Do Mi 1 ao Xiaomi 12T Pro: o que mudou em 12 anos?

Em 2011, a Xiaomi apresentava ao mercado chinês o Mi 1, o primeiro topo de gama da marca, e que na altura atingiu as 300 mil pré-reservas em apenas 34 horas. Cerca de 12 anos depois o que mudou desse emblemático smartphone para o mais recente Xiaomi 12T Pro?

Data:

Em 2011, o Mi 1 com o (na altura) poderoso Qualcomm MSM8260 formado por dois núcleos de 1,7GHz, 1GB de RAM e 4GB de armazenamento interno, deu hoje lugar ao 12T Pro com Snapdragon 8 Gen 1 que garante uma alta performance com um consumo reduzido de energia, para além do sistema de dissipação de calor e cobertura de material térmico, para proporcionar uma experiência suave e eficiência energética comprovada.

Quanto ao ecrã, o Mi 1 contava com um LCD de 4 polegadas e uma das mais altas resoluções (480 × 854 pixels) que podíamos obter em 2011. Já o Xiaomi 12T Pro oferece uma experiência de visualização diferenciadora com o ecrã de 6,67″ CrystalRes AMOLED, resolução de 1220p e mais de 68 mil milhões de cores.

No campo da fotografia, no Mi 1 podíamos contar com um único sensor fotográfico na traseira com um total de 8MP, enquanto o 12T Pro surge com um sistema de câmara tripla que alcança os 200MP, hardware inovador e o auxílio dos algoritmos avançados de Inteligência Artificial da marca, tudo isto para garantir imagens com total clareza em diferentes condições.

A bateria passou de 1,930mAh no Mi 1 para uns incríveis 5.000mAh no Xiaomi 12T Pro, com sistema HyperCharge de 120W que permite um carregamento a 100% em apenas 19 minutos e fica pronto para até 13 horas e 30 minutos de utilização[1].

Tal como o Mi 1 contou na altura com duas versões, também a série 12T está disponível em duas versões distintas.

Este é mais um exemplo da tremenda evolução dos smartphones Xiaomi que têm vindo a chegar ao mercado, aliando o tremendo potencial de todas as tecnologias associadas e sempre a um preço justo.

[1]Dados dos Laboratórios Xiaomi. Velocidade de carregamento testada em modo boost. A duração real da bateria pode variar em função do ambiente de rede, padrões de utilização e outros fatores. A capacidade máxima da bateria irá naturalmente diminuir com o tempo e a utilização.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 117

Popular

Mais Artigos deste tipo

Sete em cada dez empresas tem perspetivas de crescimento e maioria quer recrutar mais em 2023

Os objetivos de crescimento, de acordo com o estudo,...

“Na Rota do Tráfico com Mariana Van Zeller” regressa ao National Geographic com 3ª temporada

“Na Rota do Tráfico com Mariana Van Zeller” regressa...

A Feira “Sabores de Chaves” regressa de 17 a 19 de fevereiro com 60 expositores

"Sabores de Chaves" regressa à cidade flaviense de 17...