VILAMOURA WORLD instalará 60.000 m2 de painéis fotovoltaicos até 2035

A pensar no futuro, a Master Planner de Vilamoura, com o apoio da empresa local LUZSIMPLES, dá início à implementação de uma Comunidade de Energia Renovável.

Data:

A Vilamoura World, Master Planner de Vilamoura e responsável pela promoção dos seus lotes residenciais e turísticos, tem em curso a implementação de uma Comunidade de Energia Renovável (regime de Autoconsumo Coletivo – ACC), em parceria com a LUZSIMPLES, empresa regional que opera no mercado da energia.

Uma Comunidade de Energia Renovável contrasta com um sistema de autoconsumo individual (em que cada produtor produz energia exclusivamente para abastecer o seu local de consumo), na medida em que passa a existir um produtor que, para além de produzir eletricidade para si, produz também para os seus vizinhos, o que representa benefícios ambientais para o território e económicos para os seus ocupantes.

No total e até 2035, o projeto prevê a instalação de cerca de 60.000m² de painéis fotovoltaicos no território de Vilamoura, comum potencial estimado de produção anual de 50.000MWh (megawatts/hora), suficientes para fornecer eletricidade a cerca de 15.000 casas. Esta produção renovável evitará a emissão de aproximadamente 10.000 toneladas de CO2 ao ano, o equivalente à plantação de cerca de 80.000 árvores todos os anos.

Numa primeira fase, até 2024, a CER de Vilamoura permitirá a produção de 2.000MWh de energia renovável por ano, o que se traduz no fornecimento de eletricidade a mais de 1.000 famílias, numa redução inicial de cerca de 450 toneladas de emissões de CO2.

João Brion Sanches, CEO da Vilamoura World começa por explicar: “O Plano Nacional de Energia e Clima (PNEC) estipula que as energias renováveis sejam responsáveis por 80% da produção de eletricidade até 2030, pelo que estamos conscientes que é necessário promover a transição energética. Além disso, a nossa visão para Vilamoura, enquanto melhor destino do Algarve para viver, passar férias e investir, implica também apostar na sustentabilidade. Por isso, decidimos avançar com este ambicioso projeto, que se aplicará a todos os nossos projetos imobiliários e é extensível às áreas já consolidadas de Vilamoura”, acrescentando que “ao criarmos uma Comunidade de Energia Renovável, pretendemos auxiliar os nossos atuais e potenciais clientes a reduzirem os seus custos de energia em 25% a 30%, contribuindo para a descarbonização da economia e acompanhando também as políticas de sustentabilidade promovidas pela Câmara Municipal de Loulé”.

A LUZSIMPLES foi a empresa escolhida para concretizar este projeto. “Sendo um parceiro sediado na região do Algarve e com know-how, contribuirá certamente para o desenvolvimento da economia local e para a fixação de conhecimento tecnológico na região”, finaliza João Brion Sanches.

Por sua vez, José Carlos Faria, cofundador da LUZSIMPLES e Engenheiro Civil que liderará a equipa técnica da CER, afirma: “Certos de que o processo de transição energética será rápido, traçámos um posicionamento próximo dos nossos stakeholders, de forma a que possamos fazer parte desta mudança no setor. A Vilamoura World é um dos stakeholders fundamentais para a descarbonização do território de Vilamoura, uma vez que é responsável pela promoção dos lotes residenciais e turísticos inseridos nos seus 1.700 hectares, pelo que a nossa associação é estratégica e trará muitos benefícios no futuro”.

Aproveitando as condições meteorológicas e o potencial solar muito favorável da região do Algarve, esta parceria irá permitir a criação de um projeto de referência, tanto a nível nacional, como internacional.

No âmbito desta iniciativa, está ainda previsto o desenvolvimento de um projeto-piloto inovador em Portugal, que passa por converter em hidrogénio a energia excedente produzida pelos sistemas fotovoltaicos, bem como o seu respetivo armazenamento a longo prazo.

De referir ainda que este projeto abrange vários dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável definidos ONU, nomeadamente o ODS7 – Energias renováveis e acessíveis; o ODS9 – Indústria, inovação e infraestruturas; o ODS11 – Cidades e comunidades sustentáveis; o ODS13 – Ação Climática; e o ODS17 – Parcerias para a implementação dos objetivos.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 131

Popular

Mais Artigos deste tipo

APAV apoiou mais de 5.660 crianças e jovens vítimas de crime nos últimos dois anos

Segundo os dados recenemente divulgados, a APAV apoiou no...

Turismo no Algarve: Comprometidos com a Eficiência Hídrica

Por André Gomes, Presidente do Turismo do Algarve Para enfrentar...

“A AMPLIANCE é isso mesmo: Amplitude e Compliance”

A conversa exclusiva com Gracinda Melo, Diretora-Geral da AMPLIANCE,...