Inicio Tags Smartphone

Tag: Smartphone

Holanda instala semáforos no chão para quem não larga o telemóvel

Uma cidade holandesa está a testar um sistema de sinais luminosos, um semáforo implantado no chão para zelar pela segurança rodoviária. A ideia é que os sinais luminosos atraiam a atenção das pessoas que se distraem com telemóveis e outros aparelhos, enquanto andam na rua.

O sistema de ilumação horizontal, em LED, de nome +Lichtlijn (ou seja, +Linhaluminosa) foi instalado na proximidade de três escolas, junto a um local de travessia de rua e coexiste com os semáforos normais, verticais, usando as mesmas cores para mandar parar ou avançar os transeuntes. Tal como os semáforos verticais a que estamos habituados, as luzes horizontais variam entre o verde e o vermelho, consoante o tráfego.

A ideia do município de Bodegraven é fazer com que quem esteja distraído, a usar o smartphone, seja atraído pelas luzes no chão e tome cuidado ao atravessar a rua. “Redes sociais, jogos, o WhatsApp e música causam grandes distracções no tráfego. Podemos não conseguir alterar esta tendência, mas podemos antecipar problemas”, justifica o vereador Kees Oskam.

O sistema, +Lichtlijn (linha da luz, em português), foi desenvolvido por uma empresa local, a HIG Traffic Systems, e já foi alvo de criticas por parte da Associação Holandesa para a Segurança Rodoviária.

“Não é boa ideia ajudar os utilizadores de telemóveis a olharem para eles. Não queremos que as pessoas usem telemóveis quando estão na rua, nem que estejam só a dar uma volta. As pessoas têm sempre de olhar em seu redor, para verem se os carros param nos sinais vermelhos”, disse o porta-voz do organismo, Jose de Long.

De acordo com o jornal holandês “DutchNew”, Long acusou o sistema em causa de “compactuar com as más condutas dos peões”.

Nova aplicação para smartphone para comprar bilhete de metro, barco ou autocarro em Lisboa

Com esta aplicação será possível comprar o passe mensal ou pagar os bilhetes de bordo, em Lisboa, sem ter de se dirigir às máquinas. Trata-se da aplicação Via Verde Transportes. Basta descarregar a aplicação, efetuar o registo e criar ou utilizar uma conta Via Verde. Para validar o bilhete, bastará aproximar o smartphone do validador.

A aplicação Via Verde Transportes fica instalada no telemóvel do utilizador, sendo debitado o preço do bilhete da viagem por si realizada na Carris, Metro ou Transtejo, via ‘bluetooth’, graças ao desenvolvimento da tecnologia Zabeacon, com baixos consumos de energia.

O sistema de pagamento varia conforme a utilização. Se comprar o passe mensal, por exemplo, este fica automaticamente disponível na aplicação; se viajar com bilhete normal, é aplicada “automaticamente a tarifa mais vantajosa”, de acordo com o percurso efetuado pelo utente. As viagens serão cobradas após a utilização através da conta Via Verde.

No futuro, esta aplicação deverá permitir ainda o planeamento de viagens, tendo em conta as opções de meios de transporte público disponíveis e os horários de serviço.

Smartphone que custa menos de sete euros? Sim, existe

Uma fabricante indiana vai lançar hoje um dos smartphones mais baratos no mundo. O Freedom 251 é fabricado por uma empresa da Índia chamada Ringing Bells.
Diz o Mashable que a empresa não revelou muitos detalhes sobre o dispositivo mas que é provável ter rede 3G, uma vez que a Ringing Bells lançou o smartphone mais barato da Índia com 4G.
A Índia é, neste momento, o seu maior mercado mundial de smartphones do mundo, tendo 220 milhões de utilizadores.

VAI SER POSSÍVEL ACEDER À INTERNET EM ZONAS REMOTAS DO OCEANO – A MAIS DE 100 KM DA COSTA

Projeto pioneiro a nível mundial tem como objetivo tornar possível aceder à Internet em zonas remotas do oceano, a mais de 100 km da costa, em banda larga e com baixo custo, utilizando tecnologias de acesso normalizadas como o Wi-Fi e o 4G, para suporte à Economia Azul, incluindo as pescas e o transporte marítimo.

O objetivo do projeto BLUECOM+ (http://bluecomplus.inesctec.pt), que está a ser desenvolvido por portugueses e noruegueses, é facilitar atividades como a exploração de recursos minerais no fundo oceânico, monitorização ambiental ou atividades mais tradicionais como a pesca ou o transporte marítimo, que exigem cada vez mais o acesso a comunicações no mar, de modo a ligar pessoas e sistemas à Internet.

O conceito do projeto, que envolve o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) e a MARLO AS (parceiro norueguês) baseia-se na utilização de balões de hélio ancorados, por exemplo, em boias, embarcações ou parques eólicos, que formam uma rede voadora emalhada de banda larga a operar nas bandas de frequência libertadas pela televisão analógica, de modo a garantir ligações rádio de longo alcance.

De acordo com Rui Campos, investigador do INESC TEC e coordenador do projeto, a grande novidade do BLUECOM+ assenta em três componentes: a exploração em ambiente marítimo das bandas de frequência libertadas pela
televisão analógica, a utilização de combinações de balão de hélio e papagaio que funcionam como pontos de acesso sem fios e repetidores de sinal de elevada altitude, com benefícios para a propagação rádio e consequentemente para o alcance das comunicações e o acesso à Internet em banda larga em zonas remotas do oceano usando tecnologias normalizadas.

“A conjugação destas três componentes vai permitir, por exemplo, que um utilizador numa embarcação a 100 km da costa possa aceder à Internet de banda larga usando o seu smartphone, sem ter que fazer qualquer atualização de hardware ou software no seu dispositivo. Esta é uma novidade à escala mundial e uma alternativa às comunicações via satélite, que são hoje a única solução disponível”, explica o investigador do INESC TEC.

O projeto, que termina em dezembro de 2016, tem como objetivo último construir um protótipo da solução de comunicações sem fios e demonstrá-lo em ambiente marítimo, no verão de 2016, recorrendo a duas embarcações do IPMA que vão funcionar como pontos de ancoragem dos balões de hélio e papagaio.

“Tendo em conta a escassez de comunicações de banda larga em ambiente marítimo e a atividade crescente no mar, do nosso ponto de vista o potencial económico do projeto é muito elevado”, salienta Rui Campos.

Na opinião do investigador, a solução desenvolvida poderá ter impacto nos vários setores da Economia Azul, incluindo o transporte marítimo, as pescas, a aquacultura offshore, o turismo, a náutica de recreio e a exploração de recursos minerais no fundo oceânico, contribuindo para a dinamização da economia digital em ambiente marítimo e convergência com o cenário de comunicações existente em terra.

“Sendo este um projeto inovador, a tecnologia desenvolvida tem potencial de exportação e os modelos de negócio que vão ser estudados ainda durante o projeto vão ter aplicabilidade a nível mundial”, conclui o coordenador do projeto. O BLUECOM+ está alinhado com a iniciativa TEC4SEA (http://www.tec4sea.com), que o INESC TEC tem vindo a desenvolver desde 2012 com sistemas como o JANUS, que tem como objetivo transformar os barcos de pesca em pontos de retransmissão de sinal de Internet para outras embarcações que não estejam em alcance da rede terrestre, ou o MARBED, uma rede wireless marítima piloto instalada na costa da área metropolitana do Porto. O projeto BLUECOM+ é financiado pelos EEA Grants e pela Norways Grants.

Polaroid lança dois smartphones Android

A Polaroid ficou famosa por criar as câmaras instantâneas em 1948, que imprimiam as fotos em apenas 60 segundos, mas acabou por abrir falência em 2001 com a chegada da fotografia digital. Investindo numa nova área, a companhia apresentou na CES dois novos smartphones Android feitos pela Southern Telecon.

O Polaroid Power, um dos modelos lançados, tem tela de 6 polegadas com 1080×1920 de resolução, contando também com 3 GB de RAM, 32 GB de armazenamento interno, câmara traseira de 13 MP e câmara frontal de 8MP. O Power vai chegar às lojas por 250 dólares.

O outro modelo lançado é o Polaroid Snap que possui três versões diferentes para o tamanho do display, 5, 5,5 e 6 polegadas. Todas as versões contam com resolução de 720×1280, possuem 2 GB de RAM e 16 GB de armazenamento interno. Além disso, o modelo conta com câmara traseira de 13 MP e câmara frontal com flash de 5 MP. O preço do Snap vai variar conforme o tamanho da tela, custando entre 130 e 180 dólares e disponível a partir do próximo mês.

EMPRESAS