“O Luxemburgo deve ser concebido e gerido de forma Sustentável, Resiliente e Eficiente”

Claude Turmes, Ministro da Energia e do Ordenamento do Território do Luxemburgo garante, em entrevista à Revista Pontos de Vista, que “é urgente agir e inverter as tendências de desenvolvimento atuais, promover uma maior sensibilização dos cidadãos para os desafios que já enfrentamos e que enfrentaremos ainda mais no futuro”. Entre outros detalhes, o interlocutor confidenciou ainda quais são as estratégias delineadas pelo Ministério na transição do país para uma economia verde.

Data:

O Ministério da Energia e do Planeamento Regional está dividido em dois departamentos: o Departamento de Energia e o Departamento de Ordenamento do Território. Assim, qual tem sido o papel da organização em relação à transição de Luxemburgo para uma economia verde?
O Departamento de Energia coordena a política energética do país e os objetivos de assegurar um abastecimento energético sustentável, manter e reforçar o abastecimento nacional de eletricidade, gás natural, combustíveis sólidos e líquidos e energias renováveis. A eficiência energética e a economia de energia também são fatores-chave no que diz respeito à transição de Luxemburgo para uma economia verde. O Departamento de Ordenamento do Território assegura a coordenação das políticas setoriais municipais, intermunicipais, nacionais, transfronteiriças e internacionais com impacto no desenvolvimento territorial. A política de ordenamento do território visa assegurar o respeito pelo interesse geral, garantindo condições de vida ótimas para toda a população através do desenvolvimento e desenvolvimento sustentável de todas as partes do território nacional. Neste contexto, é garantido o uso racional do solo e um desenvolvimento urbano concêntrico e coerente.

Sabemos que no Departamento de Energia, a política energética do país é coordenada com o objetivo de garantir o abastecimento energético sustentável. Como o Ministério promove esta missão e a realiza com sucesso?
A política energética do Luxemburgo visa responder aos desafios climáticos e ambientais e garantir a segurança de abastecimento do país. O Luxemburgo cumpre a ambição climática definida pela comunidade internacional através do Acordo de Paris. Para atingir este objetivo, é imperativo almejar e atingir os objetivos de zero emissões até 2050 e a transição para 100% de energia renovável. O Plano Nacional Integrado de Energia e Clima fornece a base para a política climática e energética de Luxemburgo. Descreve as políticas e medidas para atingir as ambiciosas metas nacionais de redução das emissões de gases com efeito de estufa (-55%), energias renováveis ​​(25%) e eficiência energética (de 40 para 44%) até 2030. Constitui o roteiro que irá ser posto em prática através da adoção de regulamentos, programas e projetos nas áreas específicas entre 2020 e 2030. Os principais pilares são o desenvolvimento massivo das energias renováveis, a sua integração na rede energética em particular através do desenvolvimento de armazenamento de energia descentralizado, redes energéticas digitais e, portanto, muito mais eficientes, a utilização de meios de transporte mais sustentáveis, um parque imobiliário inteligente e uma redução da energia cinzenta contida nos stocks e fluxos de materiais.

O Departamento de Ordenamento do Território visa garantir as condições de vida da população através da valorização e desenvolvimento sustentável de todas as partes do território luxemburguês. Como ministro, quais considera que são os maiores impactos sociais (positivos) para a população na garantia dessa qualidade de vida?
A Lei do Ordenamento do Território estipula que é necessário “garantir o respeito pelo interesse geral, assegurando condições de vida ótimas para toda a população”. Assim, é essa a missão do Departamento de Ordenamento do Território (DATer): definir, propor e implementar objetivos concretos e estratégias territoriais de desenvolvimento e transição a vários níveis – local, regional, nacional e transfronteiriço – e deve torná-lo possível manter e melhorar as condições de vida de toda a população em todo o país, combinando proteção, valorização e gestão eficiente das nossas paisagens e recursos naturais limitados. Garantir um equilíbrio harmonioso entre “viver-trabalhar-relaxar” é fundamental na nossa sociedade: para cada um de nós, uma ótima qualidade de vida é essencial para o desenvolvimento pessoal e profissional. É também um aspeto importante para garantir a coesão social na nossa sociedade. Viver num país onde a vida é boa, onde a natureza está à porta, em que ofertas, equipamentos e serviços de todo o tipo estão ao alcance “dos pés” em poucos minutos, estas são, em última análise, condições de vida com efeitos positivos para os nossos residentes, e para os nossos trabalhadores transfronteiriços. Os conceitos de natureza na cidade, cinturões verdes em torno das principais aglomerações ou mesmo a cidade do quarto de hora são, assim, parte integrante da estratégia de desenvolvimento territorial elaborada pelo Ministro do Ordenamento do Território.

É legítimo afirmar que, para um país como o Luxemburgo, é realmente importante avançar para a sustentabilidade e para uma economia verde? Porquê?
Devido à sua dimensão, é óbvio que o Luxemburgo deve ser concebido e gerido de forma sustentável, resiliente e eficiente. Os problemas que enfrentamos atualmente em vários domínios como a habitação, a mobilidade, o ambiente e a coesão social, exigem soluções sólidas, duradouras e partilhadas para responder às duas questões essenciais do ordenamento do território: como garantir e melhorar a qualidade de vida dos toda a população e como garantir a preservação do meio ambiente e da biodiversidade, ao mesmo tempo em que permite que o país continue a desenvolver-se. Estas questões devem ser apreendidas numa atitude prospetiva para as próximas duas ou três décadas, tendo em conta a capacidade do território e os limites dos seus recursos, em primeiro lugar o solo que é um recurso seguramente flexível mas limitado. Sabendo que o solo não cresce no Luxemburgo, que os efeitos das alterações climáticas também se fazem sentir cada vez mais no Luxemburgo, avançar para a sustentabilidade e para a economia verde do país não é apenas legítimo, mas uma obrigação, política e cívica. Se não seguirmos nesta direção, dificilmente o mundo político poderá implementar uma transição ecológica justa e inclusiva, organizar a resiliência do território nacional – com influência transfronteiriça – e assim contribuir para a qualidade de vida para nós e para as gerações futuras. Esta estratégia de desenvolvimento territorial pressupõe uma nova abordagem ao ordenamento do território multissetorial e transversal que combina multifuncionalidade, regeneração urbana, experimentação e inovação. De facto, a pequenez do país obriga-nos a preparar a sua resiliência e a garantir a gestão sustentável dos recursos naturais, utilizando o solo com sabedoria, reduzindo a sua artificialização.

Sabemos que foram elaboradas propostas estratégicas de ordenamento do território com o objetivo de produzir cenários de transição ecológica até 2050. De que propostas estamos a falar? O que está a ser feito na prática?
Lançada em junho de 2020, a consulta internacional Luxemburgo em Transição reuniu propostas estratégicas de ordenamento do território e produziu cenários de transição ecológica/zero carbono até 2050 para o Grão-Ducado do Luxemburgo e para a sua área transfronteiriça. A obra foi concluída em janeiro de 2022 com um vasto conjunto de novos caminhos para contribuir para a transição ecológica e propor uma nova cultura de ordenamento do território: foi um verdadeiro laboratório de ideias, estratégias e conceitos inovadores, com experiências propostas por especialistas e também por cidadãos. O resultado é um conjunto de conceitos e propostas que representam uma fonte de inspiração para um ordenamento do território diferente. Perante os muitos desafios climáticos e questões sociais que surgem, a consulta teve como objetivo desenvolver conceitos “fora da caixa” para uma nova abordagem ao ordenamento do território e apoiar a transição ecológica do território até 2050. Sete caminhos marcam o caminho para um território de baixo carbono, resiliente e sustentável: zero artificialização líquida do solo, redução das necessidades de mobilidade, multifuncionalidade no uso do solo e das construções, transformação da dieta e das práticas agrícolas, política fundiária e habitacional para o bem comum, proteção dos recursos naturais recursos, desenvolvimento económico justo e unido. A consulta internacional pretende ser o gatilho para o processo coletivo do Luxemburgo em Transição: trata-se de ancorar na realidade territorial do Luxemburgo e com os parceiros transfronteiriços os cenários, estratégias e conceitos desenvolvidos para desencadear uma dinâmica que seja factível e concreta. Os primeiros passos consistirão no lançamento de projetos-piloto que pretendem funcionar como demonstradores da capacidade da sociedade luxemburguesa de se comprometer efetivamente com o caminho da transição territorial.

A verdade é que as organizações ainda enfrentam inúmeros desafios nesse longo caminho para a economia verde. No seu ponto de vista, quais são os maiores e como devem ser colmatados?
É urgente agir e inverter as tendências de desenvolvimento atuais, promover uma maior sensibilização dos cidadãos para os desafios que já enfrentamos e que enfrentaremos ainda mais no futuro, para fazer com que os decisores de todo o tipo compreendam que é necessária uma nova abordagem. Precisamos, portanto, de uma mudança de paradigma, de outra cultura de planeamento e, sabendo que o espaço cria comportamentos entre os nossos concidadãos, é mais do que apropriado desenvolver uma nova abordagem de ordenamento do território que gira em torno da combinação e conciliação de funções (habitação, emprego, lazer), mobilidade sustentável e ativa, alimentação, desenvolvimento urbano e rural, oferta de serviços e equipamentos públicos, gestão eficiente dos recursos naturais, financeiros e humanos. Fazer com que os cidadãos adiram a esta mudança de comportamento é fundamental: para isso, devem ser-lhes facultadas, com toda a honestidade e transparência, as informações de que necessitam para estarem a par dos factos e realidades presentes e futuras. A experiência do Comité de Cidadãos 2050 no âmbito da consulta Luxemburgo em Transição mostra que informar deve ser acompanhado de formação: não basta informar, é importante formar o cidadão sobre as questões num processo de aprendizagem recíproca. Um cidadão (in)treinado é um cidadão valorizado e esclarecido que pode apoiar ou se opor à tomada de decisões políticas ou económicas. Os desafios a enfrentar são numerosos e de natureza diversa, mas o mais difícil é que pressupõe que a sociedade e o território tenham de se adaptar e reconverter para evoluir e melhorar de forma a garantir um quadro de qualidade de vida.

Com os olhos postos no futuro, quais os passos mais importantes a dar nesta transição, a médio e longo prazo? Que novas medidas estão a ser delineadas?
Do ponto de vista da política de ordenamento do território, o novo programa mestre de ordenamento do território define uma abordagem e orientações estratégicas concretas com objetivos políticos que visam a redução da ocupação do território, a concentração do desenvolvimento nos locais mais apropriados e um planeamento resolutamente transfronteiriço. Esta abordagem deve ser realizada, a nível nacional, de acordo com as políticas setoriais nacionais, incluindo o Plano Nacional Integrado de Energia e Clima (PNEC, 2018) e a Estratégia Nacional de Ação Climática de Longo Prazo “Rumo à neutralidade carbónica até 2050” e, a nível internacional, de acordo com o “Green Deal” e a Estratégia da União Europeia para a Proteção do Solo até 2030. Responder a todos os desafios territoriais do país requer, portanto, a formulação de uma estratégia territorial que só pode ser desdobrada em várias etapas, de duas grandes fases. Uma primeira fase, até 2035, deve ser uma oportunidade para iniciar a reversão de tendências e culturas de planeamento que não estejam em conformidade com os princípios e objetivos de uma nova cultura de planeamento. O fenómeno da disseminação difusa da urbanização e o fortalecimento do quadro urbano para servir de catalisador para uma mudança de comportamento com efeito de desacelerar significativamente os efeitos climáticos e energéticos de nossos modos de vida que se encaixam no território. Ao mesmo tempo, tratar-se-á de iniciar e apoiar projetos-piloto, manifestantes concretos e unificadores de alianças com diversos atores políticos e cívicos, dando-se o direito de experimentar e a capacidade de inovar. A segunda fase, entre 2035 e 2050, deverá ver gradualmente a mudança de paradigma na relação da nossa sociedade com o consumo dos recursos naturais, em primeiro lugar o solo. É no final desta segunda fase, o mais tardar, que a nossa sociedade deve ser resiliente, descarbonizada e que a artificialização do solo será reduzida ou mesmo inexistente.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 116

Popular

Mais Artigos deste tipo

Ano novo no Porto celebrado ao som de Fernando Daniel e Diogo Piçarra

Os grandes concertos da festa de Passagem de Ano...

Mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

Em linha com este crescimento do comércio online, o...

Mais 70% de clientes ‘Plug&Charge’ e 40 lojas

“Este incremento resulta da abertura de novos pontos em...