PIEP – Uma Entidade de Referência para a Inovação

Cláudia Cristóvão, Engenheira e Diretora-Geral do Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP), abordou, em entrevista à Revista Pontos de Vista, não só o histórico de sucesso desta associação e os serviços que a mesma disponibiliza, como o facto do Fabrico Aditivo (FA) ser considerado uma das tecnologias-chave da quarta revolução industrial. Saiba tudo.

Data:

O Pólo de Inovação em Engenharia de Polímeros (PIEP) é uma associação de direito privado, de matriz tecnológica e científica, com um modelo de gestão empresarial. Tendo sido constituído no ano de 2000, que análise faz destes 23 anos de atividade?
Ao longo de mais de duas décadas de existência, o PIEP tem vindo a consolidar-se enquanto entidade de referência para a inovação, desenvolvendo a sua atividade em inúmeros setores de aplicação, através do desenvolvimento de produtos e tecnologias inovadoras, com elevados níveis de integração e funcionalidade, visando evidenciar a capacidade endógena nacional de responder às tendências do setor e a desafios específicos de inovação, assente na promoção dos princípios do desenvolvimento sustentável fomentando o desenvolvimento socioeconómico e a competitividade industrial.
Somos o resultado do esforço dos nossos fundadores, administradores, diretores, professores e incansáveis colaboradores, que afirmaram e afirmam diariamente este projeto. A consolidação deste projeto requer um empenho conjunto e permanente. Acreditamos na virtude deste modelo e na capacidade do PIEP em continuar a cumprir a sua missão e visão. É pela integração do conhecimento científico na dinâmica empresarial que se pode garantir a qualidade de vida das sociedades.

Assim, desde a sua fundação, o PIEP pretende dar uma resposta de excelência na entrega de produtos e serviços em tempo oportuno, orientada às necessidades de I&D+i das empresas do setor dos plásticos e afins, através de atividades de inovação. Para melhor entender, que serviços esta associação disponibiliza?
O core business do PIEP engloba seis áreas tecnológicas que abrangem os vários domínios do saber em polímeros e compósitos e que se articulam de forma integrada e complementar no processo de produção, gestão e aplicação de conhecimento: Extrusão, Composição e Materiais Avançados, Design e Desenvolvimento do Produto, Processos Avançados de Fabrico com Compósitos, Processos Avançados de Fabrico com Polímeros, Economia Circular e Ambiente, e Testes, Ensaios e Diagnósticos de Falha.
O trabalho desenvolvido pelo PIEP assenta num conjunto de atividades principais ao nível da I&D+i, transferência de tecnologia, consultadoria técnico-científica, formação e prestação de serviços em domínios técnicos e científicos da engenharia, em particular com materiais poliméricos e compósitos.

Além disso, o PIEP pretende também contribuir na vertente da formação, ao apoiar o desenvolvimento de Recursos Humanos com capacidade e experiência em inovação industrial na área da engenharia de polímeros. De que forma o faz?
Com uma forte ligação à indústria e à academia, nomeadamente ao Departamento de Engenharia de Polímeros da Universidade do Minho, com recursos humanos altamente qualificados e diversificados, capacidade e know-how em múltiplas áreas e com elevado envolvimento (com e das) empresas, o PIEP está numa posição privilegiada para dotar a indústria de recursos humanos mais competentes e tornar-se numa referência também no capítulo da formação.
Com o projeto estratégico POLARISE, do programa de financiamento base do Plano de Recuperação e Resiliência, o PIEP vai promover um conjunto de ações que irão alavancar a vertente de formação avançada e orientada à indústria e academia. Uma delas é a criação da Academia PIEP – onde vamos responder aos desafios das empresas, dos profissionais do setor e dos jovens em percurso educativo e formativo, em matéria de conhecimento e competências essenciais para a competitividade. A captação, fixação e desenvolvimento de talento nas empresas, o re-skill e up-skill em função das necessidades do mercado e a formatação das ferramentas necessárias para a construção de uma carreira de sucesso no setor serão o foco da Academia PIEP.
Uma outra ação é a criação de Learning Factories com sistemas de aprendizagem para desenvolver as competências para a implantação e operação de novos processos produtivos – fatores de sucesso para a fábrica do futuro. Os processos e as tecnologias são baseados na realidade industrial, enfatizando a aprendizagem experimental e a melhoria contínua, usando sistemas e células tecnológicas demonstradoras para fomentar a competitividade do tecido empresarial.

Ao observamos o mercado, compreendemos que o Fabrico Aditivo (FA) é considerado como uma das tecnologias-chave da quarta revolução industrial e uma pedra basilar no futuro dos processos produtivos, sendo já comummente utilizado em diversas indústrias. Sendo o PIEP um forte aliado de inovação, como é que tem contribuído para a adoção e disseminação destas tecnologias?
O FA vai dar origem a uma nova revolução das tecnologias de fabrico porque vai permitir aliar a customização com a produção em massa, fazendo um uso ótimo dos materiais. O PIEP tem trabalhado ao nível do desenvolvimento de materiais para esta tecnologia, desde o desenvolvimento de materiais sustentáveis (bioplásticos reforçados com fibras de celulose e cargas minerais naturais, conchas de mexilhão, etc.) até materiais de alta performance para o setor automóvel e aeroespacial (filamentos de impressão 3D condutores elétricos) e impressão com eletrónica integrada. Por outro lado, complementamos esta atividade com a introdução de componentes impressos com tecnologias de fabrico mais maduras.
Filamento condutor elétrico desenvolvido para a ESA

O FA representa assim uma revolução na indústria, oferecendo uma ampla gama de oportunidades. Como é que a impressão 3D e a manufatura aditiva vão alterar o modo de funcionamento de setores inteiros como os moldes, a injeção de plástico ou mesmo a metalúrgica e metalomecânica?
O caminho mais evidente para uma adoção de larga escala do FA passa pela hibridização de processos. No caso dos moldes, a combinação de tecnologias de fabrico subtrativo com fabrico aditivo permite criar moldes mais eficientes (particularmente na gestão térmica) e com geometrias mais customizáveis e menores tempos de entrega. Naturalmente, a engenharia associada a estes processos também tem de ser atualizada e é igualmente fundamental implementar um processo de transformação digital e de validação em laboratório e em chão de fábrica, para melhorar as soluções existentes.
No contexto da injeção de plásticos já é possível combinar materiais metálicos, poliméricos e cerâmicos. Mas o FA pode revolucionar as relações entre estruturas e providenciar viabilidade a processos complementares como é o caso da soldadura termoplástica. Aliás, o novo paradigma de mobilidade elétrica requer o uso de estruturas mais leves com sistemas de ligação mais simplificados e com menos componentes.

Considera que este é um setor em ascensão em Portugal? Estamos preparados para dar resposta ao universo do FA? Como observa o vindouro?
Este é um setor em ascensão nacional e europeia. O PIEP tem acompanhado os desenvolvimentos europeus através da participação em clusters internacionais (3D-MID; VI 3DP BIM, SDAM Alliance Partnership) e em iniciativas nacionais, como as Agendas Mobilizadoras para a Inovação Empresarial (INOV.AM e o Pacto BioEconomia Azul). O PIEP tem também uma parceria com o DONE Lab da Universidade do Minho onde explora novos materiais e técnicas de FA. Portugal tem fabricantes de materiais e equipamentos para FA de referência, pelo que já tem visibilidade a nível internacional. Contudo esta é uma tecnologia que está a ter avanços muitos rápidos (a nível da transformação digital, novos modelos de negócio, e viabilização de circularidade de materiais), e que requer um contínuo investimento ao nível do I&D+i nestes domínios para manter a relevância internacional. Naturalmente o PIEP tem um papel na capacitação das nossas empresas para muitos destes domínios.

Sabendo que o PIEP é um parceiro de referência para a inovação no seio do tecido produtivo nacional e internacional, qual será o papel da associação neste processo revolucionário do FA?
O PIEP tem trabalhado ao nível da prestação de serviços e ensaios para uma resposta célere aos problemas mais urgentes da indústria e complementarmente tem desenvolvido uma estratégia que assenta em projetos diretos e financiados com parceiros nacionais e internacionais para responder aos desafios vindouros. São exemplos disso o projeto europeu Sustronics (Sustainable and green electronics for circular economy), a eletrónica impressa, os dispositivos médicos e materiais qualificados, a impressão de microsatélites, de moldes para a indústria de compósitos, a validação de ferramentas de FA, o desenvolvimento de novos modelos de engenharia, que permitem otimizar as estratégias de fabrico e design de novos produtos que contemplem FA.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 129

Popular

Mais Artigos deste tipo

DepilConcept abre clínica na Maia

Os novos franchisados da insígnia vêm de áreas distintas....

Ornatos Violeta celebram 25 anos de “O Monstro Precisa de Amigos”

O concerto de celebração do 25.º aniversário do segundo...

Venda de livros cresceu 5,8% de janeiro a março, face ao mesmo período de 2023

Segundo a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL),...