm um elevado risco de desenvolver infeção fúngica invasiva, sendo que o número de pessoas que registam esta doença fúngica pode mesmo chegar aos 200 mil casos por ano.

Esta bolsa de investigação foi criada para uma melhor resposta na área da micologia e no tratamento dos fungos que afeta muitas pessoas, especialmente em ambiente hospitalar, por se encontrarem já muito fragilizadas. O prémio conta com o apoio da farmacêutica Astellas Farma.

Sobre o GIS

O Grupo de Infecção e Sepsis do Hospital de São João – GISHSJ – existe formalmente desde janeiro de 2003 e tem como objetivo principal a promoção e divulgação de investigação na área de Infeção e Sepsis. O GIS trabalha para fornecimento de informação científica do âmbito da infeção e sepsis.

Para mais informação consultar http://www.gis.pt/Geral/

Sobre a Astellas Pharma

A Astellas Pharma é uma companhia farmacêutica comprometida com a melhoria do estado de saúde das populações mundiais, fornecendo as mais recentes e inovadoras terapêuticas. O foco da organização está na disponibilização de terapêuticas, ao nível da I&D e da comercialização de tratamentos eficazes, que melhorem a vida dos doentes, continuando a crescer de forma sustentada no seu setor. É uma das 20 maiores empresas farmacêuticas, que emprega cerca de 15 mil colaboradores em todo o mundo.

A Astellas está em Portugal desde 1967, conta com cerca de 53 colaboradores e focaliza-se nas seguintes áreas terapêuticas: Oncologia, Urologia, Transplantação, Anti-infecciosos e Dor.

Para mais informações sobre a Astellas visite http://www.astellas.com.pt/pt/.

 

Lisboa nomeada finalista do Prémio Semana Europeia da Mobilidade 2015

“Lisboa, Múrcia e Palma de Maiorca (Espanha) foram reconhecidas como tendo tido um desempenho excecionalmente bom no sentido de refletir a multimodalidade”, refere em comunicado a Comissão Europeia, acrescentando que estas três cidades adotaram políticas em concordância com o tema ‘Escolha. Mude. Combine’.

As três finalistas foram selecionadas numa lista de 10 das 53 cidades candidatas ao Prémio Semana Europeia da Mobilidade 2015, em que se encontravam Bacau (Roménia), Lárnaka (Chipre), Miskolc (Hungria), Nottingham (Reino Unido), Sófia (Bulgária), Tríkala (Grécia), Viena (Áustria).

Em comunicado, a Comissão informa que, este ano, recebeu “53 candidaturas de 19 países”, explicando que um painel de peritos independentes elaborou “uma lista de 10 candidatas que se distinguiram no domínio da mobilidade urbana de excelência, três das quais foram nomeadas como finalistas”.

O Prémio Semana Europeia da Mobilidade 2015 visa distinguir “as autoridades locais que promovam a mobilidade urbana sustentável de forma excecional” e que se esforcem na “transição para meios de transporte mais sustentáveis”, explicou o órgão executivo da União Europeia.

“Não é apenas o desempenho das cidades durante a Semana Europeia da Mobilidade, realizada em setembro, que é considerado, mas também as medidas aplicadas pelas cidades concorrentes a mais longo prazo”, frisou fonte da Comissão Europeia.

A cidade vencedora do Prémio de 2015 vai receber “um vídeo de promoção, evidenciando os resultados excecionais atingidos na mobilidade urbana sustentável que será divulgado como exemplo de boas práticas”, informou.

A Comissão anunciou também as três cidades finalistas do Prémio para o Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável, que visa promover a adoção de planos de mobilidade urbana sustentáveis em toda a Europa, em que foram nomeadas Malmö (Suécia), Utrecht (Países Baixos) e Viena (Áustria).

Os vencedores dos dois Prémios vão ser anunciados a 20 de abril, numa cerimónia em Bruxelas, pela responsável pelos Transportes, Comissária Violeta Bulc, e pelo responsável pelo Ambiente, Assuntos Marítimos e Pescas, Comissário Karmenu Vella.

Em 2015, a cidade de Östersund (Suécia) venceu o Prémio Semana Europeia da Mobilidade 2014 e a cidade de Bremen (Alemanha) arrecadou o Prémio para o Planeamento da Mobilidade Urbana Sustentável.

 

EMPRESAS