Produção de energias renováveis bate recorde em Portugal em 2023 e abastece 61% do consumo de eletricidade

A produção renovável abasteceu 61% do consumo de energia elétrica em Portugal em 2023, num total de 31,2 Terawatts-hora (TWh), o valor mais elevado de sempre no sistema nacional, segundo dados da REN hoje divulgados.

Data:

Segundo a Redes Energéticas Nacionais (REN), a energia eólica abasteceu 25% do consumo, a hidroelétrica 23%, a fotovoltaica 7% e a biomassa 6%.

Registou-se também um crescimento homólogo de 70% na produção hidroelétrica, face ao ano particularmente seco que se tinha registado em 2022, bem como também um crescimento de 43% na produção fotovoltaica, devido ao aumento progressivo da capacidade instalada.

Já a produção não renovável abasteceu apenas 19% do consumo, totalizando 10 TWh, o valor mais baixo desde 1988. “Isto deve-se não só à maior disponibilidade de energia renovável, mas também ao elevado saldo importador, que abasteceu 20% do consumo, tratando-se do valor mais elevado de sempre e da sua maior quota no abastecimento do consumo desde 1981”, apontou a REN.

O consumo de energia elétrica abastecido a partir da rede pública em 2023 alcançou os 50,7 TWh, uma subida de 0,8% face ao ano anterior, sendo o consumo mais alto desde 2018, ficando a cerca de 3% do máximo histórico registado no sistema nacional, em 2010.

Em dezembro, o consumo registou um forte crescimento de 6,9% ou 5,6%, com a correção dos efeitos de temperatura e dias úteis, com a produção renovável a abastecer 73% desse consumo e a não renovável 11%, enquanto os restantes 16% corresponderam ao saldo importador.

No que diz respeito ao gás natural, em 2023, o consumo global foi o mais baixo desde 2014, alcançando 49 TWh, o que representa uma descida de 21% face ao ano anterior, resultado de uma redução de 42% no segmento de produção de energia elétrica e de uma diminuição de 3% no segmento convencional.

O aprovisionamento do sistema nacional em 2023 foi feito fundamentalmente a partir do terminal de Sines, com 95% do total do gás natural que entrou em Portugal, recebendo-se os restantes 5% através da interligação com Espanha.

O gás descarregado em Sines teve origem sobretudo na Nigéria e nos Estados Unidos, que representaram, respetivamente, 42% e 40% do aprovisionamento nacional.

Em dezembro, o consumo de gás manteve a tendência de descida que se registou ao longo do ano, com uma diminuição homóloga global de 11,5%, com uma quebra de 51% no mercado elétrico, parcialmente compensada por um crescimento de 10% no segmento convencional.

Partilhar

Revista Digital

Revista Pontos de Vista Edição 128

Popular

Mais Artigos deste tipo

Apresentação da Semana dos Parceiros do Roteiro das Minas

Num total de mais de 40 parceiros, distribuídos por...

Guia para as Eleições Legislativas 2024

Mais de 10,8 milhões de eleitores residentes em território...